segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

As 12 objeções dos críticos

Irmão JESUS CRISTO BREVE VIRÁ, "fontes da citação" se referem AOS TRECHOS das fontes primárias, os livros da Escritora tratada de onde se tirou as citações NO VÍDEO, com o devido título da obra e a página. Dizer tão somente que uma pessoa disse "isto" ou "aquilo", não é correto, tem que se transcrever a citação e incluir a fonte para que o leitor ou ouvinte possa consultar. Não podemos tão somente acreditar no que terceiros dizem, temos que conferir nas fontes primárias para ver se as coisas são de fato assim. O mínimo do mínimo é que o irmão tivesse feito esta pesquisa, localizando as citações para ver se o que é dito no vídeo constitui-se verdade ou não. Como o irmão pode firmar apoio a uma opinião, sem ter consultado, sem ter pesquisado? Tratando do assunto em si, foram 2.000 sonhos e visões. Segundo a interpretação dos irmãos, incluindo o autor do vídeo, uma meia dúzia não haveria se cumprido, isto baseado no entendimento dos irmãos, sua capacidade de leitura, interpretação e entendimento do que leem. Que explicação os irmãos dão ao cumprimento do restante das profecias? Se em 2.000 profecias, encontramos, particularmente, objeções quanto ao cumprimento de apenas 12, é mais racional julgarmos que interpretamos equivocadamente estes 12 pontos, do que a Escritora tenha acertado "na sorte" todo o restante de de 1988 visões. Ainda mais sabendo que na América do Norte e na Europa também se leem estas mesmas declarações e estes mesmos trechos nos livros, mas não julgam que ali indique uma falha nestes 12 assuntos. Somente aqui no Brasil, irmão, vemos estas objeções e sabe-se a origem. A fonte de origem destas acusações foram contraditas, os autores chamados a defender suas alegações em debates, mas fugiram e continuam fugindo hoje, mesmo com insistência durante vários meses. Concordariam os irmãos em defender vocês mesmos, estes pontos, abertamente, já que também os defendem e neles acreditam? Foram construídas, irmão, 100 mil páginas de manuscritos. Todos estes escritos, feitos à mão, estão à disposição para consulta. Nenhum teólogo, mesmo depois de vários anos, conseguiu criar obras de refutação para estes escritos. Doutrinariamente e academicamente é muito difícil refutar o que a escritora escreveu, por isto, as religiões que possuem doutrinas contrárias o que fazem é ignorar. Nem mesmo proibir a leitura destes livros podem fazer, pois atiçaria ainda mais a curiosidade. Aqui no Brasil, um falso movimento apologético, decidiu deixar a boa apologética de lado para atacar escritos de outras religiões que não a que o apologista professe, por meio de práticas academicamente incorretas e o uso de distorções do que consta nas fontes originais. De 100 mil páginas porém e mais de 2.000 visões, 12 pontos foi tudo de aparentemente "nublado" que conseguiram encontrar passíveis de serem distorcidos e que poderiam ser usado a seus favor. Porém, o próprio testemunho de que diante de tal volume de informações, apenas 12 pontos estão na língua dos críticos, aqui no Brasil, demonstra que há algo de muito sério nisto, porque é muito pouca objeção, dado o volume das obras que estamos tratando. E a coisa se complica quando percebe-se que os críticos, tanto os que constroem, quanto os que disseminam estas objeções, sequer leram as obras da Escritoras e a maioria, nem mesmo o livro inteiro de onde se tirou as objeções. De tudo, ainda que houvessem 12 objeções, contrariando seu dom profético, o fato de todo o resto ter se cumprido já incentivaria a leitura de seus livros, a saber todo o resto que foi predito e que se cumpriu. Agora, em se tratando de uma pessoa que teria acertado todas as suas previsões e errado apenas 12, é muito mais racional questionar estas 12 supostas imprecisões. Porque, estando estas 12 supostas imprecisões sanadas completa-se, junto com as outras 1988 visões, o conjunto de 2.000 visões totalmente cumpridas. Assim, tendo apenas 12 objeções, estamos muito mais perto de reconhecer seu dom profético do que revogá-lo. Ainda mais quando estas objeções são fabricação de um grupo de críticos aqui no Brasil, cujas objeções já foram tratadas e que qualquer pessoa com boa capacidade de leitura, interpretação e entendimento de texto, pode perceber o que de fato está escrito e que é muito diferente daquilo que os críticos escreveram. Críticos estes que tanto confiam no que disseram, que não se aventuram em defender abertamente suas ideias diante do contraditório. Asim, não acreditam nem confiam realmente naquilo que os próprios escreveram. O Centro White publicou as análises e fez o contraditório e quem disse que os críticos trataram de contradizer esta análise? É por isto que desmerecem o Centro White, porque o contraditório é colocado, mas nenhum crítico se atreve a defender suas teses diante da contradição. O irmão por exemplo, seria capaz de defender o que pensa diante das respostas dada pelo centro? Seria capaz de refutar a resposta dada pelo centro que é porta-voz oficial dos escritos de Ellen White. Mostrar onde erraram em sua defesa? Demonstrar que os críticos e não o Centro White é que estavam corretos? Nenhum crítico, irmão, jamais se dispôs a contrariar o Centro White, que detêm não apenas os escritos de Ellen White, mas todas as informações históricas, cartas de Ellen White, relato e descrições primárias de cada pessoa que interagiu com a Escritora. Tudo guardado em uma case que funciona também como museu e cofre.Contendo jornais, revistas e tudo que foi coletado desde aquela época. A única obra crítica, por meio de livro, construída foi feita por meio de um roubo de parte deste acervo, todos os demais escritos críticos provém deste livro intitulado "A mentira branca". Após pesquisa por 5 anos acerca de suas alegações e parecer de peritos, o autor nunca mais teve coragem de produzir um único artigo que seja atacando a escritora. Todos os críticos na época se calaram, ao serem provadas as falsas acusações pelos próprios pesquisadores que estes mesmo tanto elogiaram. Onde até mesmo estes estudiosos deram seu testemunho, dizendo que suas próprias vidas não seriam mais a mesma depois de terem tido contrato com aqueles escritos da escritora cristã. Isto, os irmãos, não mostram em seus vídeos! De tudo que ocorreu na história do adventismo, de todos os embates, dentro de tamanha quantidade de informação, tudo que alegam contra a escritora, hoje, seriam 12 profecias supostamente não cumpridas. É muito pouco, irmão. Fora os poucos críticos dados a estas distorções, todos os demais que leem de fato as obras de Ellen White, ainda que discordem, não encontram nenhuma imprecisão acerca de suas profecias, nem mesmo nestes 12 pontos levantados. O problema com os livros de Ellen White, irmão, é doutrinário, segundo o que ensinado em cada religião e a profissão de fé de cada leitor, exclusivamente doutrinário, irmão. Tudo o que Ellen White escreveu por predição se pode ser comprovado, hoje, segundo o que já se cumpriu e a quantidade é imensa, palpável e visível. Estes aí não há como se contradizer, ficam então os críticos com os 12 pontos, junto com outros que possam inventar de suas próprias cabeças, os quais nem os mesmos confiam, pelo menos não o suficiente ao ponto defender o que disseram, diante do contraditório, como não o fez Walter Rea em sua época, como não o fez Canright (que inclusive se arrependeu publicamente), como não fez, hoje, o CACP. As refutações quanto a estes 12 pontos levantados ainda estão aberto, qualquer um que quiser contradizer a conclusão oficial da Igreja Adventista ou do Centro White, pode se achegar, sem constrangimento, e fazer suas alegações. Um abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário