sexta-feira, 26 de maio de 2017

Se o dízimo das igrejas fossem entregues ao governo, sairíamos da crise?

Olá, irmão William, se o mundo aceitasse a Deus e vivessem segundo o sistema de 10% de dízimos mais ofertas segundo a vontade de cada um, o PIB estaria melhor ou pior do que neste sistema humano onde se recebe apenas metade do que sai do bolso de um empregador e ainda tem que se desprender 60% do que recebemos em impostos? Deus cuida de nós enquanto cuidamos da Sua obra de evangelização! Sistema falho, não é isto? A nação de Israel não prosperou e no tempo de Salomão o PIB e o desenvolvimento era muito baixo, não é isto? O problema com o PIB dos países é a falta da parte que é dos dízimos? "Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça." (Provérigos 29:4, versão Linguagem de Hoje) Entregar o dízimo diminui nossa renda, não é isto? "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes." Malaquias 3:10 Chegou ao ponto de o sacerdote ter que ordenar para que parecem de entregar o dízimo por não haver mais onde guardá-los, mas Deus não teve nada a ver com isto, não é mesmo? Em recompensar a nação por sua fidelidade, não é isto?! Um abraço.

Lei de Deus! Ou lei de homens?

Não, irmão, quem diz isso são teóricos da conspiração, não eram apenas os sacerdotes que roubavam a Deus, mas toda a nação, segundo o trecho que irmãos dados à teorias da conspiração e ao meio anti-religioso, não leem: "Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, TODA ESTA NAÇÃO" Malaquias 3:8,9 Está logo no verso abaixo! Infelizmente vivemos em uma época em que boa parte da cristandade, graças aos ensinamentos destes mesmos teóricos são analfabetos de Bíblia. Porque ensinam que dízimo foi abolido, lei foi abolida, sábado foi abolido, que o antigo testamento perdeu a validade, que os ensinamentos de Cristo era só para judeu, para ensinar um graça descompromissada com o fazer de TODA a Bíblia sua regra de fé e de prática. O irmão chama de a Lei do homem, uma lei que foi dada pelo próprio Deus, ordens diretas e expressas do próprio Deus, vindas da boca do próprio Deus o qual ordenou que Moisés escrevesse. O irmão chama a lei de Deus de lei de homens? A lei é a vontade de Deus, porque a vontade do homem é sempre transgredir a lei de Deus, só que no Antigo Testamento o povo sincero assumia seu erro ao invés de inventarem desculpas para não obedecerem a Deus. Porque eram justamente os sacerdotes bêbados e corruptos que reclamavam das palavras do profeta dizendo: "Porque é mandamento sobre mandamento, mandamento sobre mandamento, regra sobre regra, regra sobre regra, um pouco aqui, um pouco ali." Isaías 28:10 E reclamavam: "Quem é que ele está tentando ensinar? A quem está explicando a sua mensagem? A crianças desmamadas e a bebês recém-tirados do seio materno?" Isaías 28:9 A lei dos homens é esta, irmão, de que: A lei de Deus teria sido abolida; De que o antigo testamento teria perdido a validade; De que aqueles ensinos de Cristo eram só para judeu; De que Tito e Tiago eram legalistas; O que Deus diz na Sua palavra é sempre "guarda os meus mandamentos", "toda escritura é inspirada" (2 Timóteo 3:16), "A lei é santa justa e boa", "os santos guardam os mandamentos de Deus". Deus jamais removeu ponto algum de sua lei. O trabalho de Cristo não é remover a lei mas sim o pecado, no céu e na nova terra, andaremos naturalmente em conformidade com as leis de Deus, porque não mais pecaremos. Era a própria lei que condenava a atitude dos maus sacerdotes e beneficiavam os bons sacerdotes, irmão, garantindo mantimento a eles no templo. A lei de Deus consiste em ensinar a deixar de praticar o mal. A praticar justiça e a agir para com o próximo assim como Deus agia para com toda a nação! Deus dava à nação de Israel o mesmo bom exemplo de Cristo, tolerando, perdoando, ensinando, corrigindo, punindo os maus e protegendo os justos. Este é o sentido da lei, irmão! Um abraço.

A lei não foi abolida!

Pois é, irmão Levedir, aparecem líderes dizendo que a lei foi abolida que o último apóstolo foi João, só que nossos irmãos deveriam conferir na Bíblia para ver se as coisas são de fato assim: "nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos; E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão;" Atos 2:17,18 "E ele disse-me: Importa que profetizes outra vez a muitos povos, e nações, e línguas e reis." Apocalipse 10:11 "Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar." 1 Coríntios 14:1 Falam de Jesus, sobre receber de graça, tão somente para justificar o fato de não seguirem Todas as Escrituras. A fim de colocar os que guardam os mandamentos na posição de rebeldes. Jesus não veio para trocar as coisas de lugar, irmão, quem transgride a lei, continua sendo transgressor, ainda que repita continuamente: sou salvo pela graça. Porque os demais são igualmente salvos pela graça e continuam obedecendo a Deus, guardando Seus mandamentos: "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados." 1 João 5:3 "E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos." Mateus 19:17 "Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas." Apocalipse 22:14 "Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos." 1 João 5:2 "Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." Apocalipse 14:12 "Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade." Tiago 2:11,12 "Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta." Tiago 2:26 "Anulamos, pois, a lei pela fé? DE MANEIRA NENHUMA, antes estabelecemos a lei." Romanos 3:31 "Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;" Romanos 7:22 "E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom." Romanos 7:12 Não Paulo, não João, não Cristo, nem demais apóstolos, mas estes mesmos líderes, segundo seus brotoejos de dispensação é que se colocam a ensinar aos indoutos de que leis e profetas foram abolidos. "Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição." 2 Pedro 3:16 "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas." 2 Timóteo 4:3,4 E a fábula é esta de que tendo aceito a Cristo o cristão pode viver segundo suas próprias concupiscências, não tendo que obedecer ao que Deus diz em Sua lei e nos livros dos profetas, como obedeceram todos os cervos de Deus, incluindo os apóstolos. Exemplo de quem estes líderes seguem? A ponto de ensinarem de que não devemos mais viver segundo a lei de Deus? Acerca daquela lei que Paulo continuava tendo prazer, que continuava sendo Santa, Justa e Boa, porque contém princípios de um Deus Santo, Justo e Bom, a Palavra diz: "Mas não entres em questões loucas, genealogias e contendas, e nos debates acerca da lei; porque são coisas inúteis e vãs. Ao homem hereje, depois de uma e outra admoestação, evita-o, Sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado." Tito 3:9-11 O mesmo autor inspirado "Tito", que tais líderes acusam de ser legalista e contra a graça de Paulo! Mas como lemos, Paulo nunca foi contra a lei, que ele próprio continuou guardando até o dia de sua execução: "Mas ele, em sua defesa, disse: Eu não pequei em coisa alguma contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César." Atos 25:8 Paulo, assim como Tito e Tiago eram contra o fazer da lei um MEIO de salvação ao invés de um RESULTADO de todo aquele que aceita a Cristo! Como os próprios descendentes de Israel aceitaram a Deus, foram salvos e libertos e então receberam a lei. Não para alcançar as promessas que Deus havia feito, mas para honrar o Deus a quem serviam. Assim deixam de lado os mandamentos de Deus e a Sua lei, para viver no mundo e conforme o mundo. Repudiando o estilo de vida em santificação gratuita sob a qual viveram todos os servos de Deus. Cristo não removeu o processo de santificação da vida do cristão na Cruz, que é o que leva todo cristão a se tornar mais parecido com Cristo assim como foram tornados os servos de Deus que se tornavam cada vez mais em conformidade com a vontade de Deus expressa na lei e nos profetas. O que Jesus removeu foi o Escrito de Dívida e por consequência, a condenação de morte pela transgressão das coisas reveladas como sendo pecado e escritas na lei. Cristo removeu a dívida e por consequência a condenação que a transgressão da lei nos impunha e não a lei que continua nos mostrando o que é pecado: "Todo aquele que pratica o pecado transgride a Lei; de fato, o pecado é a transgressão da Lei." 1 João 3:4 A missão de Cristo: "Vocês sabem que ele se manifestou para tirar os nossos pecados, e nele não há pecado." 1 João 3:5 Para tirar nosso pecados e não a lei que nos ensina o que é o pecado! O mesmo apóstolo que nos revelou que no tempo do fim os santos são aqueles que guardam os mandamentos de Deus, além da fé em Jesus. Este ensinamento de uma graça desprovida de compromisso para com Deus e Sua lei, de que o cristão teria parte em um estilo de vida santificada por Deus, conforme os servos que lemos em Sua palavra, segundo um estilo de vida em conformidade com a vontade de Deus, não trata de uma graça, mas de um estado de iniquidade (viver como se não houvesse lei) que infelizmente levará muitos enganados para junto daqueles que, igualmente, não quiseram saber da lei de Deus, os quais Deus deitou por meio de Israel à espada, bem como os próprios do meio de Israel que, tendo recebido a libertação e garantida das promessas, não quiseram saber de viver segundo o que lhes era pacientemente ensinado por Deus. "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados." 1 João 5:3 Onde está a rejeição dos servos, profetas e apóstolos de Deus à Sua lei? O que vemos é a rejeição ao legalismo, o fazer da lei um meio de salvação, bem como a apresentação de uma fé sem boas obras diante de Deus! Todo cristão, salvo pela graça, tem deveres para com Deus, palavra do profeta aos salvos escolhidos, o Povo de Deus: "Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem." Eclesiastes 12:13 Aos ensinadores que desprezam a lei de Deus, o profeta diz: "Afastem-se de mim os que praticam o mal! Quero obedecer aos mandamentos do meu Deus!" Salmos 119:115 O que a lei combate é o mal, portanto, ir contra a lei é essencialmente apoiar e praticar o mal. Todo mandamento é bom e para benefício do homem, não de Deus! Deus não precisa de mandamentos porque é tão perfeito quanto exige a sua lei. Não somos perfeitos mas somos APERFEIÇOADOS, segundo um processo chamado de santificação e que leva a vida inteira e que alcança a plenitude somente na vinda de Cristo, quando será extinguido todo mal e o pecado. Isto é o que significa ser nova criatura, se tornar mais semelhante a Cristo e por consequência da atuação do Espirito Santo na vida de cada um, andar cada vez mais em conformidade vontade de Deus expressa em Sua lei e por meio de Seus profetas. Um abraço.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

A lei de Deus e a aplicação das punições

Ôlá, irmão Bruno, se o irmão não entende os motivos destas regras e condenações, como pode concordar ou discordar? O irmão parte de um pressuposto de que Deus não tinha um motivo, racional, prático, justo e plausível para estas leis, julgando-as como mero caprichos. Isto é derivado, irmão, de uma falta de conhecimento das Antigas Escrituras, que está praticamente abolida no meio que ensina a abolição da lei. A mulher era considerada impura, para não ter relação com seu marido nos dias de sua regra, para que o marido respeitasse sua condição. As mulheres não usavam absorvente, não haviam remédios para cólicas e não poderia ser arrastada de um lugar para outro, devendo ser poupada da multidão, para evitar inclusive o vexame, de estar em um lugar onde não tem com que se limpar. As mulheres não usavam bolsas com kits de higiene como as mulheres de hoje em dia. Considerá-la impura significa também que ninguém poderia incomodá-la. E a pena capital para o adultério, irmão, andavam ao lado do desquite, e do teste que fazia inchar o ventre da mulher adúltera, no caso de desavenças por suspeita de adultério. Deus elegeu juízes para julgar todos os casos que envolviam a possibilidade de aplicação da pena Capital! Antes, adultérios geralmente resultavam em vingança sangrenta por parte do marido traído, ou quando o amante era descoberto, se preparava para matar o marido quando este viesse para a vingança. No caso da mulher, vivia em humilhação, tendo que suportar calada a traição, estas coisas não pareciam justas aos olhos de Deus. E a lei não mudou, irmão, o que mudou foi a forma de punição, que varia de nação para nação, segundo suas leis. A nação que quiser impor pena capital para o adultério, está livre para fazê-lo, assim como para com outros crimes hediondos punidos com morte na nação de Israel, como o sequestro e o estupro. No caso do adultério, hoje, onde o cristão já é mais esclarecido e o povo passou passou pelo processo de reeducação com os exemplos, por exemplo, de Oséias e de Deus que perdoou o adultério na nação de Israel com outros deuses, a aplicação da pena capital para o crime de adultério não seria muito adequada, já que não temos aquela mesma mentalidade desumanizada do povo recém liberto do Egito. Cristo veio justamente para nos trazer isto, um guardar da lei amando ao próximo e inclusive nossos inimigos, perdoando as ofensas e sendo mais tolerantes, por isto, não teve problema em não compactuar com aquele julgamento injusto, e que seria feito com as próprias mãos, por parte de uma multidão mal intencionada, sem ao menos apresentar o homem que adulterou com ela e sem apresentá-los devidamente diante do sacerdote, a fim de decidir se seria mandada para julgamento. Assim, como não teve dificuldades em permitir o desquite, para os casos em que a mulher se prostitui. A respeito do ontem e do hoje, a aplicação da pena capital, bem como qualquer outra punição, tem que ter um amparo legal, nas leis civis de cada nação. Na época de Roma, por exemplo, as leis romanas que regiam também a Israel, não permitiam a punição de morte por apedrejamento, por parte do povo judeu. Mesmo diante de uma sentença por qualquer crime, o condenado teria que ser apresentado à Roma e somente ela poderia decidir pela aplicação da pena capital. As leis civis judaicas foram colocadas debaixo das leis civis de Roma e assim, irmão, as penas para aquilo que a Bíblia considera crime, são dadas hoje segundo a constituição de cada país. O que a Bíblia nos dá é direito legítimo de punição justa para aquilo que a Bíblia considera passível de castigo ou punição. Assim, o que mudou na história, não foi a lei, o que era certo continua certo, o que era errado continua errado, aquilo de errado que Deus tolerou e a nação já se educou, não deve mais ser praticado, como a poligamia, por exemplo e agora a lei tem direito de impor punição inclusive para casos de poligamia, como já ocorre em nosso país. Assim, Deus outorgou a juízes a autoridade de julgar e aplicar penas debaixo da autoridade de Deus, de modo que o que mudou não foi a lei, mas a forma de punição. Agora, o que não podemos perder, irmão, é o norte de que assassinar é errado, furtar é errado, levantar falso testemunho para prejudicar o próximo é errado, adulterar é errado! Quando a lei de Deus for desconsiderada e estas questões não forem tomadas mais como relevantes, o mundo voltará ao estado em que o povo de Israel estava, quando haviam acabado de serem libertos da escravidão no Egito, o que é praticamente o mundo secular de hoje, onde muitos levam uma vida de iniquidade como se não houvessem leis, as de seu país, nem as de Deus. Um abraço.

A graça anula a obediência à lei?

Pois é, irmão Bruno, infelizmente há este ensino no meio evangélico de que a salvação no antigo testamento seria pela lei, por obras. Infelizmente continua se ensinando que, não pela graça, mas o pessoal no antigo testamento guardava a lei e por meio dela eram salvos, não pela fé expressa por meio do sacrifício de animais! O povo de Israel, irmão Bruno, já estavam salvos pela graça de Deus tanto quanto nós cristãos. Quando aceitaram a Deus e então honraram ao seu Senhor guardando Seus mandamentos, manifestando a aceitação de Cristo e arrependimento pelos pecados por meio do sacrifício do cordeiro que representava a Cristo. Ensinam, neste meio, que a salvação no antigo testamento era pela lei e coloca-a em conflito com a graça tão somente para ter desculpa com que justificar o fato de não fazerem de toda a Bíblia sua regra de fé e prática. De terem aceito a Cristo mas não viverem como Ele viveu e como os apóstolos e os demais pertencentes ao povo de Deus viveram. "Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei." Romanos 3:31 "Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;" Romanos 7:22 "E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom." Romanos 7:12 Não Paulo, mas a cabeça de professos ensinadores tem traduzido trechos na Bíblia aqui e acolá, tentando forçar uma abolição da lei por parte do mesmo Paulo que disse que não é correto anular a lei pela fé. Que manifestava prazer em uma lei ainda vigente e a chamada de santa, justa e boa, como é o caráter do próprio Deus. A Palavra de Deus não é balela, irmão Bruno, cada linha das escrituras correspondem à vontade de Deus, sendo a regra de fé que Deus construiu através da história para todo aquele que professa seguir ao Senhor. "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade." Mateus 7:21-23 Quanto aos que pretendem justificar esta ideia estapafúrdia de que a lei de Deus teria sido abolida, Pedro nos dá a seguinte informação: "Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição." 2 Pedro 3:16 A lei foi abolida? "Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade." Tiago 2:10-12 Contido em um dos dois livros que nunca se leem nas igrejas onde há este meio abolicionista. Outro livro: "Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa do juízo. Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?" Tiago 2:13,14 João: "Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." Apocalipse 14:12 "E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo." Apocalipse 12:17 Jesus: E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos." Mateus 19:17 Mais de João: "Porque nisto consiste o amor a Deus: obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados." 1 João 5:3 Mais de Jesus: "Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas." Apocalipse 22:14 Por que se guarda os mandamentos de Deus? "De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem." Eclesiastes 12:13 Como então estes trechos nas cartas de Paulo, que os abolicionistas torcem para suas crenças, poderiam estar ensinando a abolição dos mandamentos enquanto demais livros do Novo Testamento e o próprio Paulo estão a falar da continuidade destes mesmos mandamentos? Mantenhamo-nos longe destas teorias, assim chamadas, dispensacionalistas. Um abraço.

O sábado e o cerimonialismo

Olá, irmão Pequi, os contextos continuam emendados. Um fala de dias de jejum e o outro fala das comemorações relacionadas ao santuário às quais não eram permitidas aos gentios participar. As ofertas de manjares e libações, os dias festivos, a chegada da lua nova, os sábados solenes (incluindo o do sétimo dia onde se ofereciam sacrifícios e ofertas extras), os quais os gentios continuavam não podendo participar como faziam Paulo, Pedro, demais apóstolos de Cristo e os discípulos judeus-cristãos. Para fazerem parte destas coisas os cristãos-gentios teriam que circuncidar-se e isto implicaria, no contexto da época, em se tornarem judeus. Porém, estas comemorações, estes simbolismos perderam o sentido com a morte de Cristo, que é o corpo à partir do qual é projetada esta sombra, ou seja, a sombra era apenas uma simulação e representação de Cristo e Seu ministério, como cordeiro sacrificado e como sacerdote e sumo-sacerdote. Assim, para os gentios, buscar estas coisas, o antigo método de aproximação dos méritos salvíficos de Cristo, por meio do sacrifício de animais e as festas que simbolizavam este mesmo Cristo, implicaria em rejeitar a realidade já cumprida no sacrifício feito por Cristo na Cruz. É abandonar a realidade, para voltar às sombras representativas, o que seria como rejeitar o sacrifício de Cristo! Porque os judeus continuavam a guardar todas estas coisas, por não terem Crido que Cristo era o messias. Paulo e demais apóstolos e cristãos, iam ao templo apenas para adorar e orar, tendo consciência de que as representações já haviam sido cumpridas em Cristo. Assim o sentido do templo era apenas de continuar servindo como lugar de oração, adoração. "E os ensinava, dizendo: Não está escrito: A minha casa será chamada, por todas as nações, casa de oração? Mas vós a tendes feito covil de ladrões." Marcos 11:17 Isto é o que foi profetizado em Isaías 56:7: "Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos." Ou seja, a nova aliança se despia de todos os símbolos e representações do santuário, para se agarrar no Cristo e Seu ministério como cumprimento de todas aquelas coisas e assim, hoje é Cristo quem realiza os trabalhos de mediação e intercessão pelo povo e não mais os sacerdotes terrenos. Na carta em Hebreus, Paulo então explica aos gentios-cristãos acerca do santuário que está no céu, onde Cristo ministra como Sumo-sacerdote, sendo para onde então onde os gentios-cristãos e judeus-cristãos deveriam direcionar as suas orações, pedidos e buscar perdão para os seus pecados e não mais no antigo santuário, por meio de suas sombras representativas DESTE ministério que é de Cristo. E estas são as coias pelas quais não devemos julgar, as cerimoniais. Isto significa que o sábado era puramente cerimonial? A resposta é não, por vários motivos: Primeiro de que o sábado já era exigido como Lei por Deus antes da entrega da regulamentação do santuário e das representações cerimoniais (Êxodo 26:17-30). Conjunto de leis, incluindo o de não ter imagens e adorar outros deuses como o povo fez posteriormente aos pés do monte, e que procedem de Abraão, o pai daquele povo (Gênesis 26:5). Segundo que embora o sábado tenha recebido sombras representativas, por meio dos sacrifícios e ofertas extras, continuava mantendo o princípio de descanso semanal ao sétimo dia, guardado pelo povo recém liberto o qual foi dado na Criação (Gênesis 2:2-3). Terceiro que o sábado foi feito para servir de descanso para o homem "(E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem..." (Marcos 2:27) remetendo aos eventos da criação. Quarto, que o sábado inclui o princípio de adoração a Deus e congregação entre todo o povo. Quinto, o sábado foi criado quando não havia pecado, nem necessidade de representação de sombras e simbolismos para explicar didaticamente o sacrifício e remissão que Cristo faria por toda humanidade na cruz. Sexto, embora tenha sido a base para os demais sábados, os festivos e solenes, o sábado do sétimo dia, não precisa ser necessariamente removido junto com estes sábados, uma vez que já existia antes mesmo destes outros sábados vierem a existir. A necessidade de um dia para a igreja inteira se reunir e congregar, para adorar a Deus, descansar de suas atividades seculares e passar um dia em comunhão com Deus e as coisas que ele criou para que aproveitássemos, a natureza, que deveria continuar sendo no sétimo dia conforme Deus exigiu ao invés do primeiro dia, conforme a cristandade hoje se dedica. O descanso que é direito não apenas aos filhos, mas também ao empregado, o servo e até mesmo os animais. Este mandamento com fim de descanso semanal, dia de culto e adoração a Deus e dedicação às atividades religiosas é um direito inalienável. É um bem natural dado por Deus à humanidade e que ninguém tem o direito de tomar para si. As notas de rodapé das Bíblias evangélicas, explicam estas passagens citadas pelo irmão, sem dar um sentido de abolição do sábado ou da lei e as novas trazem consigo advertências de que estas passagens não estão a revogar o sábado ou qualquer outro mandamento, isto por conta da má interpretação destes versos no próprio meio evangélico, segundo uma suposição de abolição do sábado ou da lei. São as mesmas bíblias de estudos que utilizamos aqui na Igreja Adventista do Sétimo Dia, junto com outras bíblias de estudo especialmente as de confissão reformada. Assim, de forma alguma Paulo está sugerindo uma remoção do sábado nestas passagens, no que interpretar estas passagens de forma equivocada pode ser muito perigoso segundo Pedro adverte em (2 Pedro 3:16). E até mesmo nós estamos passíveis de erros grotescos, irmão, por isto é importante comparar a nossa com outras opiniões! Por meio de outras opiniões podemos chegar a descobrir de que estávamos errados. Não há nada de errado em ouvir outras opiniões e comparar com as nossas. Um abraço, que Deus te abençoe.