sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Nova Dispensação vs Antiga Dispensação?

Olá, irmão Eduardo, se baseamos nossa interpretação por meio de versos isolados, trazemos problemas sérios ao evangelhos. Porque podemos supor os mais variados entendimentos, uma fez que nos dissociamos do contexto. Veja, estes versos não dizem explicitamente aquilo que desejamos que ele diga, então temos que buscar no contexto, para ver se está tratando daquilo que achamos que o verso está tratando ou não. O mentor que devemos usar irmão, é as Escrituras? Mais quais, se estamos tratando das cartas de Paulo? A resposta, irmão, é uma única, as próprias Escrituras, toda ela, de Gênesis ao apocalipse! A Bíblia se interpreta irmão, de modo que não podemos nos basear em nosso próprio raciocínio. O que para o irmão foi ensinado como uma abolição, em outras igrejas é ensinado como uma mudança, em outras é considerada como uma correção de uma má interpretação da lei. Entre alguns eruditos, certas passagens são justificadas como problemas de ordem externa, provindo de ensinamentos alheios ao ensinamento Bíblico, ensinos pagãos ou gnósticos mesmo. Tudo deve ser considerado, irmão, por isto temos a "ciência" chamada Teologia. Assim, não podemos nos precipitar em escolher uma interpretação que se encaixe com as nossas crenças. E Paulo, irmão, não tinha só o Espírito Santo, mas também as Escrituras. Agora vem uma regra básica! Nenhum profeta pode contrariar outros profetas ou as próprias Escrituras. Todos os profetas falaram inspirados pelo Espírito Santo e todas as Escrituras foram inspiradas pelo mesmo Espírito Santo. Assim, irmão, o Espírito Santo fala DAS e ACERCA das Escrituras, ao tratar com alguém que não é profeta! Paulo, não tinha nenhuma autoridade ou status que lhe permitisse revogar ou modificar as Escrituras, quem pode fazer isto é somente Deus. O Espírito Santo, então teria inspirado Paulo a ensinar a revogação da lei e outros conteúdos das Escrituras? Veja, irmão, que Cristo também não estava autorizado a modificar as Escrituras, nem revogá-la, mas apenas exercer o Seu papel que é cumprir tudo que foi dito sobre Ele nas Escrituras. Paulo, irmão, guiado pelo Espírito Santo e firmado na Palavra de Deus, a Bíblia, falou como professor, instruindo e ensinando acerca de certos aspectos da lei nas próprias escrituras. Ele não estava adaptando as Escrituras a um novo contexto Cristão, mas adaptando os cristãos aos corretos conceitos acerca das Escrituras! De modo que Paulo estava atuando muito mais como Teólogo do que Profeta. Paulo estudou as Escrituras para ser também um mestre e doutro da Lei. Quando Paulo critica a outros chamando-os de indoutos, é por não conhecerem bem as Escrituras. E os cristãos gentios, irmãos eram na totalidade indoutos! Muitos tiveram aprendizado formal da lei nas sinagogas, mas não se aprofundaram. Assim, Paulo era o doutor, acerca da lei para os gentios. Recebia também mandamentos diretamente de Cristo. Paulo, em, suas cartas, amplia este conhecimento acerca da lei, nas nuances de seus aspectos! O aspecto condenatório, o aspecto de tutor são dois bons exemplos de aspectos acera da lei, que Paulo tratou em suas cartas para contradizer errôneos entendimentos assimilados pela igreja em certas localidades. Um destes errôneos entendimento era de que a salvação poderia ser pela guarda da lei. Outro errôneo entendimento era o de que, guardando a lei, poderia se comprar, de alguma forma, o favor de Deus. Pacientemente, Paulo foi corrigindo os problemas que surgiam dentro da igreja e as divergências, por conta da forma errada como alguns entendiam a função da lei. São destes problemas, relativos aos mais diversos assuntos, acerca da lei que Paulo trata em suas cartas. Assim, Paulo estava corrigindo os problemas e não, digamos, abolindo um suposto problema. O dispensacionalismo direciona a mente a pensar que se Paulo está criticando um entendimento ou atitude diante da Lei, ele estaria pregando contra/revogando a lei, ao invés de estar corrigindo um entendimento equivocado acerca da lei, usando os mais variados argumentos. É por isto, irmão que temos que ter cuidado! Devemos, no mínimo, entender um pouquinho acerca da lei, por que foi dada, qual sua função, o que representa. De cara, o dispensacionalismo ensina a lei como se fosse um castigo, um fardo dado ao povo, deturpando totalmente o objetivo para o qual a lei foi dada, também ensina que a lei foi dada como meio de salvação aos Israelitas, outro entendimento que deturpa totalmente o plano da salvação, baseado únicamente na graça. Entender a lei, irmão, em seu papel, é importante para entendermos que a lei nunca foi dada com o propósito de substituir a graça. Quando entendemos isto, percebemos que não há sentido em revogar a lei em prol da graça. Assim, antes de pressupor uma abolição em cada verso de Paulo, difícil de entender, procuramos entender o que Paulo estava querendo, de fato, ensinar para cada igreja. Para Paulo, a lei era uma só! Paulo se firma em tratar mais de ASPECTOS da lei, do que de uma categorização em "cerimonial", "civil" e "moral". Nisto Paulo tinha uma clara distinção do que era sombra e do que não era sombra que se cumpria em Cristo. Para Paulo, sombra era tudo aquilo que estava incluído no ritual do santuário e que tratava do sacrifício de animais e que incluíam os dias em que se realizavam, como os dias de festas, as luas novas e os sábados. Esta sombra permeia toda a lei, de modo que não há como separar, pois até mesmo nos profetas há coisas que são sombras cujo cumprimento é em Cristo. https://www.bibliaonline.com.br/acf/busca?q=cumprindo Então não é de se admirar que o sábado, o semanal mesmo, que é a base de todos os demais sábados, os festivos, os solenes, os de lua nova, esteja incluído nas declarações de Paulo. O que temos que ver era se o problema era realmente com o sábado semanal e de tão grande propoção que justificaria sua remoção/abolição. E percebemos que não é este o problema nas cartas de Paulo, o sábado em si, mas problemas que tinham relação com o sábado, ou sábados. Assim Paulo combate O PROBLEMA que se relacionava, inclusive com o sábado, veja, o PROBLEMA não o MANDAMENTO. O mesmo ocorre com a Lei, onde Paulo combate problemas RELATIVOS à lei e não propriamente a lei. O dispensacionalismo, porém, como um pombo desastrado, pula em cima da mesa das cartas de Paulo e diz: isto está abolindo, isto está abolindo e isto também está abolindo a lei e o sábado. Porém, não é assim que se interpreta as Escrituras, irmão. Temos e que identificar o problema e que nunca é o mandamento em si! Mas sempre algo relativo aos mandamentos, porque a regra de fé para a igreja apostólica eram as Escrituras, portanto, os problemas eram sempre relativos À FORMA como a igreja deveria proceder, diante dos ensinamentos das Escrituras. Nunca, nem nos evangelhos, nem nas cartas de Paulo, nem nos demais livros das Novas Escrituras, estiveram em debate a guarda ou não dos mandamentos de Deus. Eram sempre como guardar estes mandamentos e se a forma como se estava pretendendo guardar o que aprenderam nas Escrituras estava correta ou não. O dispensacionalismo passa uma falsa impressão de que os cristãos ouviam apenas o que Paulo escrevia! Isto não é verdade! As cartas de Paulo só foram escritas por ocasião de estar havendo um mal entendimento acerca do assunto que aprenderam. Fora cartas tratando dos problemas, Paulo não deixou nenhum manual ou recomendação, a fim de servir de Bíblia para os cristãos! A Bíblia que era lida e assimilada eram a Lei e os profetas. E somente as cartas, tratando dos problemas das igrejas foram incluídas nas Novas Escrituras. O que Paulo recomenda para ensino e instrução (além de suas próprias cartas corretivas)? Obviamente a regra de fé da época, de onde, logicamente vieram as dúvidas da igreja: "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;" 2 Timóteo 3:16 Assim como recomendou Cristo: "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;" João 5:39 E os cristãos buscavam aprender das escrituras, porque entendiam que ela era a norma de conduta e fé de todo aquele que é parte do Povo de Deus, por ter alcançado a salvação. Judeus cristãos, continuaram vivendo juntos aos judeus, dentro da sociedade que viveram desde crianças. Gentios, continuaram frequentando sinagogas judaicas, aprendendo da lei de Moisés e dos profetas, até o ano 70 quando a cidade de Jerusalém foi invadida e os cristãos tiveram que se abrigar nos montes, enquanto os judeus que sobreviveram tiveram que se espalhar sobre a terra. E Paulo, irmão, alcançou todas as cidades daquela localidade e em cada cidade que ia tinha uma sinagoga, onde onde a lei de moisés era lida e ensinada a cada sábado. Assim, irmão, graça não revoga a lei, Novo Testamento não revoga Antigo Testamento, Jesus não revoga Moisés. Leia Lucas 16:31. Não há Povo Cristão vs Povo Judeu. São todos uma continuação, irmão, de um mesmo plano de salvação e de um mesmo modo de vida, para aqueles que querem fazer parte do novo reino que haverá de ser implantado por meio de Cristo. Um abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário