segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

A lei no contexto da salvação

Isso mesmo, irmão Juliard, Cristo veio acabar com este sistema, porém, como lemos na Bíblia, um sistema que misturava lei com tradição o qual era usado para dominar a nação. A isto Cristo se referiu, ao recomendar que se tivesse cuidado com o fermento dos fariseus. Assim como o fermento incha o pão, a tradição judaica, desde a época dos antigos anciãos, e da libertação do cativeiro na Babilônia, cuidaram de inflar a lei com regras humanas que tornavam a guarda da lei fatídica e em alguns casos até impossível. Também promovia a injustiça e a falta de cuidado com o próximo, ao deixar de lado aspectos da lei também importantes. Cristo veio contradizer a tradição e colocar todos no mesmo nível, debaixo da mesma lei, tanto em privilégios como em condenação e, na cruz, Cristo tira do meio de nós esta condenação. A lei, na nova aliança, é sem o peso da condenação. Guardamos para promover o bem estar e a justiça, esta é a função da lei, toda lei é assim. A lei não deve ser usada como meio de dominação e agora, nem de condenação para os que andam em Cristo. E nem como meio de salvação, para os que estão de fora. Assim, guardamos a lei como Deus guarda, como Cristo guardou, porque é um resultado inevitável de quem anda nos caminhos de Deus em conformidade com a Sua vontade. A lei está ali porque é a vontade de Deus e procuramos não contrariar a Sua vontade pois é a lei que regirá o mundo sem pecados e se não haverá pecados e se já estamos mortos para a condenação, logo, estamos mortos para a lei. Mas a lei continua existindo para o injusto e o obstinado, que não aceitou a Cristo e para os que O rejeitaram. Assim, andamos com a lei de Deus assim como, sendo bons cidadãos e honestos, andamos com nossas leis civis, constitucionais. Pra o cidadão de bem, não há o que temer e ao invés de inimiga, a lei é aliada e protetora, ela nos dá a sensação de segurança e por consequência de liberdade, esta é a lei da liberdade. E assim andamos em relação a Lei de Deus e aos seus mandamentos, como cidadãos de bem que fazem parte do reino de Cristo que andam em conformidade com os estatutos que regem a harmonia deste reino. Todo ímpio é deixado de fora do reino, a estes sim, terão que prestar contas a Deus, diante da lei que Deus colocou sobre todo homem (Eclesiastes 12:13). Em um reino onde todos são como Jesus, nenhuma transgressão há aos mandamentos de Deus, porque os mandamentos foram feitos para condenar as atitudes do ímpio. Como o justo não mata, não furta, não adultera, nem pratica a injustiça, a lei é uma cerca de proteção para aqueles que andam naturalmente em harmonia com seus estatutos, colocando de fora e condenado todos aqueles que atentam contra a lei de Deus, praticando maldade contra Deus e ao próximo. A nós, falhos e pecadores, e ainda convivendo com o pecado, Deus nos considera justos, mesmo em vista de nossas fraquezas e confere ilimitado perdão para nossas falhas. Assim, já recebemos os benefícios da salvação em Cristo, mesmo antes da chegada do Seu reino, não sendo mais contados com os ímpios. É nesta certeza de estar fazendo parte do reino, não tendo nas costas mais o peso da condenação, mas a alegria da salvação, que podemos olhar para a lei e sermos declarados justos, mesmo sendo ainda imperfeitos na sua guarda, graças ao sacrifício de Cristo. Quando Cristo vier e limpar o mundo de todo o mal e do pecado, será para nós como se a lei não mais existisse. Naturalmente andaremos em conformidade com a vontade de Deus, mas até lá, a lei serve como um espelho a fim de mostrar em nós se há algum mal, alguma falha em que precisamos nos corrigir, onde, então buscamos esta correção na graça de Cristo, por meio da transformação que ocorre desde o arrependimento e que nos torna novas criaturas onde ocorre o processo chamado pela Bíblia de santificação, que visa nos aperfeiçoar até a volta de Cristo e que ocorre durante toda a vida do indivíduo. Assim, mesmo que não sirva para nos condenar, a lei serve para mostrar no que temos ainda que ser corrigidos. A obra de correção ocorre mediante atuação do Espírito Santo e da disposição humana. O meio é a Bíblia sagrada, onde temos o conhecimento do bem, o certo e a justiça, coisas nas quais devemos buscar nos aperfeiçoar, para que estejamos habilitados para a prática das boas obras. Este é meu entendimento acerca da lei, no contexto da salvação, irmão. Um abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário