segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Sexo, amor e afeto - A necessidade, o desejo e o prazer



O sexo é um bem criado por Deus para garantir a procriação e assim, a multiplicação do ser humano.

A procriação é uma necessidade humana, sem a qual não seria possível a multiplicação e no contexto deste mundo de pecado e morte, a perpetuação.

O desejo é o meio pelo qual a pessoa humana é levada a procurar o sexo e o prazer é o meio de gratificação.

Estes conceitos precisam ficar bem claro e latentes, porque hoje tem havido uma deturpação do caráter sexual, a fim de defender certas ideologias a que considero anti-naturais.

Um exemplo, tem se pregado por aí, é de que o prazer sexual seria uma necessidade, quando na verdade a procriação é que o é. O desejo sexual, como o próprio termo já diz, faz parte da área do desejo e não da necessidade.

De fato o ser humano, consegue viver, individualmente, sem a prática do sexo, pois não se trata de uma necessidade humana tal como comer, beber, respirar, urinar, ou excretar. Deste modo quando um paciente está para receber alta em um hospital não é observado se suas atividades sexuais estão em dias, mas sim se as funções vitais à vida, aquelas que foram mencionadas, estão em ordem.

Veja:

O sexo não é uma necessidade humana, a procriação sim é uma necessidade humana. O sexo portanto é o meio pelo qual esta necessidade humana é atendida. E o sexo envolve a aproximação (através do desejo), seguido da união sexual (através do coito), e por fim a gratificação sexual (prazer).

O resultado desta união sexual é que constitui aquilo que é considerado uma necessidade para a humanidade, a procriação.

Deste modo o sexo não é uma necessidade, mas torna-se algo necessário, para a perpetuação da humanidade.

Com isto chegamos à conclusão de que, sem a finalidade de procriação, o sexo NÃO seria hoje algo necessário! Mas tão somente algo desejável.


O desejo

A pessoa humana foi criada para buscar o sexo guiada pelo desejo e não pela busca do prazer! Porém devido a humanidade estar tão envolvida na questão do prazer sexual, ocorre que muitas vezes de entregam à prática do coito, mesmo não estando sendo guiadas pelo desejo. Isto é mais ou menos como comer um alimento apenas para sentir o gosto, sem necessariamente estar com o desejo de comer. Daí podemos tirar aquela expressão eroticamente associada ao coito, contida na palavra "comer".

Mesmo não havendo o desejo ainda é possível haver o prazer, porque existe um outro elemento chamado atração!

A atração é um elemento à qual a pessoa se expõe! Este mecanismo é disparado por elementos físicos que atuam através do tato, do cheiro e da visão. De fato é a atração que provoca o desejo.

O flert é um elemento à qual a pessoa se expõe! Este mecanismo de origem intelectual é o responsável pela aproximação para o namoro.

Temos então a seguinte sequência:

Flirt > Atração > Desejo > União Sexual = Procriação

E o prazer sexual?

Ora o prazer sexual é tão somente uma gratificação e que ocorre especialmente durante o clímax do coito, no chamado orgasmo. Mas embora o prazer físico comece aí, o prazer psicológico já começa durante o Flirt.

Socialmente, o Flirt serve para a aproximação entre um casal, a atração é cultivada pelo namoro, quando vem o Desejo é hora do casamento, e após o casamento é hora da união sexual.


Amor

O amor é outra face dos relacionamentos, incluindo o sexual. Através do amor, construímos laços de afeto.

Os laços afetivo são imprescindíveis para toda união, inclusive a matrimonial. Pois atua através dos sentimentos, que extrapolam e muito as faculdades naturais e intelectuais.

Quando incluímos o amor à relação sexual, damos vida e longevidade à união, por isto há casamentos que duram e casamentos que não duram. O amor é responsável pelo afeto que uma pessoa sente pela outra.

O afeto está presente em toda relação familiar representando um laço que une as pessoas, daí o nome "laços afetivos".

Do mesmo modo que estes laços não se acabam tão somente com o tempo, a exemplo dos laçõs entre uma mãe para com seu filho, ou entre irmãos, ou de um avô para com seu neto, os laços afetivos entre marido e mulher também não se acabam com o tempo. Como os demais laços afetivos, o afeto entre marido e mulher só deveria terminar com a morte.

Dizem que o amor acaba, mas o amor não acaba! Quando se chega a esta constatação, descobre-se que na verdade não havia o afeto que deveria haver entre marido e mulher, ou seja, o amor verdadeiro não estava de fato presente.

Não é difícil perceber se um casal está envolvido no amor ou não, bastando analisar a questão do afeto que cada um manifesta. Pessoas que apresentam dificuldades afetivas, apresentam grande dificuldade em se manterem firme em um casamento, significa que dificuldades afetivas, representam problema no casamento, tanto quanto representam um problema na relação intra-familiar. Deste modo toda pessoa deveria antes tratar de seus problemas afetivos antes de decidirem por um matrimônio, fica o alerta!

Ocorre que justamente pessoas que tem problemas com laços afetivos, vão buscar solução através da união sexual e muitas vezes acabam contraindo um casamento e constituindo uma família. Um dia deixam flertar (buscar a sua esposa), em seguida perdem a atração e o desejo e a união acaba.

Ocorre que quando há um forte afeto entre marido e mulher, o carinho, o companheirismo e o cuidado permanecem junto ao casal por toda a vida. Assim, estar com seu cônjuge sempre se constituirá em algo prazeroso porque não se trata de um prazer exclusivamente sexual, de atração sexual e de desejo.

Ocorre que pessoas com problemas de relacionamento, apresentam extrema necessidade de afeto ao passo que, em contrapartida, apresentam grande dificuldade em manifestar afeto!

Nestes casos, geralmente um dos cônjuge tem que, constantemente buscar manifestar este afeto e entender que não receberá, de forma recíproca, a mesma quantidade de manifestações afetiva. Assim, muitas uniões matrimoniais perduram, mesmo havendo dificuldade afetiva por parte de um dos cônjuges, graças ao amor.

Porém quando ambos os cônjuges apresentam dificuldade na questão afetiva, aí a coisa desanda! Tendo acabado a novidade da união sexual-matrimonial e das experiências como ter filhos e vê-los crescer, tudo vem como uma forma de desgaste à relação.

Paixão

Quando uma pessoa se une emocionalmente a outra por meio da atração, sem o devido afeto, ela passa contar exclusivamente com aquilo a que chamamos de paixão. Fato é que a paixão pode acabar, e com ela, muitos casamentos. Isto porque a paixão é volúvel, ela aparece em determinados pontos da união entre um casal e serve para "esquentar a relação". Mas um casamento que usa como combustível a paixão ao invés do afeto, este, acaba se queimando e se consumindo.

A função da paixão não é substituir o afeto, mas aquecer a relação a fim de que não se esfrie. O afeto é quem fortifica os laços de união e a paixão é o que apimenta a relação entre o casal. É combustível que queima, não apenas no que tange ao sexual, mas também o sentimental. É a montanha russa que sobe e que desce, é o que traz emoção à relação!

Porém uma relação baseada exclusivamente em emoções, não há de perdurar. O afeto é mesmo primordial.


Afeto

Afeto é um elemento natural da vida humana, construído através de um relacionamento entre duas pessoas. No caso de uma mãe para com seu filho, este relacionamento começa, no desenvolvimento da gravidez, na comunicação entre mãe e filho através de estímulos. De fato, o afeto é que une uma mãe ao filho, uma avó a seu neto e até mesmo um marido à sua esposa.  Do afeto, deriva cuidado e proteção, desta forma, o afeto é o principal meio pelo qual manifestamos uma faculdade divina chamada amor.


O amor é o mesmo tanto em se tratando do contexto da amizade, da fraternidade, irmandade, e do conjugal, sendo manifesta principalmente través do carinho e da atenção. O amor é universal e independente de contexto, é algo não subordinado à nenhum outro sentimento, ou faculdade.

O problema é que a humanidade tem como tendência, manifestar o amor apenas através do afeto! Deste modo procura manifestar este amor, apenas com aqueles a quem estão ligados através de laços. Seguindo esta tendência, deixa de lado aqueles com quem nunca teve, ou não tem mais, qualquer tipo de laço.

Por isto se findam muitos casamentos e por isto a humanidade tem por costume tratar com indiferença, aqueles a quem não conhecem ou não simpatizam.

Sejamos antes movido pelo amor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário