segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Resposta - Igrejas que agem como seita

Com todo carinho e respeito à pessoa de Fernando Galli, sincero irmão do qual não se deve duvidar de sua honestidade, gostaria de tratar de uma categorização colocada sobre a Igreja Adventista do Sétimo Dia a qual não é bíblica, no que, então, permita-nos trocar uma ideia.

Tenho visto que a maior alegação deste nosso sincero irmão seria quanto à importância dada aos escritos de Ellen G. White. Permita-me porém tratar da, digamos, "raiz do problema".

Veja, de modo algum uma igreja que crê na validade do dom profético nos dias de hoje pode ser caracterizada como agindo de forma sectária pois, wegundo a Bíblia, igrejas que agem de forma sectária são aquelas que não creem na validade deste dom o qual foi prometido que permaneceria até o tempo do fim e se manifestaria principalmente neste tempo. ( Coríntios 14:39, Atos 19:6, 1 Coríntios 12:28-31).

Veja, alegar que a igreja agiria como sectária, por crer em um falso profetas, ainda não seria motivo justificável se, no seu conjunto de doutrinas, nas chamadas crenças fundamentais, esta possuir todas as doutrinas essenciais de uma igreja cristã.

De modo que igrejas agem como sectárias justamente quando negam verdades essenciais das escrituras, dentre elas, particularmente consideramos, a do dom profético. Assim, ainda que Ellen White como profetiza (Atos 21:9), não fosse de fato uma verdadeira profetiza, de mondo algum isto desabonaria a firmeza da crença bíblica no dom profético para os últimos dias, dom este, manifesto em toda a história do Povo de Deus.

Assim, não podemos julgar uma igreja como agindo sectariamente tão somente por crer no dom profético e crer realmente! O que deve ser feito então é analisar a candidata em questão para ver no que ela possui em favor de seu dom profético em conjunto com aquilo que se tem levantado contra o seu dom profético, o que nunca foi feito, senão na questão de plágio e que resultou em veredicto em favor da escritora.

Há, porém, muitas outras igrejas que igualmente possuem seus profetas modernos, sobre os quais se atribuem muitas heresias, vistos também com muita descrenças quanto à validade do dom de tais profetas. Entretanto, nenhuma destas igrejas tem sido "excomungadas" da comunhão cristã por serem consideradas hereges ou sectárias, ou ainda vista com tanta desconfiança em suas atitudes como tem sido para com a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Ellen White ensinava exatamente as mesmas coisas que a Igreja Adventista do Sétimo Dia, em termos de doutrinas fundamentais, de modo que se no corpo de doutrinas fundamentais vemos as doutrinas essenciais do Cristianismo, de modo algum podemos dizer que tal igreja aja como sectária tão somente por crer no dom profético de alguém que pregava as mesmas coisas.

De modo que Ellen White falou segundo nossas doutrinas, então, pelas doutrinas saberemos se a igreja age como sectária, ou não.

No sentido das doutrinas essenciais de uma igreja cristã, como a Trindade, encarnação de Cristo, nascimento virginal de Cristo, a volta de Cristo, a validade dos mandamentos de Deus e as demais, a Igreja Adventista do Sétimo dia passa tranquilamente nesta avaliação.

Então não há sentido em dizer que a Igreja Adventista do Sétimo Dia age como sectária tão somente por crer no dom profético de uma escritora que ensinou as mesmíssimas coisas que a igreja ensina.

E veja que aceitar o dom de profecia é considerar também os escritos de tal profeta como inspirado. Escrito de um profeta inspirado não significa que se torne uma Bíblia. Não há esta regra que diga que qualquer coisa que um profeta diga ou escreva, de forma inspirada, deva ser acrescentada à Bíblia. E nem por isto, irmão, os escritos deste profeta deixam de ter sido escritos por meio de fonte de inspiração, ainda que não sejam acrescentados à Bíblia.

Portanto, esta ideia de que todo escrito de profeta deva ser acrescentado à Bíblia é falsa, no que creio ser uma desculpa construída para se invalidar a possibilidade de um profeta deixar recomendações escritas.

Raciocinam:

1) Se um escrito é inspirado, tem mesma inspiração das Escrituras.
2) A Bíblia porém diz que não podemos acrescentar nada mais às Escrituras.
3) Logo nenhum profeta moderno pode escrever coisas alguma, senão estará acrescentando livros à Bíblia, por seus escritos também serem inspirados.

Este, porém, é um argumento do tipo que impossibilita qualquer profeta moderno de falar ou escrever, sob o argumento de que assim fazendo estaria acrescentando informações às Escrituras.

Esta construção engenhosa porém, não é verdadeira, haja vista que um profeta tem a total liberdade de falar, sem porém acrescentar nada as escrituras, como fizeram as filhas de Filipe. No que suas recomendações continuam sendo inspiradas, mas nem por isto substituem ou acrescentam-se à Bíblia. Assim como muitos outro profetas bíblicos, como Gade, outros profetas falaram, ou poderiam até ter escrito algo ao povo que ouvia e seguia suas recomendações inspiradas, mas nem por isto seu livros tiveram que ser incluídos na Bíblia no fato de terem tido a mesma e úncia fonte de inspiração da parte de Deus que é por meio da pessoa do Espírito Santo.

Assim, irmão, pelo contrário, qualquer manobra para se tentar invalidar qualquer tipo de dom, especialmente o dom profético, nos dias de hoje, isto sim é agir como uma seita que não reconhece o que está na Bíblia, especialmente algo dito de tão importante para os últimos dias quanto o dom profético.

De modo que, verdadeiro cristão, hoje, não é aquele que procura invalidar o dom profético, ou calar a boca de todo aquele que pareça ou se apresente como profeta, mas é validar cada profeta pelas Escrituras.

Neste sentido, quando validamos a escritora cristã Ellen White, percebemos que se encaixa em todas as exigências. Possuiu uma vida em conformidade com o bom proceder cristão, usou as Escrituras para construir suas argumentações. Não defendeu outro livro que não a Bíblia, não colocou seus livros em substituto nem do Antigo nem do Novo testamento. Recomendou a Bíblia a seus leitores e procurou embasar toda a sua argumentação usando a Bíblia e nenhum outro livro a que se atribua status também de sobrenatural.

Procedia conforme aquilo que falava e fez em si mesma uso das recomendações que recebeu de Deus para as escrever em seus livros. Foi boa mãe, levou adiante ao mundo a obra de pregação do evangelho, cuidou dos doentes, construiu escolas e hospitais.

No quesito de doutrina e este é o ponto de dificuldade geral de aceitação da escritora como profeta em outras igrejas, a Igreja Adventista do Sétimo Dia não encontra nenhuma dificuldade, pelo fato de os ensinos de Ellen White se harmonizarem com as doutrinas de nossa igreja.

Assim, o dom profético de Ellen White é tão passível de ser verdadeiro, ou não, quanto nossas próprias doutrinas fundamentais. Agora, como não se assume a possibilidade de as doutrinas da igreja ou de Ellen G. White estarem corretas, assumem que a igreja seja sectária, ou haja como sectária por agirem em conformidade com os ensinamentos de Ellen White?

Veja, irmão, nossas doutrinas foram construída pelos nossos pioneiros, antes mesmo da confecção dos livros de Ellen White, foi a própria igreja quem as construiu. Assim o que está em questão não são as doutrinas que Ellen White defendeu, mas as doutrinas que a própria igreja construiu e se firmou, as suas crenças fundamentais.

Assim, não podemos julgar a Igreja Adventista do Sétimo Dia por suas crença no dom de Ellen White, mas pelo que diz suas doutrinas. Walter Martin, irmão, analisou nossas doutrinas sob esta perspectiva e percebeu que não havia problema algum em considerar a igreja uma verdadeira comunhão cristã, a despeito de ter doutrinas heterodoxas.

Quando críticos e me refiro aos de então, e não ao irmão que é sincero e procura ser correto ao tratar das crenças alheias, deixarem de lado um pouco o foco/medo dos escritos de Ellen White e se focarem nas doutrinas da igreja e passarem a discutir mais doutrinas do que pessoas ou suas trajetórias, teremos algum progresso em avaliar a Igreja Adventista do Sétimo Dia segundo uma qualificação de sectária ou não.

E ter doutrinas heterodoxas, não é motivo para considerar uma igreja sectária, no que também não é correto aquilo que nossa apologética brasileira tem feito (ocorre em outras partes do mundo, mas aqui no Brasil a coisa é bem mais feia), difamando certa doutrina sem ao menos conhecê-la ou entendê-la da forma como consta em nossas fontes primárias.

Assim, a atitude "sectária" da Igreja Adventista do Sétimo Dia é em favor de suas doutrinas heterodoxas e não heresias, veja, doutrina heterodoxa é uma coisa, doutrina herética é outra coisa.

Mais uma vez relembro a pessoa de Walter Martin onde este sim, de fato, contrapôs nossas doutrinas heterodoxas segundo o conteúdo de nossas fontes primárias e percebeu que estas em nada contraria as doutrinas ortodoxas da igreja cristã presentes inclusive no próprio conjunto de doutrinas fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Como poderiam então, irmão, as doutrinas heterodoxas adventistas serem contrárias às próprias doutrinas ortodoxas igualmente aceitas pela Igreja Adventista do Sétimo Dia?

A plena harmonia entre os ensinamentos da igreja, que possui doutrinas tanto ortodoxas quanto heterodoxas, é prova de que seus ensinamentos estão em perfeita harmonia para com as doutrinas essenciais do cristianismo, senão, o seu conjunto de doutrinas seria totalmente contraditório.

Asim, basta estudiosos sinceros como o irmão entenderem as nossas doutrinas heterodoxas como nós mesmos as entendemos que se diluirá o problema ou a falsa impressão de a igreja estar agindo como sectária.

Um abraço, que Deus te abençoe, irmão Fernando Galli.

Nenhum comentário:

Postar um comentário