domingo, 30 de outubro de 2016

Pecado - Um estado de alienação

Olá irmão Salatiel, quando não se sabe de algo, o mais natural é ler para saber. Oura coisa, os problemas da humanidade são causados pela própria humanidade. Agora, podemos deixar isto de lado e usar o argumento da ignorância, justificando nossa crença ou descrença pela falta de informação. O que Jesus está fazendo hoje, está contido nos livros de Gênesis a Apocalipse. No israel antigo, havia um santuário terrestre e um conjunto de cerimônias e representações que ensinavam ao povo de israel, o que cristo faria no futuro. Ocorre que é preciso tanto interpretar os simbolismos do santuário como as próprias profecias, além de extrair as doutrinas ensinadas. E não estou falando de religião, mas de Bíblia, o irmão consegue ler a Bíblia? E pergunto acerca de ler no sentido de entender. Veja, se pegamos um livro médico e não o entendemos significa apenas que não temos base nem conhecimento suficiente para entendê-lo, quanto menos questioná-lo ou contradizê-lo. Veja que estou usando o argumento da ignorância. O livro de Hebreus, nos fala acerca do lugar e da obra que está sendo executada. Fala de um tribunal estabelecido e de um juízo. Creio que o irmão entenda um pouco de como funcionava um tribunal nos tempos de Israel. Uma pergunta: por que Deus teria que que salvar cada pessoa dos problemas que estes mesmo têm criado? Para exemplificar a forma como Deus atua, peguemos um pouco da filosofia médica. Veja, um paciente para ser curado de uma doença contagiosa, precisa antes, estar disposto a se submeter a um tratamento. Um médico, não pode forçar um ateu, ou agnóstico, ou cristão a se submeter a uma cura. Outro ponto é que a doença de tal pessoa afeta outras pessoas e o resultado é doença e morte à todos. Agora e se um dos pacientes, porém, não acredita que o médico exista? Não acredita na receita que ele deixou, nem permite aplicar em si o medicamento que combaterá a doença? Poderá ele culpar o médico pela dor e morte de cada pessoa? O remédio de Deus veio por meio de recomendações simples: parem de matar, furtar, adulterar, caluniar o próximo, desonrar pai e mãe, cobiçar as coisas dos outros. Seguindo isto, a humanidade já resolveria a maior parte dos problemas, derivados das ações do próprio homem. Mas e quanto a catástrofes, novas doenças e outras coisas que fogem das mãos humanas? Então você evoca a Deus e Ele, completa o trabalho, na disposição humana. Agora, do que adianta Deus segurar terremotos e o homem fazer guerra? Fazer cair a chuva, enquanto o homem devasta o planeta? Controlar o clima enquanto o homem joga toneladas de gases na atmosfera? A culpa é de Deus? Veja, a humanidade se considera inteligente, que não precisa de Deus, mas consideram que se há problemas a serem resolvidos isto é tarefa de Deus? Então Deus é uma babá, que serve para limpar as sujeiras que meninos inconsequentes fazem pelo mundo? Imagine um jovem filho saindo de casa, dizendo não querer saber de nada do seu pai, que não quer saber dos ensinamentos e dos conselhos do seu pai. Daí encontra um outro jovem, com a mesma opinião, que lhe aponta um revolver e anuncia o assalto. Dois jovens que não quiseram saber de seus pais, nem dos conselhos de seus pais, um atirou e o outro morreu, mas não sem antes lembrar dos conselhos de seu pai, para permanecer junto aos seus, porque lá fora haveriam muitos que não dão ouvidos aos conselhos dos seus pais. O que Cristo, então, está fazendo no céu? O mínimo do mínimo do entendimento da Bíblia, nos diz que Cristo está tentando "limpar a barra da humanidade", em um universo onde outras criaturas estão a observar o quanto a humanidade é, com perdão da palavra, "estúpida". Sujando a cama onde dorme, contaminando a comida que come e fazendo tudo de errado, mesmo tendo o conhecimento. Será que é Deus, lá em seu trono, rodeado de criaturas perfeitas, que não agem de forma insensata como a humanidade, que têm que se preocupar com os problemas de nosso planeta? Por que não, destruir o planeta, acabar com tudo e fazer uma outra criação no lugar da humana? Agora veja, que os animais, não procedem desta maneira, matando a si mesmos sem causa aparente. Você, porém, coloca dois seres humanos, todos abastados de comida, água e nada lhes faltando, mas um compete com o outro até que um mate o outro. Se não há problemas, eles criam, se tudo está bom, ainda reclamam. Entenda... Criaturas insignificantes, que se consideram a melhor coisa que já existiu, mas são os únicos que contrariam a perfeição notável neste mundo. Quando comparamos a perfeição com que trabalha o corpo humano, o ecossistema, o quão perfeito e organizado são a estrutura dos animais, desde os ossos até as cores das penas, vemos o grande contraste que é com o CARÁTER humano. De modo que se há algo podre neste mundo, com certeza não é Deus, mas o caráter humano. E como se resolveria isto, sendo que há um Deus? Simples! Para-se de agir como débil, começa a fazer as coisas direito, aceita a ajuda de Deus e a humanidade passa a viver, crescer, se multiplicar e morrer, como os animais, em uma vida pacífica, sem ter a si mesmos como predadores! A humanidade precisa deixar de ser predadora da própria humanidade e depredadora do seu próprio mundo. Agora, se a humanidade fizer a sua parte e Deus não fizer a Dele, aí já é outra história! O que vemos porém é que a humanidade não faz o mínimo do mínimo, a fim de deixar de criar problema, enquanto pretende que Deus arrume um jeito de a humanidade não ser vítima de seus próprios problemas, enquanto os continua criando. É acaso isto, lógico? Razoável? Assim, antes de perguntarmos o que Cristo está fazendo lá em cima, devemos nos perguntar o que estamos fazendo aqui em baixo! Estamos seguindo quantas de suas recomendações? Quantos de seus ensinamentos? Paramos de emporcalhar nosso ambiente? Paramos de comer porcarias? Passamos a cuidar melhor dos doentes e das doenças? Ou não!? Este é um problema de uma classe restrita chamada médico? E os problemas ambientais? Será que é problema de uma classe restrita chamada cientista? E os problemas da família e no convívio com a sociedade? Nisto não confiamos na classe restrita, não é mesmo? Resolvemos na base da bala e da faca, não é isto? Veja que o homem tem sido vítima da sua própria imbecilidade! Quer acabar com a fome? É simples, pare de desperdiçar comida e as dê aos pobres. Quer resolver os problemas da violência, adote cada casal um órfão, ou menino de rua, dê-lhe estudo, educação. Ajude os mendigos e necessitados! Invista na reabilitação da humanidade ao invés de contribuir para a sua debilidade! Ou será que não está claro estes ensinos de Cristo na Bíblia Sagrada?! O irmão já leu a Bíblia sagrada inteira, não leu!? Veja então que a raiz de todos os males é a ignorância, que existe por parte da humanidade, e que independe de intelecto ou de ser uma pessoa, racional. Porque até mesmo animais irracionais sabem cuidar do meio ambiente, da família, de sua sociedade. Se unem e se solidarizam para sobreviver em meio à adversidades e para vencer os problemas. Assim, vejo vídeos perguntando, onde está Deus....?? No que me pergunto, onde está a inteligência e a razão humana...?? Me parece que Deus fez um bom trabalho com o ecossistema e com os animais. Veja, os animais não são acometidos de tantos vírus, por que será hein?! Os problemas deles são basicamente de alimentação, até a higiene para os tais não é problema, estão sempre muito bem limpos (a exceção dos que foram feitos para viver da imundície e vivem muito bem até mesmo nela). Ocorre que os animais irracionais fazem uso corretos de suas faculdades e seus instintos, ao passo que, a humanidade, não faz uso da racionalidade e, quando faz, vêm com alguma ideia mirabolante, para estragar ainda mais ao invés de consertar. Assim, a humanidade não tem feito bom uso da razão! Um dos problemas é a falta de leitura, o outro, são problemas de caráter e todo este estado de alienação tem um significado simples através de uma palavra chamada "pecado". Veja, tendo sido feitos à imagem e semelhança de Deus, o homem não age como Deus! Não cria coisas boas como Deus criou, nem coisas perfeitas como é a criação, tanto animal, quanto vegetal e também o homem (exceto em sua moralidade). De modo que o problema está na moralidade do homem. E sendo que o problema está na moralidade do homem é isto que tem que ser corrigido! Mas, olha, que coisa ruim, quando tratamos de moralidade, aí vem aquele papo religioso! Sabe o que é religião, irmão? É um meio didático, para Deus manter o homem preparado e em sintonia com Ele, Deus, a fim de receber e colocar em prática seus ensinamentos, a fim de resolver os problemas. Não é à toa que o povo de Israel, saiu da condição de escravos no Egito para uma nação dominante no oriente, até que, estando em uma vida de paz, onde tudo parecia próspero, acharam que não era suficiente e começaram a fazer justamente o que fazemos hoje em nossos dias atuais. Agora, como explicar que neste mundo, justamente na parte moral do ser humano, haja esta bagunça em contraste com todo o restante, e que é perfeito? A resposta é bastante simples! Se algo era perfeito e hoje se encontra bagunçado, é porque alguém o bagunçou. Oh sim! Livre arbítrio! O homem em sua liberdade e tendo racionalidade, poderia contrariar toda a natureza e decidir fazer tudo errado! A formiga deixaria de trazer folhas, para estender uma rede e ficar balançando o dia inteiro. As abelhas, agora usariam barro para fazer suas casas ao invés de mel. Os animais porém não saem dos trilhos, mas por que a humanidade saiu? A resposta é que alguma coisa foi quebrada dentro da humanidade, onde, assim como os animais tem o instinto que os guia, o homem também tinha um senso moral internamente implantado e que foi enfraquecido e que hoje se encontra em frangalhos. O homem entrou em um estado de negação de Deus e de sua própria consciência. Basta você rejeitar o Deus que o criou e passar a violar as leis internamente implantada que o homem chega, então, ao estado que se encontra nos dias atuais. Veja que entre as formigas, por exemplo, o que há implantado internamente nestes animais é tão poderoso e tão preciso, que estão sempre fazendo o certo e vivendo em paz, caminhando e sem mais problemas, mesmo neste mundo de conflitos. Ocorre, porém, que o homem quebrou, de vez, aquilo que o guiava internamente. Para entender como isto começou, temos que ir às origens da civilização humana, quando todos então criam em um único Deus. Achados arqueológicos, mostram que nas diversas culturas surgidas no berço da Mesopotâmia, relatam eventos parecidos quanto ao surgimento da vida neste mundo, ali, foi o berço das religiões que se espalharam pela terra. Eis o relato, segundo o que têm de próximo/comum: havia um Deus que criou o homem e também a mulher. Por obra de uma entidade maligna, desobedeceram a Deus e foram expulsos do paraíso. Veja que é uma maneira religiosa de descrever como esta moralidade que deveria funcionar na humanidade, não tem funcionado! Veja que sempre que sentimos que algo é errado, é derivado de um senso moral internamente ainda existente no ser humano. Na quebra desta moralidade de indivíduo para indivíduo é que temos homens praticando o mal e fazendo aquilo que nossa consciência aponta como sendo incorreto. E a incapacidade de atentar para aquilo que é correto, mesmo sendo guiados pela nossa consciência e nosso senso natural de moralidade é o que chamamos também de pecado! O pecado, é a designação de toda esta deficiência, que faz com que o homem não se guie nos eixos das leis naturais existentes neste mundo. Os animais não pecam, por isto continuam seguindo nos trilhos, sendo afetados pelas debilidades que nós, homens, trouxemos também a estes. Há também agentes que não combinam com a naturalidade deste mundo, como são os vírus que causam as doenças e bactérias e outros agentes biológicos que então se tornaram agentes letais. Agora, mesmo alertando a humanidade e pedindo para ela se arrepender, dando oportunidade de voltar ao estado original, o que a humanidade responde, em meio à morte, dor, conflitos e problemas de toda a sorte? Preferimos um mundo assim do que perfeito, onde tenhamos que vivermos também perfeitamente assim como Deus!? Seria, acaso, vivermos como as formigas, nos tornarmos seres escravizados? Não tendo uma disposição interna que nos permita esbofetear alguém que acidentalmente pisou nos nossos pés? Ou pegar emprestado uma ótima ferramenta do irmão, sem intenção de devolvê-la? É uma questão de escolha. Deus haverá de limpar o mundo degradado e restaurar todas as coisas ao estado original. O homem voltará a obedecer às leis internamente implantadas e a humanidade correrá bem e de forma perfeita assim como o resto da natureza. A possibilidade da existência do pecado foi uma consequência do livre arbítrio, mas a sua ocorrência, de fato, foi de responsabilidade humana, porque, mesmo em um mundo perfeito, quiseram fazer uso do único conhecimento que, embora não lhes fossem negado, não deveriam ter, o conhecimento do que é o mal. Caída, a humanidade, ao invés de se arrepender, fez o que? Exatamente isto que o irmão está fazendo, culpou a Deus! Veja que Deus existe desde sempre e é responsável por suas próprias escolhas. Ter vindo à existência foi uma bênção e motivo de agradecimento para o homem. Mas o homem não apenas colocou a culpa em Deus, como passou a amaldiçoar a própria terra. A consequência do pecado era a morte, não este estado de miséria, dor e violência! O homem viveria até seus quase mil anos, não teria doenças e logo Deus consertaria toda a bagunça que o homem ajudou a fazer no universo. Mas Caim, decidiu matar Abel, Lameque, decidiu matar outro jovem, e a humanidade se dividiu entre pessoas de bem, Abel (que morreu), Sete e pessoas do mal, na descendência de Caim. E assim tem sido a humanidade, com o próprio homem trazendo sofrimento e problemas, já não bastasse a morte pela qual teria que passar todo homem. E de aliança-a-aliança entre Satanás e a humanidade, conquanto escolhiam o mal antes do bem, a resolução do problema foi se protelando e se protelando. De modo que a solução veio, mas com Deus já sabendo que não haveria como evitar maiores males e aquilo que deveria ser a morte do Filho de Deus na cruz, se tornou também em tortura, humilhação e flagelo. Hoje, Cristo está fazendo separação entre os maus e os bons. Bom, porém, é aquele que está disposto a renunciar a este mundo, como está, e retornar ao estado de santidade que tinham, no Éden, na terra recém saída das mãos de Deus. Igualmente com o homem retornando ao seu estado de perfeição moral, física e intelectual. Com extirpação de todo o mal, na certeza de que o mal não presta, na confiança de que Deus possa fechar definitivamente a porta aberta pelo pecado, no livre arbítrio da vontade humana e na certeza de agora, conhecendo o mal, nos privarmos desta liberdade de viver o mal. Desde que o pecado entrou no mundo, a saída dele do meio da humanidade e o fim de sua existência é algo provindo da vontade de Deus e da disposição humana e que, então, ocorrerá com definitiva aprovação das criaturas de Deus, que decidiram ficar ao Seu lado, antes de Satanás.
Deus julga o coração de cada um, onde, graças ao sacrifício de Cristo, Deus pode hoje restaurar a humanidade à condição inicial. Mil anos serviriam para a humanidade poder escolher o lado que queriam ficar, mas a maldade foi aumentando, os seres humanos se matando, satanás se apossando deste mundo, o pecado, este estado de alienação, degradando a humanidade. Não bastasse a morte, este terrível castigo, entraram em rebeldia cada vez mais profunda contra Deus. Unicamente por amor e misericórdia, que Deus tolerou a humanidade por tanto tempo em sua rebeldia. Mas cada um é inexcusável, possuindo no mínimo a mesma liberdade dos animais, de fazerem o bem se assim o quiserem e rejeitarem de praticar o mal, ato de consciência e disposição, ainda que sejamos falhos e pecadores e propensos ao mal, graças à degradação que a nós mesmos impomos. Um abraço, que Deus te abençoe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário