quinta-feira, 8 de setembro de 2016

O senhorio de Jesus Cristo

Olá irmã Christiane, é uma satisfação dialogar contigo,

O partir do pão, Atos 20:7, não está presente como uma das cerimônias que indicam a guarda de um dia. Se a irmã ler todo o antigo testamento e também o novo testamento, perceberá que a Bíblia não faz ligação entre partir o pão e a guarda do dia de repouso. Um dos eventos religiosos que indicam a guarda deste dia é a leitura da Palavra (Lucas 4:16, Atos 15:21). Este último verso de atos demonstra que a Bíblia continuou sendo lida nas sinagogas aos sábados.

Outra prática era a abstenção do trabalho, leia (Atos 18:3-4).

Os cristãos não foram ensinados nem tinham ideia de que o dia seria mudado por ocasião da morte de Cristo (Lucas 23:56). Outra prática, ensinada por Jesus, consistia em dedicar o dia inteiro a fazer o bem, curar os doentes, expulsar demônios, alimentar os famintos (Mateus 12:12, Marcos 2:5, Mateus 14:20).

Outro detalhe, Cristo não vinculou a prática da Santa Ceia ao dia de guarda, que em seu tempo continuava sendo o sábado. A Santa Ceia, também, simboliza o sacrifício de Cristo, sua carne e seu sangue e não a ressurreição. Seguindo este princípio, a comemoração da Santa Ceia tenderia a ser realizada na sexta-feira o dia em que Cristo ofereceu-se em sacrifício.

Percebe como não há como vincular a Santa Ceia com o dia de guarda, querida irmã?

E realmente há documentos históricos que comprovam que a igreja cristã foi, gradualmente, mudando o dia de guarda, do sábado para o domingo, entretanto, também demonstra que cristão continuaram guardando o sábado, sem nunca cessar, durante toda a história.

E se a irmã analisar os textos de Inácio de Antioquia, perceberá uma coisa interessante, a não citação do domingo.

Inácio faz a distinção entre dois sábados, o guardado pelos Judeus e o guardado pelos cristãs. Eram em dias diferentes na semana? A resposta é não, querida irmã.

Eram no mesmo dia, porém os judeus guardavam de uma forma e os cristãos de outra, e qual era a diferença?

A diferença, querida irmã é que os cirstãos guardavam o sábado em vista dos ensinamentos de Cristo, aquele que por três anos e meio Jesus se dispôs a ensinar aos judeus, mas não quiseram dar-lhe ouvidos.

A maior declaração de Cristo acerca deste assunto está presente nos evangelhos:

"E então lhes disse: "O Filho do homem é Senhor do sábado"." (Lucas 6:5)

Cristo declarou Seu senhorio sobre este dia, como o Criador. Isto tem um peso muito grande querida irmã. Veja o que Deus declara no mandamento do sábado:

"Pois em seis dias o Senhor fez os céus e a terra, o mar e tudo o que neles existe, mas no sétimo dia descansou. Portanto, o Senhor abençoou o sétimo dia e o santificou." (Êxodo 20:11)

Veja, se Jesus é o Senhor do sábado, quem abençoou e santificou estes dia, segundo declaração do próprio Cristo e da Bíblia?

Foi o próprio Cristo, querida irmã. E como podemos ter plena certeza nisto? O livro de João, leia todo o capítulo 1, colocarei aqui alguns versos:

"No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus. Ela estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito. Nele estava a vida, e esta era a luz dos homens." (João 1:1-4)

O termo "a luz dos homens" se refere também a ensinamento. Então entendemos por que Cristo deu como resposta, aos fariseus, de que era Senhor até do sábado, acerca da forma como estava ensinando seus discípulos a guardar este dia.

Leia Gênesis 2:1-4, estes textos nos mostram duas coisas: a primeira é de que Cristo é Divino, a segunda de que é o criador do sábado e aquele que o abençoou e santificou.

Um texto que comprova isto no Antigo Testamento, palavras do próprio Deus:

"Se desviares o teu pé do sábado, de fazeres a tua vontade no meu santo dia, e chamares ao sábado deleitoso, e o santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falares as tuas próprias palavras, Então te deleitarás no Senhor, e te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do Senhor o disse." (Isaías 58:13,14)

Assim o sábado é também o dia em que nos deleitamos no Senhor!

Quem é o Senhor?

E olha que interessante e que lemos em Apocalipse 14:7:

"Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas." (Apocalipse 14:7)

Agora abra sua Bíblia e leia em Êxodo 20:11.

ESTE é o sábado cristão, querida irmã, onde reconhecemos Cristo como a Pessoa Divina  por meio da qual TODAS as coisas foram criadas.

Leia Colossenses 2:9;

Isto, querida irmã, é o principal ponto que separa o Cristão do Judeu, porque cremos na Senhoria de Jesus Cristo.

Para a irmã se aprofundar no assunto, leia Lucas 23:55-56. Leia também Mateus 24:20, este verso é muito importante querida irmã, pois refuta a ideia de que a Igreja passaria a guardar um outro dia que não o sábado 70 anos depois da morte de Cristo. Ali Cristo detalha eventos sobre a invasão de Jerusalém.

Leia também Atos 13:44, Atos 13:14, Atos 17:2, Atos 18:4, Atos 13:42, Atos 15:21, Atos 13:27, Atos 1:12 e Atos 16:13.

O próprio João, que escreveu tanto o evangelho quanto o livro de Apocalipse, já utilizava a expressão "Dia do Senhor", conforme lemos em Apocalipse 1:10. Mas veja como se refere ao domingo:

"E no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro." João 20:1

Percebeu o detalhe, querida irmã, Lucas descreve que aquelas mesmas mulheres repousaram no sábado segundo o mandamento e o mesmo João que usa a expressão "Dia do Senhor", chama o domingo, naquele evento, tão somente de "primeiro dia".

E isto notamos, também, em todos os textos utilizados para a consolidação do domingo como em Marcos 16:2, Mateus 28:1, Lucas 24:1, Marcos 16:9.

Percebemos a mesma ocorrência em demais versos e que tratam de eventos posteriores à ressurreição de Cristo, em: João 20:19, Atos 20:7, 1 Coríntios 16:2.

Estes são os únicos versos que falam do primeiro dia da semana, queria irmã.

Deste modo, embora a igreja cristã tenha deixado de guardar o sábado, durante a história, isto não serve de base nem autorização para procedermos igualmente guardando um dia não ordenado pelas escrituras. A Bíblia realmente não nos ensina a santificar o domingo, nem menciona qualquer coisa sobre tal mudança.

Quando vamos porém pra a história, percebemos como o domingo foi colocado no lugar do sábado e quem foram os responsáveis pela mudança e que foi a própria igreja cristã, sem autorização das Escrituras.

Paulo e João foram os último apóstolos e não deixaram nada escrito para a igreja que pudesse levar os cristãos a deixarem de guardar o sábado para guardar o domingo. E que o sábado era guardado pelos cristãos percebemos claramente nos evangelhos, por parte das mulheres que visitaram Cristo em Seu túmulo.

Agora veja o que o profeta Isaías recebeu de inspiração, palavras do próprio Deus:

"E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor." (Isaías 66:23)

A lua nova é um marco mensal, da passagem do mês, onde teólogos acreditam que será o dia em que tomaremos dos frutos e das folhas da árvore da vida, conforme Apocalipse 22:2, onde o mais intrigante é o sábado mencionado. Desta forma, ou teremos dois dias na semana a ser guardado, sábado e domingo, ou tão somente o sábado. Entretanto, mais uma vez, a Bíblia não faz qualquer declaração acerca da presença do domingo, no céu ou na nova terra.

Outro detalhe é que a Bíblia não vindica nenhuma adoração à Deus no domingo, percebemos isto quando lemos Apocalipse 14:7 e Hebreus 4:4 e que continuam a usar o sábado como memorial da criação, quando se exige a adoração a Deus por parte de Cristãos. Não há menção sobre o evento da ressurreição de Cristo.

De fato, os eventos que representam o Sacrifício de Cristo foi nos deixados como cerimônia da Santa Ceia, nada mais.

Agora, podemos transferir as solenidades da Santa Ceia pra o domingo, transformando, a cerimônia, na guarda de um dia?!

Não, querida irmã! Esta manobra não foi ensinada nem autorizada por Deus e não encontramos nada referente a isto nas Escrituras.

Do ponto de vista teológico é também algo impossível, não apenas por isto, mas porque a cerimônia se refere a todo o sacrifício de Cristo, especialmente, o derramamento do Seu sangue e Sua carne dada em favor de nós e que se referem à Sua morte na sexta-feira.

Mesma dificuldade de transferência do simbolismo, encontramos na questão da páscoa semanal, que igualmente aponta para a morte de Cristo e não estritamente Sua ressurreição.

E o mais interessante é a forma como Jesus Cristo via a morte: "Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono." (João 11:11). E também um dia que passa quase desapercebido entre a morte e a ressurreição de Cristo, que é o sábado em que cristo descansou na sepultura.

Vemos Cristo então descansando três vezes, primeiro na criação, depois em vida, durante seu ministério e em terceiro na Sua própria morte.

Isto, querida irmã, pra mim tem um significado muito importante, pois aquele mesmo Cristo que antes estava vivo e alegre, comemorando com Adão e Eva a criação de todas as coisas, agora se encontrava morto em uma sepultura, em uma obra de resgate daquelas mesmas criaturas.

Foi o primeiro dia na história da humanidade em que Cristo não pôde estar presente com Suas criaturas.

Leia Provérbios 8:26-31, querida irmã.

Um abraço, que Deus te abençoe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário