sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Falsas interpretações - Debaixo do sol

"Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol." Eclesiastes 9:6

Alguns imortalistas tem alegado que o termo "debaixo do sol" indica de que os mortos não tem conhecimento apenas daquilo que ocorre debaixo da luz do sol, ou seja, no nosso mundo, mas que estando no paraíso estes teriam parte de tudo que ocorre por lá (mesmo que isto não esteja contido em parte alguma das escrituras).

Esta porém é uma falsa interpretação. Quando o escritor usou tal expressão, de modo didático, tinha em mente a seguinte crença comum hebraica:

"E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno." Daniel 12:2

"Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?" Salmos 6:5

Esta expressão foi usada porque debaixo da terra, no sepulcro, no mundo dos mortos, era o lugar onde o sol não alcançava. De modo que o mundo dos vivos era debaixo do sol e o mundo dos mortos, no sepulcro ou debaixo da terra.
As expressões traduzida por sepultura tem significado de "dormitório". Esta crença permeou por toda a antiguidade até depois de Cristo:

"Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono."  João 11:11

"Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança." 1 Tessalonicenses 4:13

Este tipo de interpretação por meio de suposição e que existe desde antes de Cristo deve ser abandonada, como ensinado pelo próprio Cristo, a exemplo:

A Lei dizia: Não perjurarás, e apenas isto! Porém alguns judeus incluíram a suposição de que não se deveria perjurar em falso, mas cumprir as promessas para com Deus. Jesus, porém, combateu este acréscimo, este fermento (como o próprio Jesus assim se referia), da seguinte forma:


"Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas cumprirás os teus juramentos ao Senhor. Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus;" (Mateus 5:33,34)

Deste modo, quando o escritor declarou que durante a morte ninguém tem conhecimento, é porque não têm conhecimento mesmo, de coisa alguma, inclusive do que ocorre debaixo do sol. E como se comprova isto?

A incapacidade precedida de o porque:


"Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio." Salmos 115:17

"Porque não te louvará a sepultura, nem a morte te glorificará; nem esperarão em tua verdade os que descem à cova. O vivente, o vivente, esse te louvará, como eu hoje o faço; o pai aos filhos fará notória a tua verdade." Isaías 38:18,19

"E serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos." Lucas 14:14

"Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos." Salmos 146:4

"Mostrarás, tu, maravilhas aos mortos, ou os mortos se levantarão e te louvarão? (Selá.) Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade na perdiçãoSaber-se-ão as tuas maravilhas nas trevas, e a tua justiça na terra do esquecimento?" Salmos 88:10-12

A primeira morte humana que houve sobre nosso mundo:

"E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra." Gênesis 4:10

Até mesmo os necromantes, junto com aqueles que os consultavam, contra a vontade de Deus, tinham a ideia de que os mortos descansavam debaixo da terra:

"A mulher então lhe disse: A quem te farei subir? E disse ele: Faze-me subir a Samuel." 1 Samuel 28:11

Até mesmo o espírito que se apresentou como Samuel, conhecia de que os hebreus viam a morte como um descanso no pó da terra:

"Samuel disse a Saul: Por que me inquietaste, fazendo-me subir? Então disse Saul: Mui angustiado estou, porque os filisteus guerreiam contra mim, e Deus se tem desviado de mim, e não me responde mais, nem pelo ministério dos profetas, nem por sonhos; por isso te chamei a ti, para que me faças saber o que hei de fazer." 1 Samuel 28:15

Até mesmo nas histórias populares, os que não iam para o céu, tinham que ir para debaixo da terra/sepultura:

"E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio." Lucas 16:22,23

Até mesmo no inferno tradicional cristão, onde o Diabo aparece com tridente, chifre e rabo, atormentando os ímpios, tendo logo acima o purgatório e mais acima o paraíso eterno, os ímpios vão para debaixo da terra.

A pergunta porém, é:

Aquilo que é relatado na história do rico e lázaro é algo literal, ou é uma parábola?

A resposta que encontramos é de que seria tão literal quanto a lenda que persiste hoje de que Satanás atormenta pessoas eternamente, espetando-lhe com um tridente, enquanto estes ardem entre as chamas.

Deste modo a história do rico e lázaro, também, não era mais do que uma lenda popular, totalmente absurda e que Cristo utilizou como chamariz, para ensinar uma importante lição sobre a ressurreição e a importância de se dar ouvido aos profetas:

"Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite." Lucas 16:31

Para Cristo, a única maneira de alguém ter parte no mundo dos vivos era por meio da ressurreição.

"E, acerca da ressurreição dos mortos, não tendes lido o que Deus vos declarou, dizendo:
Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos." Mateus 22:31,32

"E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos. Por isso vós errais muito." Marcos 12:26,27

Assim Cristo ensinou de que Abraão, Isaque e Jacó estariam com Deus por ocasião da ressurreição. Assim como todos os demais:

"Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus;" Mateus 8:11

Deste modo, a reunião no céu, somente é possível por meio da ressurreição.

Prova disto, o próprio Moisés que foi ressuscitado:

"Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda." Judas 1:9

Assim, Cristo declarou que o motivo de Deus haver dito de que Abraão, Isaque e Jacó haveriam de estar no céu, igualmente a todos os que se unirem à estes, seria única e exclusivamente por meio do milagre da ressurreição.

Agora por que, popularmente, alguns israelitas criam que havia um lugar intermediário onde os mortos se reuniam, o chamado seio de Abraão?

Simples! Porque não conheciam ou não entendiam a doutrina da ressurreição e como liam de que, de alguma forma, os patriarcas se ajuntavam em algum lugar, e mais tarde muitos outros do oriente e ocidente ali também se ajuntariam, supunham que haviam um lugar, um seio, lugar de delícias, preparado para estes. Um lugar diferente de onde foi mandado Elias e Enoque, vivos, o paraíso.

Cristo então trouxe-lhes a ressurreição, e paulo complementou com explicações sobre a restauração e glorificação do corpo.

Ou seja, mortos não podem nem "pisar" no céu! Ainda que fosse o próprio Cristo, inculpável, como este próprio declara, por ocasião de Sua ressurreição:

"Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus." João 20:17

O que nos remete aos eventos da morte na cruz, junto com o ladrão que pede:

"E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino." Lucas 23:42

O Qual Paulo nos ensina:

"Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda." 2 Timóteo 4:8

Assim, a reunião de todos os salvos é indicada unicamente por meio da ressurreição, ou, o ser levado ainda vivo para o céu.

Um comentário:

  1. Os dogmas católicos estão arraigados na mente da maioria das pessoas, incluindo milhões de protestantes.
    A imortalidade da alma, a trindade, a assunção de Maria (a doutrina do prêmio antecipado) e outras, são as marcas registradas e a comprovação do caráter herético dessa seita terrível.

    ResponderExcluir