quinta-feira, 30 de julho de 2015

A lei, juntamente com o sábado, foram abolidos?

Em toda a Bíblia não há ordem para a abolição dos mandamentos e isto se refere também ao sábado.

Disse o Senhor:

"Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir." Mateus 5:17

No que completa:

"Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido."
Mateus 5:18

Céus e terra ainda não passaram, portanto os mandamentos de Deus permanecem.

O Novo testamento também diz sobre mandamentos:

“Se me amais, guardai os meus mandamentos.” ( João 14:15)

“E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos.”  (1 João 2:3)

“Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos.” (1 João 5:2)

“Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.” (Apocalipse 14:12)

“A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus.” (1 Coríntios 7:19)

“E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista.” (  1 João 3:22)

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados.” (1 João 5:3)

“Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.” (1 João 2:4)

“E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado.” (1 João 3:24)

“E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.” (Apocalipse 12:17)

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.” (João 15:10)

“E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos.” (Mateus 19:17)

“Tu sabes os mandamentos: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; não defraudarás alguém; honra a teu pai e a tua mãe.” (Marcos 10:19)

“Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe.” (Lucas 18:20)

“Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.” (Mateus 5:19)

“Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas.” (Marcos 7:8)

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele” (João 14:21)

“E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes, que andeis nele.” (2 João 1:6)

“Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás; e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.” (Romanos 13:9)

“E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.” (Marcos 7:9)

“Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.” (Apocalipse 22:14)

Esses versos soam como que Cristo abolindo os mandamentos?

Infelizmente muitos irmão tem aprendido em suas igrejas de que Cristo teria abolido os mandamentos, usando como justificativa alguns versos contidos nas cartas de Paulo.

Paulo porém, nestas cartas não está combatendo os mandamentos de Deus, mas uma maneira errada que consistia em observar estes mandamentos  como meio de salvação.

Em outros versos, Paulo se refere ao aspecto condenatório da lei que foi encravada na cruz.

E que Paulo não era contra os mandamentos percebemos em versos como:

Romanos 7:22, Romanos 7:12.

Paulo também nos adverte de que não devemos revogar a lei em prol da fé (Romanos 3:31).

E devemos notar de que a Bíblia de Jesus e Paulo era o antigo testamento. O novo testamento não havia sido ainda escrito na época de Paulo.

Cristo também profetizou que no ano 70, 40 anos depois de sua morte, o sábado continuaria sendo guardado pelos cristãos em Jerusalém (Mateus 24:20, Marcos 13:18).

E no primeiro concílio, a respeito da situação dos gentios conversos, na questão da circuncisão, ficou definido de que os gentios aprenderiam da Lei, ou seja, os livros de Moisés, todos os sábados nas sinagogas que haviam em cada cidade (Atos 15:21):

Paulo também nos diz sobre a importância do sábado em (1 Coríntios 7:19);
Parafraseando esta permanência nos mandamentos com o ser nova criatura (Gálatas 6:15).

A lei era tanto para Israelitas, quanto para estrangeiros (Isaías 56:3-4).

De fato muitos judeus eram conversos, provindo de várias localidades fora das portas de Israel, o que mostra de que a aliança com Deus bem como a guarda dos mandamentos era para todos os que quisessem ser unir a Deus junto ao povo de Israel.

O sábado é algo que provêm desde a criação (Gênesis 2:3);

Este dia foi instituído antes da entrada do pecado no mundo com propósito de descanso e santificação.

Tal mandamento já era exigido antes mesmo da entrega das tábuas contendo os mandamentos ao povo Israelita, por meio de Moisés (Êxodo 16:23);

Sendo exigido por Deus, já como um mandamento (Êxodo 16:27-28);

A Bíblia nos revela de que os mandamentos, preceitos e estatutos de Deus já eram guardados desde Abraão (Gênesis 26:5);

Cristo remete aos eventos da criação, nos dizendo de que o sábado havia sido criado por causa do homem (Marcos 2:27);

Dizendo-nos quem é o dono de tal dia (Mateus 12:8)(João 1:3);

Eis a visão que Deus tem sobre o SEU santo sábado:

"Se desviares o teu pé do sábado, de fazeres a tua vontade no meu santo dia, e chamares ao sábado deleitoso, e o santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falares as tuas próprias palavras,
Então te deleitarás no Senhor, e te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do Senhor o disse." (Isaías 58:13,14)

Deus já sabia que o homem tinha por costume se esquecer do sábado, assim como havia sido esquecido na descendência de Abraão, por motivo de terem sido escravizados e não terem mais o privilégio de um dia de descanso (Êxodo 20:8).

Por conta disto, no livro de Apocalipse e que se refere ao tempo do fim, em uma mensagem urgente, Deus diz:

"Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas." (Apocalipse 14:7)

Parafraseando aquilo que ELE havia dito em Êxodo 20:11.

O sábado continuou sendo guardado pelos discípulos de Jesus, mesmo após a SUA morte (Lucas 23:56);

Os gentios, de fato aprendiam sobre a Lei de Moisés, todos os sábados nas sinagogas (Atos 13:42).

Quase toda a cidade se reunia no sábado, para ouvir as pregações de Paulo (Atos 13:44).

E em solo gentio, Paulo continuou com seu culto de oração e pregações no sábado, também fora das sinagogas (Atos 16:13).

Aquele costume que provém desde a época de Cristo continuou sendo mantido (Lucas 4:16) e os cristãos continuaram indo às sinagogas aos sábados para aprender da Lei no dia de sábado.

O sábado vigente, foi utilizado como exemplo do descanso no Senhor que o cristão usufruiria todos os dias (Hebreus 4:4);

E acerca da vida que há de vir, na volta de Cristo, encontramos algo interessante em Isaías 66:23 (vários comentaristas sugerem que tal verso indica de que se continuará a adoração semanal, bem como haverá novamente uma adoração mensal, oportunidade em que o povo de Deus usufruirá das folhas e dos frutos da árvore da vida (Apocalipse 22:2)):

Acerca dos mandamentos, Cristo adverte:

"Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus." (Mateus 5:19)

E há advertências até mais pesadas:

"Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade." (1 João 2:4)

A guarda dos mandamentos não é um meio de salvação, mas o resultado que se espera de alguém que foi transformado por Cristo e deseja fazer a vontade de Deus (Mateus 7:21-23).

Cristo dedicou boa parte do SEU ministério em ensinar a correta guarda do sábado, porque, sendo um mandamento moral eterno como os demais, carecia ser guardado da forma correta (Mateus 12:12).

Ensinou de que levar a própria cama (João 5:8), não equivalia ao ofício de praticar carregamento (Jeremias 17:22).

Que apanhar uma espiga de milho para se alimentar (Mateus 12:1), não equivalia ao ofício de praticar a colheita (Êxodo 34:21);

De que cuspir no chão, ou manusear o barro como ensinava os fariseus, segundo a tradição dos anciãos, não se constituía em uma profanação do sábado (João 9:6).

E Cristo declarou que assim deveria ser desde o princípio, porque sendo o criador do sábado, ninguém sabe melhor do que ELE como o sábado deveria ser guardado (Mateus 12:8);

Tão forte eram estas verdades, não havendo de fato nas escrituras coisa alguma que O contrariasse, que não se atreveram a apedrejar Jesus por fazer estas coisas no dia de sábado.

Acerca da conduta de Paulo, quanto à lei seguida pelos judeu, a Bíblia declara:

"Mas ele, em sua defesa, disse: Eu não pequei em coisa alguma contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César." (Atos 25:8)

Seguindo aquele mesmo exemplo de Cristo que não atentou nem mesmo contra a lei de Roma conforme a Bíblia declara:

"Então Pilatos saiu outra vez fora, e disse-lhes: Eis aqui vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele crime algum." (João 18:38)

Paulo e Cristo deram o bom exemplo, guardando os mandamentos de Deus, não atentando nem mesmo contra as leis civis dos lugares por onde passavam.

E Paulo em suas pregações, continuou a rotina de trabalhar em todos os demais dias da semana (Atos 18:3) e no sábado dirigia se a pregar nas sinagogas (Atos 18:4).

Cristo declarou a um jovem rico de que deveria continuar guardando os mandamentos de Deus (Mateus 19:17-20), além de desfazer de suas riquezas a fim de prosseguir com Cristo em SEU trabalho itinerante (Mateus 19:21).

Cristo não nos mandou nos desfazermos da lei, mas sim daquilo que nos prende à terra e nos separa do céu, o que nos repetiu em (Mateus 6:19);

A Lei estava contida em dois lugares, o primeiro era em tábuas de pedra e que continha as leis morais escritas pelo próprio dedo de Deus e que foram colocados dentro da Arca da Aliança; O segundo lugar era em um livro e que continha as demais leis, e que era colocado ao lado da Arca da Aliança (II Cron. 35:12) (Deut. 31:24-26).

As leis cerimoniais escritas no livro e que nada aperfeiçoaram (Hebreus 7:19); É que alcançaram seu cumprimento na cruz por ocasião da morte de Jesus (Efésios 2:15), pagando a dívida que tínhamos para com a lei e que no trazia condenação (Colossenses 2:14). Onde alcançou-se o cumprimento de todo aquele cerimonialismo em torno do sacrifício do cordeiro e que apontava para Cristo (João 1:36).

Por isto foi dito:

Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas NO LIVRO DA LEI, para fazê-las. (Gálatas 3:10)

Os mandamentos morais de Deus, porém, escritos nas tábuas de pedra, pelo próprio dedo de Deus, permanecem, imutáveis. A única parte cumprida na lei por Cristo se reconhece no aspecto cerimonial, que nos mostrava a Cristo como o vindouro Cordeiro de Deus a ser sacrificado em nosso favor, bem como nosso sacerdote (Hebreus 10:21) e também nosso sumo-sacerdote (Hebreus 8:1);

E Cristo veio para cumprir a lei neste sentido e que está contido em todas as Novas Escrituras:

Lucas 22:37, Lucas 21:22, João 19:28, Atos 13:29, Lucas 22:37, João 15:25, Lucas 24:44, João 19:36, João 17:12, 1 Coríntios 15:54, João 13:18, Atos 1:16, João 19:28, Marcos 14:49, Marcos 15:28, Mateus 26:56, Mateus 26:54, João 19:24.

O termo cumprir (Mateus 5:17), do grego "plerô" significa completar, encher, preencher completamente, dar um pleno significado.

E Cristo fez constante uso das Antigas Escrituras, incluindo para falar acerca Dele (Lucas 24:27) e nos recomenda:

"Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;" (João 5:39)

Paulo nos diz:

"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;" (2 Timóteo 3:16)

E Cristo traz uma importante lição acerca daqueles que não dão ouvidos à Lei e aos profetas ( o Antigo Testamento) (Lucas 16:31).

Cristo disse:

"Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade." (1 João 2:4)

E revela acerca do Povo que estará de pé, nos eventos de sua vinda:

"Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." (Apocalipse 14:12)

Cristo disse:

"Se me amais, guardai os meus mandamentos." (João 14:15)

Cristo é o mesmo Eu sou, que se apresentou a Moisés (Êxodo 3:14) (João 8:58).

E complementa:

"Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos." (1 João 5:2)

"Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor." (João 15:10)

Amar a Deus e ao próximo é um resumo dos mandamentos de Deus (Romanos 13:9). Nos 4 primeiros mandamentos que refletem nossa relação com Deus e nos 6 últimos que refletem nossa relação com o próximo;

Este mandamento vem desde o princípio (2 João 1:4-6) no Antigo Testamento (Levítico 19:18);

Cristo era visto também um mestre da Lei. E todo mestre judeu mantinha este conceito de resumir a Lei em amar a Deus, o maior mandamento, e o segundo semelhante a este, que é amar ao próximo como a ti mesmo (Mateus 22::36-40).

Longe da abolir, Cristo deu um pleno significado à Lei, extraindo dela a essência de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (Mateus 19:19).

Longe de abolir o sábado, Cristo nos ensinou de que é um dia apropriado para se fazer o bem (Mateus 12:12). De nenhuma forma o homem era menos importante do que o sábado (Marcos 2:27). O sábado foi dado para o bem do homem, a fim de servir de descanso para o corpo e dia separado para estar na presença de Deus.

É um sinal que identifica: - Este é o povo de Deus! (Êxodo 31:13);

É um dia especial, no qual, por meio da comunhão, somos santificados (Êxodo 31:13);

E que sempre foi e continuará sendo o verdadeiro e Santo Dia do Senhor (Isaías 58:13);

Dia em que deixamos de lado as nossas atividades do dia-a-dia para voltarmos nossa atenção ao Deus que criou todas as Coisas (Êxodo 20:11).

E assim reconhecemos que Cristo é o Senhor, guardando o dia que ELE instituiu para ser adorado.

"E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado." (Lucas 6:5)

E por que hoje não se guarda o sábado, e por que hoje, ao invés, guarda-se o domingo, e por que hoje, ensina-se de que a lei teria sido abolida?

Esta é uma longa história e que começa à partir do fechamento bíblico e que ocorre durante a história, em um gradual processo de afastamento da Cristandade dos ensinamentos bíblicos até uma brusca queda na apostasia da Igreja Medieval.

Para entender este processo, recomendo a obra intitulada "Do sábado para o domingo" de Samuele Bacchiocchi.

O assunto é bem mais amplo e profundo e existe uma extrema gama de estudos sobre a continua validade dos mandamentos de Deus e do sábado, mas resumidamente é isto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário