terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Visão geral sobre dupla predestinação calvinista



Uma análise pessoal:

A dupla predestinação calvinista, basicamente ensina de que Deus predestinou algumas pessoas para se salvarem e outras para se perderem. Isto implica de que Deus teria predestinado o Diabo para ser Diabo, mau e pecador, enquanto teria predestinado também certa parcela dos homens para serem maus e filhos deste Diabo.

Por outro lado teria predestinado alguns homens para serem bons e chamados de seus filhos, atraindo-os para o Pai através daquilo que os calvinistas chamam de Graça Irresistível.

A graça irresistível é uma maneira de explicar a opção por Deus, sem no entanto atribuir ao homem o "Livre Arbítrio" através da escolha! Ou seja, eles escolhem, mas porque é irresistível!

O ponto chave do calvinismo é a pregação de que o homem não possui de fato o livre arbítrio como pregam os Arminianos, mas que tudo que ocorre, tanto para o bem quanto para o mau, são desígnios de Deus. Para os calvinistas, seria portanto uma estranha forma de livre arbítrio no qual os homens seriam "conduzidos por Deus".

Os calvinistas acreditam de que Deus envia o chamado "espírito do engano", a fim de levar os bons a caírem no engano e assim exporem publicamente sua predestinação à perdição!

Deste modo temos dois contrapontos: a graça irresistível e o espírito do engano. Assim, o espírito do engano faria basicamente a obra contrária do Espírito Santo a que os cristãos ortodoxos acreditam.

Assim o livre arbítrio do homem seria nulo diante da soberania divina, demonstrando de que o livre arbítrio pleno seria uma heresia contra a soberania divina, uma vez de que nenhuma criatura poderia contrariar os desígnios de Deus.

Assim Adão e Eva pecaram não porque assim escolheram, segundo a livre e espontânea vontade, mas porque Deus já os havia predestinado a pecarem. Deste modo o próprio Deus teria propositalmente provocado a entrada do pecado no mundo dando curso ao mundo de pecados.

Neste mundo de pecados, Deus então daria provas de sua soberania, a fim de mostrar de que nada foge ao seu poder fazendo uso de sua onisciência, onipresença e onipotência.

Desta forma aqueles a quem Deus predestinou a se perderem deveriam se conformar com a perdição enquanto que aqueles que foram predestinados à salvação, mesmo que não queiram ir para o céu, teriam que se conformar com a salvação.

Como forma de mostrar o quão bom e o quão terrível Ele é, Deus teria criado dois lugares a fim de mandar a humanidade imediatamente após a sua morte: o primeiro é o céu, o paraíso em um estado intermediário de sobrevida, até a ressurreição onde até mesmo aqueles que não gostam das coisas santas teriam que se conformar em passar toda a eternidade, por motivo de terem sido predestinados desde o início a serem salvos. O segundo porém é o inferno, de tormento eterno, para onde seriam mandados todos aqueles a quem Deus haveria predestinado à perdição. Ali, todos queimariam em tormento eternamente.

Na vida prática, significaria de que Deus predestina pessoas a fazerem coisas terríveis em suas vidas a fim de levantar motivos para a sua perdição! Seria mais ou menos como um policial obrigar alguém a matar, estuprar e furtar, para então ter motivos para condenar tal homem, isto porque segundo a lei local, seria definido antes do nascimento quem faria o papel de cidadão e quem faria o papel de bandido.

A outros, Deus provocaria uma paixão irresistível que de certa forma escravizaria os bons sob SUA vontade. Para o calvinismo a possibilidade de um predestinado à salvação rejeitar a Deus é nula, portanto aqueles que rejeitam a Deus é porque foram predestinados a perdição aos quais são enviados o Espírito do Engano a fim de que não vejam a graça irresistível de Deus.

Significa que a condição de salvo e perdido seria realmente uma condição e não uma opção. Ao tentar alcançar a graça de Deus, lhes seriam enviados o espírito do engano a fim de que os perdidos não possam se aproximar de Deus. Doutra forma, o Espírito Santo seria enviado a fim de chamar, em tempo certo, aqueles que foram predestinados à salvação e que estariam no meio dos perdidos.

Para um calvinista, especialmente aqueles que se consideram como uma alma boa tirada do meio dos condenados, é um motivo de grande alegria, pois mostraria o amor, cuidado e empenho de Deus em buscar os seus filhos predestinados à salvação!

Desta forma os dois grupos, de salvos e perdidos, já estariam previamente estabelecidos e neste mundo viveriam sem saber ao certo se estão salvos ou perdidos.

Um fato interessante é que o calvinismo considera que não é possível realmente saber quem está de fato salvo e quem de fato está perdido, porque junto dos bons, ainda podem haver aqueles que foram predestinados à perdição!

A única garantia que o calvinismo dá é de que aqueles que não se mostram em conformidade com a fé reformada proposta por calvino, com certeza devem ser considerados perdidos, Os predestinados em Cristo, portanto, que em "seitas" estiverem em uma situação de desconformidade com as verdades bíblicas segundo o calvinismo, com certeza serão tirados em momento oportuno.

Neste ponto, o ex-sectário herético agora reformado, seria como uma pérola tirada do meio dos porcos.

E assim se consideram alguns calvinistas extremados, que se veem nesta categoria de pérolas e que consideram suas antigas religiões como uma pocilga.

(Sr. Adventista)

Um comentário:

  1. Artigo aberto para considerações, ponderações, correções e discussões (saudáveis)

    ResponderExcluir