sexta-feira, 1 de julho de 2016

Tradição versus Escrituras

Olá, Paulo Cadi, qualquer pessoa sensata percebe de que a Bíblia não provê nenhum relato sobre a santificação do domingo.

Também percebe cristãos, tanto judeus quanto gentios, participando de cultos no sábado.

Percebe também os ensinos dos apóstolos e de Jesus sobre a permanência dos mandamentos.

Os textos patrísticos, também mostram de que o sábado nunca deixou de ser guardado.

Não há argumentos que possam mudar a realidade e os fatos.

Se o irmão está alegando de que não há referências acerca da guarda do sábado nos escritos patrísticos, terei que considerar isto um caso de pura negação, mas vamos lá:

ONDE o amigo leu DOMINGO em "Orígenes -Homilia, Números 23"?

O amigo aplicou tão somente a prática abolicionistas de dar ênfase em palavras.

As palavras destacadas em nada contradizem a permanência do sábado.

Veja:

"PORTANTO, DEIXANDO PARA TRÁS AS OBSERVÂNCIAS JUDAICAS DO SÁBADO, veremos que tipo de observância, caberá aos cristãos."

Sentido:

Se refere à forma como o sábado era observado.

Comprovação:

"Esta é a MANEIRA como o cristão observa o sábado."

Comentário: Ali não está insinuando a guarda de um domingo!

Veja:

"MESMO os judeus, deveriam ter observado estas coisas. Depois de tudo, mesmo entre eles, se houve um artesão, um construtor, ou algum outro trabalhador semelhante, possa OBSERVAR O VERDADEIRO SÁBADO"

Sentido:

Está falando sobre o verdadeiro sentido do sábado! Não está falando, "observar o verdadeiro dia que agora é o domingo"!

O irmão destaca palavras como que se estivessem insinuando a guarda de um domingo. Assim como naturalmente faz com os escritos de Paulo.

O nome disto é:

-> Fabricar doutrinas, de forma implícita, em cima de palavras.

Já é conhecido desde que o mundo é mundo que não se deve fazer doutrina em cima de PALAVRAS, mas sim em cima do SENTIDO, das afirmações!


Veja:

"Agora, quanto ao que temos chamado de VERDADEIROS SÁBADOS, se nos perguntarmos de novo, e mais profundamente, o que são OS VERDADEIROS SÁBADOS, nós veremos que, a observância do VERDADEIRO SÁBADO, ESTÁ ALÉM DESTE MUNDO."

É o domingo? O abolicionismo que o irmão representa tem costume de chamar o domingo de "o verdadeiro sábado". Mas será que é isto?

Eis a resposta do próprio autor:

"4.4- Assim, O VERDADEIRO SÁBADO EM QUE DEUS IRÁ DESCANSAR DE SUAS OBRAS, SERÁ NA ERA VINDOURA. NAQUELE tempo, a tristeza, o pranto e o gemido, fugirão, e Deus será tudo em todos. Neste SÁBADO, que Deus nos conceda celebrar o dia de festa com ele, e regozijarmo-nos nestas festividades, com seus santos anjos, oferecendo sacrifícios de louvor...."

Daí o irmão interpreta:

"Para Orígenes o verdadeiro Sábado será na nova terra, do qual o Sábado judaico era uma sombra.O cristão entra no Sábado, nesta vida, através de uma entrega total a Deus. Não tem nada haver com o Sábado judaico, como pretende o tal site Adventista. "

Colocando palavras na boca do escritor!

Isto sim é desonestidade, irmão Paulo Cadi.

Segundo o escritor, este verdadeiro descanso sabático está na finalização da obra de redenção NESTE MUNDO. Na NOVA TERRA (renovada).

E não será um DIA, mas um ESTADO! De descanso eterno nas obras salvíficas realizadas por Deus.

"E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor." Isaías 66:23

O que o autor estava tratando era do "Descanso no Senhor" de Hebreus 4:4;

O irmão interpreta o escrito, sem o uso das Escrituras, como fazem os adventistas, como fez Ellen White e como faz os teólogos das várias denominações.

Ao invés disto, destaca palavras e as interpreta por achismos criados pelo próprio meio no qual o irmão está inserido.

Vou dar um exemplo:

Sabendo da expressão "Dia do Senhor" nas escrituras, o catolicismo criou o seu próprio conceito de "Dia do Senhor" atribuindo ao domingo. Então ensina este conceito aos seus fiéis, antes de apresentar-lhes as escrituras.

Da mesma forma os dominguistas criaram a expressão "Verdadeiro dia" atribuindo esta expressão ao domingo, ensinando então aos seus fiéis este conceito, antes de apresentar-lhes os escritos patrísticos.

Desta forma, quando um incauto, que não estudou as escrituras desde o início, formando à partir dela, as escrituras, e unicamente dela o fundamento de seu entendimento, este acaba entendendo estas expressões segundo o sentido que aprendeu em seu meio e não segundo o sentido edificado pela Bíblia.

Ali não fala "VERDADEIRO DIA" mas sim "VERDADEIRO DESCANSO".

Como o termo "VERDADEIRO DESCANSO" mudou para "VERDADEIRO DIA" têm que se perguntar aos explicadores bíblicos e patrísticos de plantão!

Deste modo NÃO se estuda os termos segundo o sentido dado pela TRADIÇÃO, mas segundo o sentido dado pelas ESCRITURAS.

E se o sentido apresentado pela tradição, tanto a termos, quanto a palavras, expressões, ou significado de doutrinas, estiverem distoantes das escrituras, DEVE então tal sentido ser abandonado.

Por isto não podemos interpretar a Bíblia pelos patrísticos, menos ainda por aqueles que fazem sua própria interpretaçao em cima da interpretação dos patrísticos.

Nas igrejas de hoje, não se ensina mais a Bíblia, não estudam a Palavra de Deus do Gênesis ao apocalipse, construindo assim, o contexto e o sentido de cada palavra, expressão e ensinamento apresentado pela Bíblia.

O sola scriptura e o tota scriptura, foi deixado de lado hà muito tempo!

Desde então a Bíblia tem sido interpretada pela tradição, usando como fundamento os patrísticos ESPECIALMENTE na questão do domingo.

Fazendo exatamente igual aos Judeus, que perverteram o sentido Bíblico, usando a sua tradição!

Da mesma forma, a igreja cristã perverteu os ensinamentos Bíblicos, especialmente os de Paulo. Aplicando a estes escritos a sua própria interpretação, segundo o que é dito pela tradição.

Tão grave foi esta perversão dos ensinos bíblicos ao logo dos séculos que não apenas o mandamento do sábado, mas a graça foi deixada de lado, dando lugar ao domingo e um conjunto de ensinamentos que não estão nas escrituras, mas que foram apoiados pela interpretação que a tradição deu aos Escritos através dos séculos.

Então, não me venha insinuar, irmão Paulo Cadi, que este "VERDADEIRO DESCANSO" é o domingo.

Ou que a Bíblia use a expressão "VERDADEIRO DIA" em contraposição ao sábado nas Escrituras.

A Bíblia fala de um "VERDADEIRO DESCANSO" tendo como base o sábado (E NÃO EM SUBSTITUIÇÃO AO SÁBADO). Que é o descanso de todas as obras!

Não está dizendo de que este verdadeiro descanso é um novo dia de guarda para a igreja cristã.

E veja que interessante:

Tanto não se encontra explicitamente a palavra DOMINGO, quando este patrístico fala do sábado, quanto não se encontra a palavra DOMINGO, quando o apóstolo Paulo fala de um novo descanso.

Como também não se encontra a palavra DOMINGO em nenhum contexto da citação Bíblica que se tem utilizado hoje para justificar a substituição do dia de guarda.

Tendo, portanto, formado uma extensa lista de conceitos, por meio da tradição, têm-se hoje tentado interpretar a Bíblia, usando tais conceitos como Sua intérprete.

Desta forma foi que um poder sobre a igreja conseguiu perverter totalmente os ensinos da Igreja Primitiva e de sentido em sentido, conseguiram perverter todo o ensinamento das escrituras.

E assim, futuramente, as pessoas liam e entendiam aquilo que o papado queria ensinar.

E assim convenceu toda a igreja a ir fundo na apostasia.

Porém, tão errado estavam estes conceitos, que as Escrituras, especialmente o Antigo Testamento, evidenciavam a discrepância dos ensinamentos da igreja para com a Bíblia.

Desta forma, não apenas a Bíblia foi acorrentada no período papal, como continua ainda cerrada nas igrejas.

"O antigo testamento foi abolido" não dêem ouvidos às antigas escrituras! É salvação pela lei! Nao é para cristão! Agora é graça! Somente o novo testamento! Especialmente os livros de Paulo! Porque boa parte das recomendações de Cristo era ainda só para judeus!

E assim convencem, aos fiéis, de que tudo foi mudado, usando como desculpa, o sacrifício de Cristo na cruz!

O que fizeram os adventistas à partir de 1844?

Cansados de enganos e desenganos, decidiram colocar todo o ensinamento tradicional de lado e fundamentar-se pela Bíblia e somente a Bíblia, aí sim, usando as ferramentas ensinadas por Lutero: Bíblia e arrazoamento sobre as escrituras.

E o que se descobre quando assim procedemos?

Descobrimos de que os ensinos e conceitos tradicionais usados para explicar certas doutrinas estão extremamente equivocados!

Tão discrepantes que você fica abismado.

Dia da recriação? Oitavo dia? Páscoa semanal?

São estas as doutrinas que extraíram das escrituras, para justificar o domingo?

Conceitos QUE NÃO ESTÃO NA BÍBLIA, para explicar um dia de guarda QUE NÃO ESTÁ NA BÍBLIA?

E daí dizem de que "Usaram somente as escrituras" e viram todos estes ensinamentos. Que não usaram a patrística!

E para desencargo de consciência não dizem de que estão fazendo uso da patrística em todas as igrejas a fim de explicar doutrinas como o domingo. Ao contrário, dizem que os adventistas é que estão fazendo o uso dos escritos de Ellen White para explicar a doutrina do sábado.

E nunca dão um estudo sobre o sábado, constante nas Escrituras, em suas igrejas!

Não pegam a Bíblia e explicam o sentido que Deus está dando em cada versículo, que fala do sábado!

Um irmão então poderia argumentar: "Mas vocês também não ensinam sobre o domingo nas suas igrejas"!

E nisto tem razão! Pois bem, peguem suas Bíblias e comecem a ensinar sobre o significado do sábado em todas as escrituras, que pegamos os textos que falam do primeiro dia e começamos a explicar sobre o significado do domingo nas escrituras:

1 - Dia de se esconder dos judeus;
2 - Dia de separar bens para a caridade cada um em suas casas, para alguém fazer a coleta e levar para outra cidade nos dias seguintes;
3 - Dia de comer pão à noite enquanto se proseia até a meia noite, para viajar logo em seguida;
4 - Dia de visitar o túmulo de alguém que amamos, depois de guardar o sábado;

Não vale? Tem que ser segundo os conceitos e explicações tradicionais?

Pois bem:

1 - "Dia de reunião solene, para culto e leitura da palavra de Deus, adoração e orações" (mas onde está escrito isto no verso?)

2 -  "Dia de reunir a igreja e recolher as ofertas e realizar as atividades que antes se fazia no sábado" (mas onde está escrito isto no verso?).

3 - "Dia de se reunir para a Santa Ceia, celebrar a ressurreição de Cristo"

(mas onde está escrito isto no verso? E onde está o vinho? E por que se prolongou este ato até a meia noite? Comendo e bebendo? E ficavam conversando enquanto realizavam a Santa Ceia?)

Tem porém uma doutrina que une estes conceito, a páscoa semanal, onde, ao invés de um dia no ano, agora é uma vez na semana E NO DOMINGO!

Tem isto na Bíblia? Não! Mas onde eu encontro? Na Patrística?

4 - "O despontar do novo Dia do Senhor" (mas onde está isto no verso?)

Agora, o ensinamento tradicional jura que isto é verdade e que por isto devemos acreditar, embora não haja contido nas Escrituras.

E usam o seguinte argumento quanto ao sábado:

- Como a Bíblia não disse explicitamente, então não é uma guarda do sábado e todos os conceitos sobre o sábado, constante nas Escrituras, devem ser considerados removidos.

Enquanto usam o seguinte argumento quanto ao domingo:

- Como a Bíblia não disse explicitamente o que era, então com certeza se tratava de uma guarda do domingo e todos os conceitos sobre o domingo, constante na patrística, devem ser considerados instituídos.

Interpretar o novo testamento segundo as Antigas Escrituras!? Ou interpretar o novo testamento segundo a patrística!?

Os adventistas utilizam o primeiro (obvio, porque não poderiam dizer de que usamos a patrística).

Os abolicionistas utilizam o segundo (óbvio, porque não poderíamos dizer de que fazem uso das Antigas Escrituras).

Enquanto estes mesmos abolicionistas justificam de que fazemos uso das Antigas Escrituras por causa de Ellen White.

Então, Ellen White mandou usar as Antigas Escrituras para interpretar as Novas Escrituras, enquanto que a tradição nos manda usar a patrística para interpretar as novas Escrituras.

A quem dar ouvidos? À Ellen White, ou à tradição?

São os livros do Antigo Testamento ou é a Patrística que devemos utilizar para entender as Novas Escrituras?

Nenhum comentário:

Postar um comentário