domingo, 31 de julho de 2016

Ellen White - Uma verdadeira profetiza

Serei franco com a irmã. Não creio que a irmã realmente acredite nas coisas que escreveu.

A irmã realmente acredita que alguém internado em um manicômio alguma vez tenha, ou possa vir a escrever obras como as que Ellen White escreveu?

A irmã realmente acredita que quando uma pessoa tem um surto de epilepsia, naquele estado ela crie todo um raciocínio que permita escrever histórias como Ellen White escreveu?

Eu sinceramente não sei o que ocorre na cabeça de apologetas brasileiros a fim de inventarem coisas como esta e também não sei o que ocorre na cabeça dos que leem e acreditam em coisas como esta.

Deixe-me lhe explicar, querida irmã. Uma pessoa quando está fora do juízo, não é capaz de escrever um livro que se consiga uma boa vendagem. Já acompanhei lançamento de livros de pessoas que lidavam com períodos de alucinações correntes, e escreveram poesias, histórias, existem até bazares onde se vendem obras como esta ao público.

Garanto que a irmã, bem como as fontes brasileiras não tenham então a mínima idéia do que estão falando. Me desculpe a franqueza.

Outra coisa, o que se mais tem em consultórios entre psiquiatras, psicanalistas e psicólogos, bem como nos livros de tais profissionais são exemplos de relatos do que os pacientes viram em suas alucinações, o que puderam entender, bem como o que ocorreu no tratamento destas pessoas.

Creio que a irmã nunca tenha acompanhado algum destes casos, ou lido algum livro de tais profissionais.

Agora pare e pense um pouco querida irmã:

Os livros de Ellen White, orientados à educação e à psicologia são lidos no mundo todo e aplicado por profissionais justamente nas áreas de saúde mental!

Pense um pouquinho!

Profissionais especialistas em detectar anormalidades mentais, fazendo uso dos livros de Ellen White a aplicando estes conceitos em seus pacientes.

Pense mais um pouquinho...

Ellen White conseguiu enganar até mesmo os profissionais da saúde, que estudaram a vida inteira e que tiveram, dezenas e até centenas de experiências reais com seus pacientes, mas não conseguiu enganar uma pessoa: Walter Rea.

Pense profundamente, irmã Maria Gonçalves, os conceitos não estão invertidos?

Veja, pessoas comuns escrevem obras comuns, gênios escrevem coisas extraordinárias, pessoas com problemas de ordem mental e intelectual, escrevem coisas de qualidade inferior ao comum. A debilidade se reflete naquilo que a pessoa produz intelectualmente.

Agora veja, usa-se o argumento de que Ellen White teria uma mente fraca e debilitada para justificar obras de grau intelectual acima do comum!

Qual a lógica disto, querida irmã?

Segundo ponto:

Para justificar a qualidade, corretude e aceitação do que ela escreveu por parte inclusive de profissionais nas áreas que ela escreveu, adiantam que ela teria copiado as informações de outros livros.

Agora pense: Se Ellen White  realmente houvesse plagiado livros e mais livros para compor suas obras, qual o sentido de se alegar de que ela tinha problemas mentais?

Percebe a incoerência? Os mesmos que dizem de que suas obras são frutos de alucinações, são os mesmos que dizem de que na verdade são frutos de cópia de outros autores. E são os mesmos que alegam que não foi Ellen White quem produziu e escreveu seus livros mas uma secretária, ou seu marido.

Isto beira a alienação, irmã Maria Gonçalves. Como pode uma mesma pessoa apresentar estas três alegações a garantir que todas as três são verdades?

É ilógico! Suas obras ou são frutos de alucinações, ou são frutos de plágio, ou foi sua secretária mais seu esposo que escreveram.

Criam três teorias e acreditam nas três ao mesmo tempo! Me explica isto Maria Gonçalves!

Isto foge à lógica, isto foge à razão, isto foge ao bom senso.

Tratando da questão do suposto plágio:

A irmã tem idéia do volume que é mil pacotes contendo 100 folhas de papel sobre uma mesa? Tem idéia de quantos livros seriam necessários para produzir tal volume?

Veja, na própria obra do acusador Canright, nenhum livro foi identificado como tendo sido copiado integralmente, veja: Nenhum livro existente na época foi copiado integralmente.

Canright produziu quadros contendo todas as ocorrências possíveis de se encontrar, somando todo o conjunto de citações e ocorrências semelhantes não daria um livreto de 30 páginas. É bem menos que isto, os quadros constantes em seu estudo não chegam a ocupar dez páginas.

Então alega-se de que Ellen White na verdade teria estudado muito a outros livros, e que falavam também sobre alimentos, sobre o que era bom e ruim a fim de escrever seus livros com corretude comprovada através dos tempos pela ciência.

Pare e pense: Ellen White teria plagiado outros livros justamente porque não tinha talento para estudar e desenvolver algo por si própria, agora nesta teoria, ela teria então estudado, entendido, raciocinado e copiado as recomendações que ela viu que estaria correta, motivo pelo qual seus livros têm sido abalizado por profissionais da saúde e nutricionistas.

E são os mesmos que defendem, em conjunto, as outras teorias!

Faz sentido isto, irmã Maria Gonçalves?

Temos agora 4 teorias contraditórias!

Terceiro ponto, as suposta elaboração das obras de Ellen White por parte de seu esposo e sua secretária:

Veja, Ellen White então teria reescrito à mão tudo aquilo que seu esposo e sua secretária escrevera, para fazer-nos pensar de que seria ela quem teria escrito.

Pense! Qual seria o sentido disto!?

Veja, se o esposo dela e a secretária pudessem escrever tais obras, por que escolher Ellen White e não seu esposo ou sua secretária para ser o Profeta na história?

E por que escolher logo uma mulher que tinha epilepsia e problemas mentais, à qual pessoa alguma em sua época lhe daria crédito?

Pense! Se fosse o marido dela quem tivesse escrito e hoje a Igreja Adventista considerasse o marido dela como O profeta, diriam os críticos hoje que estaria tudo bem já que o marido dela aparentemente não tinha nenhum problema mental nem epilepsia ou coisa do tipo? Era este o problema? Era por isto que achavam que os livros que temos espalhados pelo mundo não são frutos de um trabalho intelectual de Ellen White?

Será que o problema de não acreditarem em Ellen White é porque seria louca ou porque tivesse ataques de epilepsia?

Saiba, porém, que pessoas afligidas por epilepsia, trabalham e estudam normalmente, escrevem até livros compreende? Não se trata de uma doença mental.

Último ponto:

É muito estranho, querida irmã, que alguém alucinado, com problemas mentais e que constrói todo o seu raciocínio por meio de uma epilepsia, escreva livros com dados, informações e aplicação real corretas.

Que possibilitem a construção de hospitais, escolas, interpretação de profecias e doutrinas bíblicas extremamente complicadas, que hoje são apoiadas por vários teólogos e estudiosos de OUTRAS denominações cristãs e que não tem parte alguma com os adventistas.

Que em seus devaneios acabe acertando tudo a ponto de o mundo todo ler e adotar seus livros em seus ensinos tornando-a a escritora cristã mais traduzida de toda a história.

Vamos adotar então que ela copiou tudo de outros livros, porém, não achamos em sua época nenhum livro parecido com o de Ellen White. Tanto não existiram como não foram usados, como não existem até hoje, mesmo que se procure em todas as bibliotecas dos Estados Unidos da América.

O livro intitulado "Mente caráter e personalidade", você pode mostrar para qualquer profissional da saúde, pedir para ele tentar se lembrar ou revirar os livros mais antigos que se possa encontrar nas bibliotecas, ele sempre dirá que nunca viu nada daquilo escrito em nenhum livro de tal época, embora muito do que esteja ali seja amplamente conhecido HOJE e aplicado em seus consultórios.

É história da carochinha, irmã Maria Gonçalves, tais livros não existem! Inclusive psicólogos que não tiveram contato com seus livros tatearam e se arrastaram por anos tentando encontrar algo para ajudá-los em seus consultórios.

Muitos destes profissionais tiveram que desenvolver por si mesmos, por meio de análise e estudos, aquilo que Ellen White já havia escrito há mais de um século atrás.

E veja que interessante, se os livros de Ellen White houvessem sido escritos HOJE, daqui um século no futuro estariam dizendo de que Ellen White teria plagiado, estudado, copiado informações de outros livros hoje.

Longe de isto contradizer, apenas confirma a corretude do que há escrito nos livros de Ellen White. Assim, tanto o que estava correto antes de Ellen White escrever seus livros, quanto o que está correto após Ellen White escrever seus livros, se encontram nos livros que ela produziu.

Então, querida irmã, tanto passado quanto presente quanto futuro, se condensam nas obras que Ellen White produziu.

E veja as coisas interessantes que encontramos na área religiosa:

Decreto dominical, dia da família; Ecumenismo, pentecostalismo, espiritismo, um dia de descanso para a terra e a natureza; A sindicalização do trabalho;

Tudo isto já havia sido escrito por Ellen White há mais de um século atrás e são notícia hoje nos jornais, na internet e na TV.

Na área da medicina:

O cérebro funcionando por meio de correntes elétricas; O agente do câncer sendo um germe; A associação do consumo de carne suína com surtos de lepra; As escrófulas cancerígenas que são formadas na carne de porco;

Saúde:

A eficácia do cardápio revelado por Ellen White e que trouxe realmente mais saúde e longevidade.

Bíblia:

A forma como a mesma coisa que ela ensinava é utilizada hoje pela IASD, com toda lógica que vemos serem apresentada inclusive por meio da TV Novo Tempo.

E veja como a aplicação de tudo que ela escreveu deu certo. A IASD tem uma das melhores, senão a melhor rede de hospitais dos EUA.

Com seu método de ensino e educação os alunos das Escolas Adventistas tem os melhores desempenhos nos exames. Em concursos bíblicos os estudantes das escolas sabatinas têm as melhores pontuações.

Agora pare e pense, irmã Maria Gonçalves!

Tudo isto fruto do acaso de alucinações?! De plágio? Da mente privilegiada de seu esposo ou de sua secretária?


COMO EXPLICAR ISTO DO PONTO DE VISTA ATEU?

Veja, a Igreja Adventista do Sétimo Dia teria que ter planejado criar obras do mais alto gabarito, mediante análise de uma forma que jamais foi possível naquela época nem antes daquela época;

Teriam que ser minuciosos e de extremo raciocínio produzindo, através de gênios, respostas para os mais diversos assuntos na área de saúde, educação, psicologia e teologia. E exímios analistas da história e das possibilidades dentro do âmbito religioso a fim de conseguir prever o que haveria de acontecer dali a 150 anos no futuro.

Identificar em todas as obras que havia naquela época, tudo relativo à saúde e que estaria correto.

Criar novos métodos e que realmente funcionasse de terapias por meio totalmente natural.

Desenvolver cartilhas de administração e levantar instituições que se destacariam em todo o mundo.

Estudar e entender toda a Bíblia a fim de formular doutrinas e dar interpretação às profecias que até aquela época ainda não tinham sido interpretadas.

Desenvolver conceitos complexos acerca da formação do ser humano e sua educação, desde o ventre até a idade adulta.

E ainda construir livros sobre Jesus de uma qualidade poética capaz de surpreender pessoas das várias denominações.

E ainda viajar para vários países da Europa a fim de levantar tudo que ocorreu na história da Igreja Cristã, desde a fuga de jerusalém, passando pela santa inquisição, pesquisar a vida de Wycliffe, Jan Huss, bem como todos os demais mártires e trazer informações minuciosas sobre suas vidas e as coisas pelas quais eles passaram.

E ainda fazer análises constantes em tempo real, a fim de identificar coisas que poderiam acontecer naquela época, como a guerra civil norte americana.

CONCLUSÃO:

Temos que crer nisto irmã Maria Gonçalves, pois acreditar que Ellen White seria louca e incapacitada de escrever seus livros não daria explicação alguma, apenas tornaria a existência das obras que ela escreveu impossíveis.

POR OUTRO LADO:

Sendo ela mesma quem escreveu, definitivamente não há outra explicação, senão de que ela produziu todas aquelas obras por meio sobrenatural.

INDO AO  PONTO:

É neste ponto, querida irmã, que realmente acredito de que as obras que Ellen White escreveu foram por meio sobrenatural, por fonte de algo, alguém, alguma coisa, por algum meio, que colocou sobre ela informações sobre passado, presente e futuro em aspecto amplo das várias faculdades da pessoa humana e em especial a religião.

Desmerecer a pessoa de Ellen White, não iria explicar a corretude a eficácia do que ela escreveu e a concretização com extremo sucesso das obras que ela iniciou e que disse que se espalhariam com extraordinário sucesso em todo o mundo.

E quando analiso a Bíblia e vejo a harmonia tando do que aconteceu na vida de Ellen White quanto da história da Igreja Adventista e como a sua forma de expor os assuntos e ao observar como as coisas que ocorreram em seu ministério se entrelaçam com aquilo que lemos em certos eventos bíblicos, bem como o fato de ela relacionar tudo que ela produziu com a Bíblia, não tenho dúvida de que ela foi uma profetiza moderna.

E mesmo quem é ateu, analisando esta perspectiva, não encontra dificuldades em ver que, adotando que Deus existe e a Bíblia como verdade real deixada por este Deus, não há melhor posição onde encaixar o que ocorreu com Ellen White senão a de uma profetiza como as demais que são ali relatadas. Ainda mais a Bíblia relatando de que o dom profético seria utilizado novamente no tempo do fim onde vemos que já estamos neste tempo e que este mundo não vai muito longe.

Então, analise com carinho estas coisas que lhe escrevi e veja se realmente faz sentido justificar a existência das obras de Ellen White por meio do que tem sido proposto pelos críticos de Ellen White..

7 comentários:

  1. Boa tarde, sr.adventista.
    Não percebo por que é que me dirige esta frase:«A irmã realmente acredita que alguém internado em um manicômio alguma vez tenha, ou possa vir a escrever obras como as que Ellen White escreveu?» Não me referi a Ellen White como sendo louca. Problemas poderia ter tido mas não raiavam a loucura. Ela dava-se com muita gente e apresentava-se em público para fazer os seus discursos. Nunca poderia ter sido louca.
    As suas obras a nível de saúde respeitavam os conceitos e o nível de conhecimentos da época. Não podia ser contestada neste âmbito. Os naturopatas inspiram-se em livros deste teor, também de outros autores. Acontece é que ela visitava livrarias e adquiria obras para sua aprendizagem. Não é muito difícil ver de onde lhe vinham os pseudo-conhecimentos. O que ela escrevia não se aprendia nas faculdades de medicina, portanto, não eram obras de grande envergadura intelectual embora o seu conteúdo fosse inteligente. Até hoje em dia, há naturopatas a dar consultas que não frequentaram qualquer universidade mas têm vários diplomas obtidos em institutos próprios.
    Ela escreveu diversos livros, os de cariz religioso e os outros, referentes à medicina natural e à educação. Mas nem sempre escreveu. Nos tempos dos desmaios ela ainda não produzia qualquer obra, portanto, as suas alucinações não estão transpostas em qualquer livro de sucesso.
    Ela escreveu mais do que S. Paulo, que escrevia epístolas sobre assuntos estritamente religiosos. Ela saiu dos assuntos meramente religiosos e aprofundou-se num tipo de medicina que era acessível à maior parte das pessoas: a medicina natural, hoje chamada de alternativa ou complementar. Não eram temas que ela não conseguisse dominar com boas leituras. Pode-se dizer que ela foi uma autodidata. Ler e copiar começou a produzir efeitos no seu intelecto. Relacionava-se com muita gente o que lhe permitiu acrescentar mais conhecimentos. A igreja começava a impor-se; sem dúvida que aprendeu muito com os sermões dos pastores. A rudeza dos seus discursos iniciais quando pecorria a América com o seu marido tentando influenciar as pessoas com a teoria da «porta fechada» foi substituída gradualmente por um vocabulário mais rico. Foi-se educando. Nada que uma pessoa normal não pudesse fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmã, leia o seguinte artigo:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2016/08/ellen-white-profetiza-inspirada.html

      Excluir
  2. «Os mesmos que dizem de que suas obras são frutos de alucinações, são os mesmos que dizem de que na verdade são frutos de cópia de outros autores. E são os mesmos que alegam que não foi Ellen White quem produziu e escreveu seus livros mas uma secretária, ou seu marido.»
    Sr. adventista, estas três hipóteses não vêm de uma só pessoa ao mesmo tempo. São provenientes de vários críticos.

    «Veja, na própria obra do acusador Canright, nenhum livro foi identificado como tendo sido copiado integralmente, veja: Nenhum livro existente na época foi copiado integralmente.»
    Ela nunca iria fazer uma coisa dessas nem ninguém deste mundo a não ser, talvez, uma criança. Ela não era inocente a tal ponto, mesmo que nunca tivesse ouvido falar de plágio.

    «Pare e pense: Ellen White teria plagiado outros livros justamente porque não tinha talento para estudar e desenvolver algo por si própria, agora nesta teoria, ela teria então estudado, entendido, raciocinado e copiado as recomendações que ela viu que estaria correta, motivo pelo qual seus livros têm sido abalizado por profissionais da saúde e nutricionistas.

    E são os mesmos que defendem, em conjunto, as outras teorias!

    Faz sentido isto, irmã Maria Gonçalves?»

    Faz sentido, sim, sr. adventista. O ser humano vai-se formando ao longo da vida. Aquilo que ela não conseguiu fazer na infância e na adolescência realizou anos mais tarde sem a pressão da frequência das aulas e sem a rigidez do sistema de ensino de então. Veja-se que ela dominou assuntos que não eram específicos mas sim de natureza geral, ou seja, cultura geral, incidindo em temas do seu interesse. Não estava nos bancos da escola, não tinha que estudar matérias difíceis e fora do seu alcance.

    «Que em seus devaneios acabe acertando tudo a ponto de o mundo todo ler e adotar seus livros em seus ensinos tornando-a a escritora cristã mais traduzida de toda a história.»
    Desculpe, sr.adventista, o mundo todo deve ser bem pequeno, na sua ótica. Só os membros da igreja adventista é que leem os livros dela e alguns curiosos que, por acaso, também lerão outros livros religiosos.
    Não é possível pedir a nenhum profissional de saúde que investigue se há outros livros parecidos com os de Ellen White visto que é uma tarefa assombrosa e, mesmo que levasse a vida a ler, nunca conseguiria chegar ao fim porque são imensas as obras produzidas no século XIX, em vários países, não apenas na América do Norte.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmã, resposta em:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com.br/2016/08/ellen-white-impossivel.html

      Excluir
  3. Por último, a senhora não escreveu nada através de meios sobrenaturais, quanto muito recebeu a ajuda de Deus. Lembremo-nos de Paulo, que após o seu chamado, foi duramente perseguido. Que a senhora também teve as suas vissicitudes, é certo. O sofrimento também não lhe foi poupado mas foi mais a nível familiar. Mas Paulo escreveu tudo aquilo segundo o seu próprio entendimento. O que deu origem à sua conversão foi realmente o encontro com aquela voz interior apenas escutada por ele, dirigida exclusivamente a ele. Muitas das coisas escritas por Paulo devem-se também ao choque sentido após tomar conhecimento dos costumes diferentes dos dos judeus nomeadamente no que se refere à sexualidade. As epístolas aos romanos são um bom exemplo do contraste entre as relações sexuais que os judeus mantinham estritamente heterossexuais e a homossexualidade patente na sociedade romana. Estou a desviar-me um bocadinho do assunto para dizer que Paulo usou da sua liberdade mental para escrever as cartas dirigidas às primeiras comunidades cristãs. O poder sobrenatural de Deus manifestou-se noutros níveis como a perseverança, a coragem, a esperança e a fé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmã, muitos cristãos inclusive críticos hoje do adventismo, reconhecem uma iluminação de Deus nas obras escritas por Ellen White.

      Temos porém que nos atentar de que não existem níveis ou qualidade de inspiração, ou uma pessoa é inspirado por Deus ou é inspirada pelo demônio.

      Ellen White dizia a mesa coisa que Paulo:

      "Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor." (1 Coríntios 14:37)

      E quem estuda a vida e obra de Ellen White e não apenas seus livros e em especial suas cartas percebe que nem mesmo a dor de ter quebrado a bacia foi tão dolorosa quanto algumas coisas que se passaram durante seu ministério. Ela relata as coias que ocorreram e como Deus esteve sempre ao seu lado lhe dando forças.

      Uma das maiores dores foi ver o rumo em que igreja que ajudou a construir bem como as instituições que ajudou a erguer estavam caminhando. Duro foi o trabalho o campo missionário que teve que fazer sozinha na Austrália, foi algo penoso e que a escritora nem se propôs a escrever muito sobre o assunto. Longe da proteção de seus amigos, em terras desconhecidas, tendo que levar avante o trabalho de pregação, isto debilitou muito a saúde de Ellen White.

      Na volta para a casa, sentiu verdadeiramente o que era andar pelo vale da sombra da morte, mas foi ajudada por cristo, curou-se de uma tuberculose, voltou a orientar e a escrever e morreu já em avançada velhice, totalmente lúcida e ativa.

      Em um comentário antes de sua morte, mencionou que quebrar-lhe a bacia seria o último artifício utilizado por Satanás para tentar impedir seu trabalho. Mas que nem isto seria capaz de apagar o quanto a pessoa de Jesus Cristo a amparou diante de todas as suas dificuldades.

      Depois de alguns dias, com muita dor, Ellen White morreu, mas não sem antes deixar um testamento, garantindo a perpetuidade de todas as obras que ajudou a construir.

      Em certa ocasião, quando perguntada de o porquê Deus permitir haver tanto sofrimento na vida daqueles que procuram trabalhar para Deus, Ellen White respondeu que as dificuldades a ajudaram a manter um relacionamento mais profundo e próximo com Deus.

      Aos profetas e apóstolos até mesmo Moisés, foi permitido experimentar profunda dor final ao lado de Deus. Creio que quando entendem um pouco da dor pela qual Jesus passaria e passou, conseguem ter um contato mais íntimo com o plano da salvação de Deus e o quanto este tem sido penoso e gratificante para o próprio Deus.

      E assim Ellen White deixou o legado, de exaltar a Palavra de Deus, A Bíblia, por todo o mundo e através de seus livros convida-nos a experimentar aquilo que ela experimentou em sua vida e assim ansiarmos pela breve volta de Cristo à esta terra.

      "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (João 16:33)

      Excluir
  4. Concluiu o assunto de forma bonita, sr.adventista. Não obstante, aquela observação de Ellen White de que o demónio lhe tinha quebrado a anca faz-nos ver até que ponto ela se exaltava a si própria pois Satanás importava-se muito com ela.
    Pelos vistos, qualquer osso partido ou fraturado em pessoas comuns se deve exclusivamente a um ser imaginário.
    Satanás é apenas a personificação do Mal, mal esse que é bem real, derivado das ações dos homens.A madrasta da Branca de Neve é outro exemplo da personificação do Mal.







    ResponderExcluir