sexta-feira, 25 de março de 2016

Um céu etéreo?



Vamos analisar:

Deus possui uma forma visível e palpável?

A Bíblia não dá margem para outra conclusão.

Usar o trecho onde Jesus fala acerca de espírito fantasmagórico para definir a natureza do Pai, é de uma irresponsabilidade sem tamanho!

Primeiro porque se assumirmos que tais espíritos como dito por Jesus realmente existem, então estaria provado que os espíritas têm razão em dizer de que os mortos tem a capacidade de aparecerem a pessoas.

Caso contrário, se tratar-se de manifestação de satanás, estes espíritos seria da natureza de satanás.

Portanto, ou o amigo aplica uma natureza "espiritual" da pessoa humana a Deus, ou está aplicando a natureza do próprio Diabo.

A Bíblia diz que os anjos também são espíritos ministradores! Agora, será que Deus possui a mesma natureza de Suas criaturas?

Sendo o primeiro ou o segundo caso, é isto que Paulo Cadi está afirmando, que Deus é espírito como o espírito que é julgado o homem ter (segundo a compreensão grega que firma a filosofia de almas etéreas). Noutro caso, estaria afirmando que Deus é espírito na mesma natureza dos anjos, que igualmente não podemos ver.

Agora, será que espírito quer dizer algo etéreo?

Nem mesmo os anjos são apresentados, na Bíblia, como sendo de natureza etérea, estes possuem forma, como demonstrado nas passagens bíblicas, rostos, pés, mãos.

Em suas visões, profetas vêem ajos nas regiões celestes de forma gloriosa e com uma aparência totalmente pessoal.

Ressoam trombetas, apanham e entregam livros, cobrem seus rostos e seus pés.

Nada parecido com algo etéreo que não se pode ver nem tocar.

Igualmente Deus se mostra, nas regiões celestes, assentado em seu trono!

Como é que algo etéreo pode sentar-se em algum lugar?

Deus é visto gloriosamente, possuindo pés, cabeça, olhos:

"E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo;" (Apocalipse 1:14)

"E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente:" (Apocalipse 2:18)

"E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo." (Apocalipse 19:12)

Em apocalipse 4 vemos a descrição de criaturas celestes e isto é apresentado a João como criaturas existentes e não como formas etéreas amorfas, pairando sobre o ar.

O que a Bíblia nos mostra é que este mundo não é material como é nosso universo, mas nem por isto deixam de ser tangíveis, palpáveis, visíveis aos olhos que o podem enxergar.

O céu também apresenta espaços, um santuário. Apresenta também tronos.

Vamos agora aos livros que o irmão Paulo Cadi não tem costume de valorizar:

"E por cima do firmamento, que estava por cima das suas cabeças, havia algo semelhante a um trono que parecia de pedra de safira; e sobre esta espécie de trono havia uma figura semelhante a de um homem, na parte de cima, sobre ele.
E vi-a como a cor de âmbar, como a aparência do fogo pelo interior dele ao redor, desde o aspecto dos seus lombos, e daí para cima; e, desde o aspecto dos seus lombos e daí para baixo, vi como a semelhança de fogo, e um resplendor ao redor dele. Como o aspecto do arco que aparece na nuvem no dia da chuva, assim era o aspecto do resplendor em redor. Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isto, caí sobre o meu rosto, e ouvi a voz de quem falava." (Ezequiel 1:26-28)

Está aí a aparência e forma gloriosa de Deus, Paulo Cadi.

Bíblia, bíblia, somente bíblia e nada mais além de bíblia.



Satanás apresenta interação com as coisas físicas deste mundo:

"Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas." (Ezequiel 28:13,14)

Será que Deus criou espíritos etéreos, todos de forma arredondada, ou amorfa como a poça de água que se derrama pelo chão?

Onde não se vê cabeça, nem pernas, nem braços?

Será que satanás e seus anjos, assim o são? Como neblina etérea que se desloca de um lugar à outro?



A compreensão hebraica sobre Deus:

Os hebreus, incluindo Moisés, sempre descreveram Deus como tendo feição. Rosto mãos, pés para caminhar. A compreensão hebraica nunca se firmou na idéia de que Deus não possuía corpo nem partes, pelo contrário. Mesmo moisés, descreve-o como tendo corpo e partes.

Ocorre que a compreensão hebraica foi suplantada pela compreensão grega, crendo haver alcançado maior revelação acerca do mundo espiritual, porém não através da Bíblia, que jamais pregou um céu etéreo.

As poucas passagens que citam algo da cultura grega, relativo à fantasmas, ou céus e inferno, são apresentados em tom de parábola e superstição.

Cristãos porém, hoje, continuam achando uma boa ideia usar isto como doutrina, e usar estas passagens, que apresentam concepções gregas, ignorando as demais e que lhes são contraditórias (as da compreensão hebraica), afim de firmar doutrina acerca da Natureza de Deus, Suas criaturas e o próprio mundo celestial.



A imortalidade da alma:

A imortalidade da alma também entra neste ponto, substituindo o aniquilacionismo hebraico.

É por isto que o pensamento hebraico se mostra deveras contraditório com aquilo que se crê hoje!

Este é também um dos motivos de o Antigo Testamento ser deixado de lado e não ser ensinado nas igrejas.



Mudança de compreensão:

A mudança do sábado para o domingo serviu também como um aval para mudança de compreensão e distanciamento dos ensinos hebraicos. Afastando-se destes conceitos, os cristãos se aproximaram cada vez mais da mentalidade grega adotando uma visão mais espiritualista acerca da Bíblia Sagrada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário