sábado, 16 de maio de 2015

Amando a Deus e ao próximo, segundo o mandamento

Conheço esta teoria, querido irmão, que aboli toda a lei moral de Deus, para depois restabelece-la através de versos no novo testamento. E adivinha? O resultado é que temos a mesma lei, porém sem o sábado!

Estratagema interessante não?! Não teria sido melhor fazer como o papado e tão somente substituir o sábado da lei pelo domingo? Para que tanto trabalho querido irmão?

E qual a diferença deste ensinamento para o das igrejas tradicionais? Apenas o seguinte querido irmão:

Enquanto as igrejas tradicionais como a católica, presbiteriana, batista e metodista, dentre outras creem de que somente as leis cerimoniais forma cumpridas na cruz, alguns irmãos evangélicos, afirmam de que toda a lei foi terminada na cruz.

Ocorre que alguns irmãos creem na heresia de que, no antigo testamento, as pessoas eram salvas pela lei, e que no novo testamento as pessoas são salvas pela graça. Isto é uma heresia porque tanto no antigo como no novo testamento a salvação foi unicamente pela graça. Do mesmo modo que tanto no antigo como no novo testamento a condenação sempre foi unicamente mediante a lei (sem lei não há pecado).

Nossos irmãos se esquecem de que as pessoas não eram salvas pela lei, mas sim pela fé expressa no sacrifício do cordeiro.

E qual lei foi abolida, querido irmão? Justamente aquelas relativas ao sacrifício do cordeirinho que foi substituído pelo verdadeiro Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (segundo João Batista).

Mas cá para nós, toda esta arquitetura de abolição da lei é usado unicamente para se justificar a ausência da guarda do 4º mandamento. No final das contas nossos irmãos creem de que os 9 mandamentos da lei são plenamente válidos!

Só que tem um sábado ali e que precisa ser substituído pelo domingo!

Quem ama a Deus, querido irmão, guarda todos os mandamentos, especialmente os 4 primeiros!

Quem ama ao próximo, querido irmão, guarda todos os mandamentos especialmente os 6 últimos!

Quem mata, mente, furta, rouba, cobiça, desonra pai e mãe ou adultera, não pode dizer que esteja amando ao próximo!

Da mesma forma que quem adora outros deuses, adora imagens de escultura, toma no nome de Deus em vão ou transgride o dia de guarda divinamente instituído (o sábado), não pode dizer que esteja amando a Deus.

Não há diferença entre amar ao próximo e guardar os 6 últimos mandamentos (Romanos 13:9):

Assim também não há diferença entre amar a Deus e guardar os SEUS mandamentos.

A Lei de Deus não foi abolida, o que foi abolido foram os sacrifício de animais!

Todas as igrejas tradicionais concordam neste assunto e sempre se considerou os mandamentos de Deus como válidos e irrevogáveis, ainda que se guardasse o domingo no lugar do sábado!

Este vento de doutrinas que propõe a abolição de toda a lei de Deus, é um movimento novo e que não sabe o que diz. Pregam que para se aceitar a graça é indispensável se desprezar a lei.

Cristo deixou de sobreaviso:

"Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir.
Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido.
Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus."
Mateus 5:17-19

Céus e terra passaram, querido irmão?

Então a lei de Deus é inteiramente válida! Aquilo que não estamos cumprindo na terra, Cristo está a cumprir no céu! ELE é nosso sacerdote, sumo-sacerdote e que realiza todos aqueles atos intercessórios em benefícios à humanidade e que eram simbolizados pelas leis cerimoniais

A única parte cumprida na Lei foi a do sacrifício de animais, que se completou com o sacrifício de Cristo na Cruz.

Acaso sabe o irmão que no ano 70, 40 anos após a morte de Cristo se continuaria a guardar o sábado?

Porque assim Cristo profetizou em (Mateus 24:20).

E o irmão conhece que no concílio de Atos (15:19-21) junto aos gentios ficou definido de que os próprios gentios aprenderiam da lei de Moisés todos os sábados nas sinagogas?

E que só não praticariam a circuncisão contida nas exigências dos fariseus (Atos 15:5)?

E que de fato os gentios se reuniam nas sinagogas todos os sábados para ler as Escrituras sagradas que naquele tempo eram unicamente o antigo testamento + o testemunho de Paulo acerca de Jesus Cristo (Atos 13:42-44)?

Que Paulo tinha prazer na lei de Deus (Romanos 7:22)?

Que não devemos anular a lei pela fé (Romanos 3:31)?

Que nesta questão entre a circuncisão e o guardar a lei, o indispensável era não deixar de guardar a lei (I Coríntios 7:19)?

Que o guardar a lei é o (mesmo que), ou (resultado de), ser nova criatura (Gálatas 6:15)?

Que a lei de Deus foi dada aos Israelitas justamente porque JÁ o eram o povo salvo e escolhido?

E que a lei de Deu é dada justamente aos salvos e não aos perdidos? Porque a lei não pode salvar a ninguém, mas a posse e a guarda dela dela, indica de que aquela pessoa já foi salva?

De que o sábado é apenas mais um sinal (Êxodo 31:13) daqueles que estão salvo em Deus, guardando devidamente os seus manamentos e que é DEVER de todo homem (Eclesiastes 12:13)?

Portanto se você teme a Deus, guarda os seus mandamentos! Se você ama a Deus, guarda os seus mandamentos!

Se você não guarda é porque não o teme e nem o ama! De pouco então adianta qualquer discurso acerca da graça e o amar a Deus e ao próximo, porque foi dito desde o princípio de que guardar a lei é sinônimo de amar ao próximo:

"mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor. (Levítico 19:18) <----- Antigo Testamento

E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes, que andeis nele. (2 João 1:6)

O novo mandamento de Cristo não foi amar ao próximo como a si mesmo, como há muito foi escrito mas sim:

Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; COMO EU VOS AMEI a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. João 13:34

Ou seja amar ao próximo muito mais do que a nós mesmos, ao ponto de dar a vida pelo irmão se assim for preciso:

Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele.
Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.
1 João 3:15,16

Que é o mandamento antigo elevado a um maior grau de amor!

Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.
Levítico 19:18

Nenhum comentário:

Postar um comentário