quinta-feira, 15 de novembro de 2012

"Blog exadventistas" - Como saber se o que está escrito no blog é verdade ou mentira?



A resposta é bastante simples:

Basta conferir!

Por exemplo quando atacam o sistema de entrega de dízimos alegando haver corrupção dentro da igreja, o que podemos fazer para saber se a realidade é como acusam?

Bem! Estes atacam aproveitando-se do desconhecimento de seus leitores sobre o modo como o dízimo é empregado na IASD e então o que devemos fazer?

a) Procurar por mais artigos no blog Exadventistas porque eles têm a verdade e conhecem a IASD melhor que a própria IASD?

b) Ir direto à fonte e procurar saber como de fato o dízimo é empregado.

c) Procurar uma opinião imparcial sobre o assunto.

O problema é justamente este. Organizações como a CACP se colocam como se fossem pertecentes à opção c) e de fato vendem muitos livros, inclusive sobre doutrinas adventistas, alegando que sua confiabilidade é ainda superior à da própria IASD. Entretanto seus materiais são de péssima qualidade, feitos à partir de outros materiais e não por meio de fontes primárias. Básicamente são fontes de ataque e não de estudo das igrejas.

Por outro lado pode parecer mais cômodo escolher a opção a), porém seria como pedir ao açougueiro que conte como é o modo de trabalho do verdureiro.

Porém cada pessoa tem a liberdade de caminhar com as próprias pernas e conferir com seus próprios olhos o que ocorre na realide. A Igreja Adventista não é uma igreja extinta, semelhante à uma peça de museu, onde se torna difícil encontrar informações detalhadas sobre seu funcionamento.

Pelo contrário a Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma igreja de portas abertas, que recebe milhares de visitas todos os dias e está muito bem preparada para demonstrar, detalhadamente todo o processo de funcionamento à qualquer irmão, mesmo de outra denominação que queira conhecer a fundo e em detalhes, como funciona cada departamento e todo o aparato criado para atender às necessidades da igreja.

Temos disponíveis, todo tipo de livro, como o manual da igreja, livros doutrinários, livros sobre o funcionamento e responsabilidade de cada departamento. Registro sobre o funcionamento e as responsabilidades de cada cargo e seus respectivos salários.

O funcionamento das missões e dos projetos sociais. Registro das comunidades atendidas e dos projetos junto às famílias como o de pequenos grupos. Além de uma série de materiais e estudos bíblicos que podem ser adiquiridos até mesmo gratuitamente, sem precisar sair de casa, bastando apenas entrar no site: www.novotempo.com  e solicitar seu material.

Questões sobre doutrinas podem ser rápidamente respondidas através da escola bíblica, onde 24horas por dia uma equipe de plantão atende à e-mails, ligações e até mesmo cartas, respondendo à perguntas sobre a bíblia, sobre o adventismo e o que ademais estiver ao alcance.

Procure-nos, tire suas dúvidas, teremos prazer em atendê-los.

(Sr. Adventista)


59 comentários:

  1. Como saber se o que está escrito no blog é verdade ou mentira?

    RESPOSTA: Respondendo de forma objetiva ao que está escrito e refutando biblicamente os argumentos dos quais o Sr. discorda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isto é o que o amigo deseja que façamos!

      No referido blog, notamos que sempre há um convite para nos atermos somente aos artigos.

      Mas e se quisermos utilizar fontes primárias? E se quisermos utilizar documentários feitos pela imprensa? E se quisermos consultar um pesquisador sério e renomado de cristianismo? E se quisermos ouvir uma opinião imparcial? Ou uma opinião oficial direto da igreja?

      E se antes de refurtar, quisermos verificar cada linha do que foi afirmado para ver se corresponde à realidade?

      http://novotempo.com/escolabiblica/


      Faço-vos um convite:

      Visite e tire suas dúvidas, diretamente, de forma fácil e rápida:

      http://novotempo.com/escolabiblica/fale-conosco/

      Perceberão então que tais materiais contidos no blog "exadventistas" são de péssima qualidade e que seus apologetas não sabem nada de adventismo.

      Aproveitem, o serviço é gratuito e atende 24horas, alguns materiais gratuitos também poderão ser solicitados.

      Cordialmente.

      Excluir
    2. Sr. Adventista, boa noite.

      É estranha sua colocação, quando o Sr. não aceita sequer as fontes da sua Igreja quando estas contrariam seu modo de pensar.

      Excluir
    3. E desde quando os artigos do blog "exadventistas" são fontes de minha igreja?

      Atenciosamente.

      Excluir
  2. Refiro-me a todos os assuntos que lá são publicados.

    De modo que cada pessoa deve ler serenamente os artigos e assim tirar suas próprias conclusões.

    Att.

    Anônimo X.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas e se uma pessoa decidir que não deve tirar suas conclusões à partir de tais artigos?

      A pessoa DEVE, obrigatóriamente, tirar suas conclusões à partir do artigo?

      E que tal a pessoa ir visitar pessoalmente a igreja? Pesquisar diretamente nos livros doutrinários oficiais? Ler as tão criticadas obras de Ellen White?

      E se a pessoa passasse a acompanhar o canal da TV Novo Tempo? Ouvisse as pregrações?

      E se a pessoa procurasse escritores literários estudiosos em teologia e ouvissem uma opinião imparcial?

      Torna-se conveniente o amigo dizer que cada pessoa DEVA tirar suas conclusões à partir de tais artigos. Não concorda?

      Atenciosamente.

      Excluir
    2. Sr. Adventista, bom dia

      Vou responder suas indagações.

      "Mas e se uma pessoa decidir que não deve tirar suas conclusões à partir de tais artigos?"

      RESPOSTA: Ela estará correta, pois deve analisar os dois lados, para aí sim tirar as suas conclusões. Inclusive verificando e pesquisando se houve plágio e alteração dos textos ditos originais pela organização religiosa. Contudo V.Sa.,Sr. Adventista incentiva seus irmãos de fé a ler os artigos que contrariam sua ideologia religiosa? Segue os conselhos que dá aos outros?

      "A pessoa DEVE, obrigatóriamente, tirar suas conclusões à partir do artigo?"

      RESPOSTA: Claro que não! Porém, além de ler as obras adventistas, deve ser um investigador e observar como aqueles se portam quando argumentam. Como exemplo, posso citar o link http://exadventistas.blogspot.com.br/2012/01/amalgama-o-pecado-esquecido.html.
      No link citado, o leitor poderá verificar a forma como V.Sa, Sr. Adventista, se portou em nosso debate.

      "E que tal a pessoa ir visitar pessoalmente a igreja? Pesquisar diretamente nos livros doutrinários oficiais? Ler as tão criticadas obras de Ellen White?"

      RESPOSTA: Se a pessoa quiser fazer isso será bom. Depois que ler as obras, seria interessante perguntar três coisas:

      A)Após ter lido as obras da Sra. Ellen White estou convencido, sem ter quaisquer dúvidas, que Ela não foi uma profetiza por ter cometido vários erros bíblicos. Assim, embora acredite no dom profético Bíblico, de modo algum acredito no dom profético da Sra. Ellen White. Poderei mesmo assim batizar-me na IASD?

      B)Sou cristão de outra denominação e vou me casar com uma adventista. Poderei casar-me num templo adventista?

      C) Uma mulher ou homem adventista, ao casar-se com uma pessoa cristã de outra denominação poderá continuar a exercer as funções, cargos de liderança, na IASD como pastor, ancião, comissão? Sim ou não?

      “A pessoa DEVE, obrigatóriamente, tirar suas conclusões à partir do artigo?”

      RESPOSTA: Não, deve ler tudo que puder que foi escrito pela IASD e conhecer sua doutrina, mas confesso que ao ver o modo como o Sr. enrola nos debates com o Sr. Joel, Comigo, Cristão Livre, há motivos para muitas pessoas não acreditar em V.Sa, Sr. Adventista!

      “E que tal a pessoa ir visitar pessoalmente a igreja? Pesquisar diretamente nos livros doutrinários oficiais? Ler as tão criticadas obras de Ellen White?”

      RESPOSTA:Deve fazer isso, se sentir vontade, mas de forma crítica, investigando as alterações dos textos originais, a não publicação de livros comprometedores, os plágios etc. Deve comparar os argumentos contrários e favoráveis à IASD para poder formar um melhor juízo.

      “E se a pessoa passasse a acompanhar o canal da TV Novo Tempo? Ouvisse as pregações?”

      RESPOSTA: Não há qualquer problema. Eu mesmo assisto. Há belas pregações e bons programas, mas há doutrinas humanas que precisam investigadas, pois não se coadunam com o evangelho de Cristo! Não há nenhum mal em se buscar conhecer a verdade e saber das coisas como realmente são!

      Continua

      Excluir
    3. Continuando

      “E se a pessoa procurasse escritores literários estudiosos em teologia e ouvissem uma opinião imparcial?”

      RESPOSTA: Deve ouvir sim os estudiosos adventistas. Inclusive fazendo-lhes perguntas. Todavia de antemão deve estar ciente que a opinião do teólogo da IASD não é imparcial e que perguntas embaraçosas sequer são publicadas nos sites!

      “Torna-se conveniente o amigo dizer que cada pessoa DEVA tirar suas conclusões à partir de tais artigos. Não concorda?”

      RESPOSTA: De modo algum, a pessoa deve pesquisar e fazer perguntas à IASD! Porém de antemão muitas vezes, as perguntas embaraçosas sequer são respondidas. Em relação as perguntas embaraçosas que não são respondidas, o Sr. pratica muito isso, vide o seu comportamento mais recente com o irmão Joel.

      Experimente cada leitor, ratifico, fazer as três perguntas que lhe fiz, Sr. Adventista, para tirar a sua própria conclusão. Vide as perguntas abaixo

      A)Após ter lido as obras da Sra. Ellen White estou convencido, sem ter quaisquer dúvidas, que Ela não foi uma profetiza por ter cometido erros bíblicos. Acredito no dom profético bíblico e tenho a Bíblia como única regra de fé. Poderei batizar-me na IASD, tendo como única discordância doutrinária: considerar a Sra. White uma falsa profetiza.

      B)Sou cristão de outra denominação e vou me casar com uma adventista. Poderei casar-me num templo adventista?

      C) Uma mulher ou homem adventista, ao casar-se com uma pessoa cristã de outra denominação poderá continuar a exercer as funções, cargos de liderança, na IASD como pastor, ancião, comissão, ou não poderá?


      Atenciosamente.


      Anônimo X.

      Excluir
    4. “Adventista incentiva seus irmãos de fé a ler os artigos que contrariam sua ideologia religiosa? Segue os conselhos que dá aos outros?”

      Que motivos teria eu para incentivar alguém a ler mentiras?

      “A)Após ter lido as obras da Sra. Ellen White estou convencido, sem ter quaisquer dúvidas, que Ela não foi uma profetiza por ter cometido vários erros bíblicos. Assim, embora acredite no dom profético Bíblico, de modo algum acredito no dom profético da Sra. Ellen White. Poderei mesmo assim batizar-me na IASD?”

      Segundo Veltman, que trabalhou 5 anos pesquisando os livros de Ellen White procurando apanhá-la pro plágio, concluiu-se que Ellen White era uma verdadeira profetiza.

      Segundo Ramik que trabalhou os aspectos legais da suposta infração de direitos autorais, concluiu que Ellen White o havia tocado profundamente, apenas lendo poucos trechos contidos na denúncia. O amigo quer mais?

      Canright que foi o primeiro crítico adventista a atacar abertamente o caráter profético de Ellen White, cuja obra deu origem ao livro “A mentira branca” de Walter Rea, se arrependeu profundamente e retornou ao seio adventista.

      Portanto caro amigo não tenha dúvidas, se mesmo lendo os escritos de Ellen White a pessoa não concordar com as doutrinas adventistas, pretende fazer o que dentro do adventismo? Seguir uma fé ao qual não acredita? Creio ser isto uma prova de incoerência no raciocínio do amigo. Ademais lhe mostrei um livro de um porta voz da igreja adventista que afirma categoricamente que a descrença em Ellen White não impede uma pessoa de se tornar membro. Mas claro o amigo prefere simular, “períodos de amnésia” e sempre ignorar este documento.

      E o amigo bem sabe que em templo adventista não se faz casamento entre duas religiões diferentes. E disse religiões mesmo. Procuramos manter nossas doutrinas puras. Aos adventistas que quiserem se casar com de outras denominações, o amigo bem sabe que não há impedimento, a igreja apenas não apoiará tal decisão e insistirá para que o casal pense duas vezes antes de prosseguir com a união.

      E bem sabe que uma pessoa casada com de outra denominação poderá muito bem vir a ocupar cargos dentro da igreja, desde que sua vida esteja em conformidade com a palavra de Deus. Se uma pessoa que já possui cargo poderá perdê-lo? Depende da atitude da pessoa e de seu cônjuge. Causando escândalo entre a comunidade adventista, a pessoa não poderá exercer um cargo de liderança. Entretanto o amigo sabe bem disto porque já debatemos e expliquei-lhe com detalhes, mas o amigo ainda prefere fingir que não tem conhecimento destas coisas.

      “Porém de antemão muitas vezes, as perguntas embaraçosas sequer são respondidas. Em relação as perguntas embaraçosas que não são respondidas, o Sr. pratica muito isso, vide o seu comportamento mais recente com o irmão Joel.”

      O amigo disse uma inverdade, porque afirmou que assiste à programas da TV novo tempo. Portanto sabe que nas programações especialmente no programa do Na Mira da Verdade, os apresentadores fazem questão que tais “perguntas embaraçosas” sejam respondida de forma clara e direta.

      (...)

      Excluir
    5. “A)Após ter lido as obras da Sra. Ellen White estou convencido, sem ter quaisquer dúvidas, que Ela não foi uma profetiza por ter cometido erros bíblicos.”

      O amigo leu as obras de Ellen White? AS obras? Não seriam todas não é mesmo?

      E quais obras o amigo leu completamente, da capa à contracapa?

      Porque tenho investigado os conhecimentos do amigo e não tenho encontrado indício de que o amigo tenha lido ao menos uma obra inteira completa. Corrija-me se eu estiver errado.

      Se estas forem as dúvidas do amigo, creio então que foram respondidas. O amigo então me cobrará novamente respostas para estas questões alegando que jamais respondi?

      (Sr. Adventista)

      Excluir
    6. Senhor Adventista,

      Cite você sem dissimulação, qual obra da Sra White você leu de capa a capa?

      Excluir
    7. Sr. Adventista, boa tarde.

      Seus comentários foram fraquíssimos!
      Farei algumas observações.

      “Que motivos teria eu para incentivar alguém a ler mentiras?”

      RESPOSTA: Viu como o Sr. é parcial e tendencioso. Eu sei a razão do Sr. não estimular as leituras...... O Sr. não é um pesquisador, o Sr. é um torcedor apaixonado!

      "Porque tenho investigado os conhecimentos do amigo e não tenho encontrado indício de que o amigo tenha lido ao menos uma obra inteira completa. Corrija-me se eu estiver errado."

      RESPOSTA: Resposta parecida já lhe dei certa ocasião. Creio que a pergunta acima poderia ser feita ao Sr., pois com certeza é bem apropriada, como mais à frente provarei. Saiba Sr. Adventista que já li sobre Ellen White bem, bem mais do que o Sr.

      Em relação a sua “investigação” sobre meus conhecimentos, pare com essa vaidade, pois de modo algum possui as prerrogativas que acredita ter. Está muito, mas muito longe de possuí-las.

      Num debate que fizemos o Sr. não aceitou nem a interpretação da Academia Brasileira de Letras - que sugeri ao Sr. também perguntar, mas nunca o fez – e afirmou ainda que a gramática nada tinha a ver para que pudéssemos entender o sentido da frase que estávamos conversando na ocasião. Portanto é difícil esperar avanços da parte de V.Sa. A esse respeito quem quiser basta acessar http://exadventistas.blogspot.com.br/2012/01/amalgama-o-pecado-esquecido.html. para ver a forma sofrível de seus argumentos.

      Já lhe disse uma vez e repetirei: se faz bem ao Sr. e ao seu ego e vaidade, acreditar numa cultura que está longe de possuir, acredite. Só lamento!

      O Sr. não concorda, nem com respostas oficiais da IASD. Certa vez fiz uma pergunta à Novo Tempo e após mostrar-lhe a resposta oficial, sua “interpretação" distorceu tudo para não dar o braço a torcer.

      Continua

      Excluir
    8. Continuando

      Foi por isso que sugeri a quem quer que seja que pergunte, mas que faça isso não diretamente ao Sr., mas direto a um pastor ou a um órgão oficial da IASD. Por quê? Porque perguntando ao Sr., haverá distorção!

      "O amigo disse uma inverdade, porque afirmou que assiste à programas da TV novo tempo. Portanto sabe que nas programações especialmente no programa do Na Mira da Verdade, os apresentadores fazem questão que tais “perguntas embaraçosas” sejam respondida de forma clara e direta."

      RESPOSTA: A inverdade é sua Sr. Adventista. Quero ver responderem a uma pergunta do tipo: Não creio de forma convicta no dom profético da Sra. Ellen White e nem que ela seja uma profetiza. Poderei ainda assim, batizar-me na IASD?

      ‘’Canright que foi o primeiro crítico adventista a atacar abertamente o caráter profético de Ellen White, cuja obra deu origem ao livro “A mentira branca” de Walter Rea, se arrependeu profundamente e retornou ao seio adventista.”
      RESPOSTA: Os pastores da IASD que conheço jamais leram o Livro de Canright, apesar de citá-lo. Pelo erro que cometeu acima, também é o seu caso."

      RESPOSTA: Há um livro “Subtilezas do erro” de Arnaldo B. Christianini, Casa Publicadora Brasileira, da IASD, que o Sr. deveria ler.
      Saiba que ao final da sua vida Canright se afastou definitivamente do adventismo e não retornou ao seio adventista.
      É o que digo: O Sr. SEQUER LÊ E CONHECE O QUE ESTÁ CRITICANDO! É SÓ UM REPRODUTOR DO QUE TERCEIROS ESCREVERAM!

      “E bem sabe que uma pessoa casada com de outra denominação poderá muito bem vir a ocupar cargos dentro da igreja, desde que sua vida esteja em conformidade com a palavra de Deus. Se uma pessoa que já possui cargo poderá perdê-lo? Depende da atitude da pessoa e de seu cônjuge. Causando escândalo entre a comunidade adventista, a pessoa não poderá exercer um cargo de liderança. Entretanto o amigo sabe bem disto porque já debatemos e expliquei-lhe com detalhes, mas o amigo ainda prefere fingir que não tem conhecimento destas coisas.

      RESPOSTA: Novamente o Sr. distorceu o que questionei. O que questionei foi que se uma pessoa que já ocupa cargo na IASD vier a se casar com pessoa cristã de outra denominação deverá deixar os cargos de liderança que ocupa: pastor, ancião, comissão etc. Foi isso que disse Sr. Adventista. O que o Sr. diz a respeito? Por que esconder tal fato?

      “Se estas forem as dúvidas do amigo, creio então que foram respondidas. O amigo então me cobrará novamente respostas para estas questões alegando que jamais respondi?”

      RESPOSTA: respondeu, enrolando como de costume. Deixo aos leitores que tirem suas próprias conclusões.

      Atenciosamente.

      Anônimo X.

      Excluir
    9. “Seus comentários foram fraquíssimos!”

      O amigo não está na posição de Juiz! Em nossa troca de comentários não existe uma autoridade julgadora, o julgamento é feito individualmente, por cada leitor, como conseqüência, frases depreciativas não desmerecerão o caráter dos argumentos.


      SOBRE:

      “Viu como o Sr. é parcial e tendencioso. Eu sei a razão do Sr. não estimular as leituras...... O Sr. não é um pesquisador, o Sr. é um torcedor apaixonado!”


      Veja como o amigo está redondamente enganado:

      Estimula-se a imparcialidade, pesquisando em obras de autores imparciais (adotando que tal prática seja possível na realidade). Portanto reveja minhas recomendações:

      “... então o que devemos fazer?

      a) Procurar por mais artigos no blog Exadventistas porque eles têm a verdade e conhecem a IASD melhor que a própria IASD?

      b) Ir direto à fonte e procurar saber como de fato o dízimo é empregado.

      c) Procurar uma opinião imparcial sobre o assunto.”

      Conseguiu ler agora caro amigo Anônimo X? Preciso destacar o item c)?

      Se não, colocarei mais um pouco de minhas antigas palavras:

      “Mas e se quisermos utilizar fontes primárias? E se quisermos utilizar documentários feitos pela imprensa? E se quisermos consultar um pesquisador sério e renomado de cristianismo? E se quisermos ouvir uma opinião imparcial...”

      E quando citei pesquisador sério e renomado de cristianismo me referia a escritores “imparciais” (item c) e não a escritores adventistas como o amigo sugeriu (item b) em:

      “Deve ouvir sim os estudiosos adventistas. Inclusive fazendo-lhes perguntas. Todavia de antemão deve estar ciente que a opinião do teólogo da IASD não é imparcial e que perguntas embaraçosas sequer são publicadas nos sites!

      Como então o amigo vem agora dizer que meus comentários foram fraquíssimos e mais:

      1) parcial e tendencioso;
      2) não estimular as leituras;
      3) não é um pesquisador;

      A primeira evidência da perda de um debate é quando a pessoa passa a tentar desmerecer a contraparte. Quando o debate chega à este nível, a parte já se deu por vencida. Preciso lembrar que o amigo reformulou muitas de suas perguntas naquele debate que tivemos em forma de artigo, que me deu razão em algumas questões e que se deu por vencido ao não querer mais participar de tal debate? Preciso colocar aqui o comentário do amigo contendo a desistência?

      (...)

      Excluir
    10. SOBRE:

      “Resposta parecida já lhe dei certa ocasião. Creio que a pergunta acima poderia ser feita ao Sr., pois com certeza é bem apropriada, como mais à frente provarei. Saiba Sr. Adventista que já li sobre Ellen White bem, bem mais do que o Sr.”

      Como o amigo não sente confortável em dar a resposta, procura redirecionar a pergunta para minha pessoa, mais uma prática apologética utilizada quando não se tem argumento.

      Posso dizer que já li um livro inteiro. E quanto ao amigo? Leu bem mais que eu? Como assim? Cite os livros que o amigo leu completamente.

      SOBRE:

      “Num debate que fizemos o Sr. não aceitou nem a interpretação da Academia Brasileira de Letras - que sugeri ao Sr. também perguntar, mas nunca o fez

      Compare com o que o amigo havia afirmado:

      “É estranha sua colocação, quando o Sr. não aceita sequer as fontes da sua Igreja quando estas contrariam seu modo de pensar.”

      O amigo afirma que não aceito fontes da minha igreja, e cita como exemplo uma INTERPRETAÇÃO da Academia Brasileira de Letras? Cujo e-mail o amigo sequer me apresentou, nem me passou endereço de contato para que pudesse confirmar. Esclareça isto por favor!

      Veja que novamente o amigo repete a afirmação:

      “O Sr. não concorda, nem com respostas oficiais da IASD. Certa vez fiz uma pergunta à Novo Tempo e após mostrar-lhe a resposta oficial, sua “interpretação" distorceu tudo para não dar o braço a torcer.”

      Que respostas seriam estas? Aponte as distorções? Quando irá nos mostrar algo mais palpável, ou pelo menos mais tangível, ao invés de supostos e-mails que só o amigo teve acesso?

      “Foi por isso que sugeri a quem quer que seja que pergunte, mas que faça isso não diretamente ao Sr., mas direto a um pastor ou a um órgão oficial da IASD. Por quê? Porque perguntando ao Sr., haverá distorção!”

      Novamente o amigo está se colocando pronto a tentar desmerecer a confiabilidade da contraparte, fazendo observações pessoais sem embasamento. Mais uma atitude comum quando se reconhece a falta de argumentos e se decide partir para o ataque.

      (...)

      Excluir
    11. Olhe um pouco atrás! Ao invés de desmerecer vosso caráter, desqualifiquei os elementos comprobatórios que o amigo apresentou, e-mail no caso. Portanto seria mais eficaz o amigo desmerecer o livro do autor renomado e porta-voz da igreja que lhe passei, juntamente com o manual da igreja em áudio e vídeo que lhe apresentei, do que simplesmente dizer que não sou confiável.

      “A inverdade é sua Sr. Adventista. Quero ver responderem a uma pergunta do tipo: Não creio de forma convicta no dom profético da Sra. Ellen White e nem que ela seja uma profetiza. Poderei ainda assim, batizar-me na IASD?”

      E veja como o amigo disse mais uma inverdade. Em nosso debate lhe passei por diversas vezes um vídeo do Na Mira da Verdade, onde o Prof. Leandro Quadros tratando deste assunto, sobre o batismo daqueles que não crêem em Ellen White.

      Pois bem, colocarei o vídeo novamente:

      http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80

      Como então o amigo vem dizer que o adventismo não responde à “perguntas embaraçosas”? Vossos tiro saiu pela culatra porque há um vídeo justamente para o assunto que o amigo alega ser ignorado.

      Entretanto se o amigo quiser fazer uma pergunta do tipo: Odeio Ellen White, e quero me batizar para “mostrar que ela era uma falsa profetiza” aos crentes enganados. Nem precisa perder tempo com seus e-mails, pois já sabe que a resposta ao batismo será não. Portanto o amigo não deseja ouvir uma resposta, o amigo deseja ouvir um não.


      SOBRE

      “Os pastores da IASD que conheço jamais leram o Livro de Canright, apesar de citá-lo. Pelo erro que cometeu acima, também é o seu caso."”

      E o que isto tem a ver com a questão? Por que insiste em referenciar a minha pessoa em suas perguntas? Novamente o amigo não tem argumentos diante do arrependimento de Canright e do efeito que os livros de Ellen White causou em Velteman e Ramik que reconheceram o dom de profético de Ellen White ao tentar apanhá-la por plágio. Precisa dizer mais? O amigo apenas trata de direcionar, depreciativamente, a atenção para minha pessoa quando não tem argumentos plausíveis para apresentar.


      SOBRE

      “Há um livro “Subtilezas do erro” de Arnaldo B. Christianini, Casa Publicadora Brasileira, da IASD, que o Sr. deveria ler.
      Saiba que ao final da sua vida Canright se afastou definitivamente do adventismo e não retornou ao seio adventista.”

      Espere aí! Não estávamos falando da época do arrependimento de Canright e retorno à igreja? Por que então o amigo está nos relatando sobre o fim de sua vida? E a propósito, no fim de sua vida Caringht teria mudado novamente de idéia e desacreditado do dom profético de Ellen White? Creio que o amigo está nos induzindo com “sutileza à um erro”.

      (...)

      Excluir
    12. SOBRE:

      “Num debate que fizemos o Sr. não aceitou nem a interpretação da Academia Brasileira de Letras - que sugeri ao Sr. também perguntar, mas nunca o fez”

      Como não? Precisarei repassar nosso debate onde te questionei por não apresentar tal e-mail contendo a dita interpretação? Ao qual o amigo não se dispôs? Nem sequer o endereços dos tais professores para que se pudesse confirmar. Pois bem, passe-os então e irei confirmar. Ficarei em aguardo.

      Quero ver como tais professores viram cruzamento entre homem e bicho na dita frase.


      SOBRE:

      “Novamente o Sr. distorceu o que questionei. O que questionei foi que se uma pessoa que já ocupa cargo na IASD vier a se casar com pessoa cristã de outra denominação deverá deixar os cargos de liderança que ocupa: pastor, ancião, comissão etc. Foi isso que disse Sr. Adventista. O que o Sr. diz a respeito? Por que esconder tal fato?”

      E novamente o amigo faz de conta que não entendeu, pois lhe dei a resposta claramente:

      Pergunta:
      “O que questionei foi que se uma pessoa que já ocupa cargo na IASD vier a se casar com pessoa cristã de outra denominação deverá deixar os cargos de liderança que ocupa”

      Resposta:
      “Se uma pessoa que já possui cargo poderá perdê-lo? Depende da atitude da pessoa e de seu cônjuge”

      No qual detalhei:
      “Causando escândalo entre a comunidade adventista, a pessoa não poderá exercer um cargo de liderança.”

      E creio que este alerta é redundante pois já havia lhe advertido:
      “Entretanto o amigo sabe bem disto porque já debatemos e expliquei-lhe com detalhes, mas o amigo ainda prefere fingir que não tem conhecimento destas coisas.”

      Novamente o amigo está brincando de “cabra-cega” fingindo que não está conseguindo entender o que lhe foi respondido.

      Certa vez disse ao amigo que dali para adiante teria que utilizar uma forma de debate com o amigo nada convencional e que isto poderia trazer mais danos do que benefícios. Portanto peço desculpas se o amigo se sentir ofendido com esta forma de debate e dou-lhe novamente a liberdade de continuar com este tipo de debate, ou encerrá-lo, caso o amigo julgue que não devo ser-lhe invasivo moralmente (no âmbito da mente).

      O amigo decide.

      Atenciosamente.

      Excluir
    13. PERGUNTA AO SENHOR ADVENTISTA:

      Depois desta afirmação do Sr Adventista: "Posso dizer que já li um livro inteiro. E quanto ao amigo?"

      Voce disse que elu um livro inteiro, Cite você sem dissimulação, qual foi esta obra da Sra White você leu de capa a capa?

      Teria sido; "CAMINHO A CRISTO". Dá pra ler em algumas horas!

      Excluir
    14. Sr. Adventista, boa tarde.

      Tentarei ser sucinto e objetivo!

      “O amigo não está na posição de Juiz! Em nossa troca de comentários não existe uma autoridade julgadora, o julgamento é feito individualmente, por cada leitor, como conseqüência, frases depreciativas não desmerecerão o caráter dos argumentos.”

      RESPOSTA: O Sr. está correto ao escrever que frases depreciativas não desmerecerão o caráter dos argumentos. Mas note bem que frases depreciativas prejudicam a seriedade do seu blog. Daí ter sinalizado que a brincadeira do Sr. Jair não foi legal. Contudo o Sr. não levou a sério o que lhe alertei.
      Por outro lado, quando escrevi “seus argumentos são fraquíssimos” me baseei, entre outros aspectos, numa informação errada que o Sr. fez sobre Dudley Marvin Canright.

      O Sr. mostrou que sequer leu o livro dele. Contudo estranhamente afirmou que Walter Reá ao escrever o livro “Mentira Branca” copiou as informações de Canright .
      É evidente que o Sr. comenta sobre o que não conhece, comenta sobre o que não leu.
      Portanto creio fortemente, que nem o livro de Walter Reá, o Sr. leu.
      Foi por isso que disse que os comentários que fez foram fraquíssimos e afirmei que o Sr. não é um pesquisador, mas ...... um torcedor apaixonado!

      Não tive a intenção de ofendê-lo, estou apenas escrevendo o erro que o Sr. demonstrou ao dizer que Dudley Marvin Canright retornou ao adventismo. Infelizmente o Sr. não conhece nem as origens da sua Igreja. Deve ter cuidado de afirmar coisas que não conhece!

      Foi por isso que sugeri que o Sr. Leia o livro “Subtilezas do erro de Arnaldo B. Christianini; pode ainda assistir o DVD “O Dom Profético Ellen G. White”, apresentado pelo Alberto R. Timm e pelo Pr. Arilton C. Oliveira; pode ainda assistir ao DVD “Além do ano 2000” apresentado pelo saudoso pastor Henry Feyarabend. As duas primeiras indicações falam um pouco de Canright e a última são 26 sermões de Feyrabend que darão ao Sr. Um melhor conhecimento da doutrina da IASD.

      O Sr. reafirmo: é um torcedor apaixonado. Pois acredita que as fontes da IASD são imparciais. Não existe imparcialidade irmão! Mesmo indo às fontes da IASD quem pesquisa deve verificar se houve plágios ou não, alterações de parágrafos e de livros; e de obras que deixaram de ser publicadas. Somente a sinceridade, ainda que exista, não é suficiente ao analisarmos um texto. Deve-se perscrutar tudo!




      Continua

      Excluir
    15. Continua

      “A primeira evidência da perda de um debate é quando a pessoa passa a tentar desmerecer a contraparte. Quando o debate chega à este nível, a parte já se deu por vencida.

      RESPOSTA: Parece que quando o Sr. escreveu as observações acima estava olhando para o espelho. Pois foi o que o Sr. Jair fez com o seu aplauso: desrespeitar terceiros.

      Bem, o Sr. está faltando com a verdade. Mostre onde escrevi que me dei por vencido no debate. Fica feio inventar as coisas.
      Como afirmou que “me dei por vencido no debate”, tem o dever moral de mostrar onde escrevi isso!

      Outro aspecto é que desistir de um debate não significa aceitar a derrota. E mesmo que tivesse sido “derrotado” não haveria nenhum problema. Devemos mudar, se as evidências contrariam o que pensávamos!

      O Sr. Joel – apenas uma hipótese para exemplificar -, pode ter desistido do debate por achar que o Sr. enrola e evita responder muitas das questões. Pense nessa possibilidade!

      Veja vem que no caso dele, JOEL, o Sr. enrolou, abriu tópicos e deixou de responder a muita coisa!

      “Como o amigo não sente confortável em dar a resposta, procura redirecionar a pergunta para minha pessoa, mais uma prática apologética utilizada quando não se tem argumento.
      “Posso dizer que já li um livro inteiro. E quanto ao amigo? Leu bem mais que eu? Como assim? Cite os livros que o amigo leu completamente.

      RESPOSTA: Que bom que o Sr. já leu um livro inteiro. É algum avanço num país onde as pessoas não gostam de ler. Um das coisas que mais gosto é de ler. Aliás minha profissão me exige isso. Só esta semana já foram cinco.

      Agora o que o Sr. está me pedindo é com que finalidade? Satisfazer sua curiosidade? Que tal mencionar os livros adventistas que além de ter lido, já dei de presente. Se o Sr. reformular a pergunta, poderei até responder. Pergunte assim: Anônimo X, qual dos livros Adventistas já lidos por você, que o irmão presentou a outras pessoas? Ok. Pergunte-me desse modo que poderei até responder!



      Continua

      Excluir
    16. Continua

      “O amigo afirma que não aceito fontes da minha igreja, e cita como exemplo uma INTERPRETAÇÃO da Academia Brasileira de Letras? Cujo e-mail o amigo sequer me apresentou, nem me passou endereço de contato para que pudesse confirmar. Esclareça isto por favor!

      RESPOSTA: O Sr. tem a memória fraca. Saiba que a (ABL) Academia Brasileira de Letras tem um site. Basta o Sr. entrar no site e perguntar se o sentido da frase “Amálgama de homem e besta” é o mesmo de “Amálgama de homem com besta”.
      Na ocasião sugeri ao Sr. que enviasse um e-mail para a ABL. Fez o Sr. isso? Não fez. Para piorar chegou a afirmar que a gramática nada tinha a ver coma questão. Vide. http://exadventistas.blogspot.com.br/2012/01/amalgama-o-pecado-esquecido.html. Lá, novamente ratifico, é possível verificar a fragilidade de seus argumentos.

      “Novamente o amigo está se colocando pronto a tentar desmerecer a confiabilidade da contraparte, fazendo observações pessoais sem embasamento. Mais uma atitude comum quando se reconhece a falta de argumentos e se decide partir para o ataque.”

      “Olhe um pouco atrás! Ao invés de desmerecer vosso caráter, desqualifiquei os elementos comprobatórios que o amigo apresentou, e-mail no caso. Portanto seria mais eficaz o amigo desmerecer o livro do autor renomado e porta-voz da igreja que lhe passei, juntamente com o manual da igreja em áudio e vídeo que lhe apresentei, do que simplesmente dizer que não sou confiável.”

      “E veja como o amigo disse mais uma inverdade. Em nosso debate lhe passei por diversas vezes um vídeo do Na Mira da Verdade, onde o Prof. Leandro Quadros tratando deste assunto, sobre o batismo daqueles que não crêem em Ellen White.”

      Pois bem, colocarei o vídeo novamente:

      http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80

      “Como então o amigo vem dizer que o adventismo não responde à “perguntas embaraçosas”? Vossos tiro saiu pela culatra porque há um vídeo justamente para o assunto que o amigo alega ser ignorado.”

      RESPOSTA: Sr. Adventista, não estou desmerecendo a confiabilidade na contraparte. Pois prefiro acreditar que o Sr. é uma pessoa sincera. Mas acho que o Sr. é precipitado, não tem atenção no que lê, comete erro de interpretação de texto e erra ao fazer comentários de livros que sequer leu.

      No vídeo http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80 em nenhum momento Leandro Quadros refere-se à pessoa que antes de batizar-se viesse a afirmar: “ Já li tudo o que posso sobre a Sra. Ellen White e estou convencido, sem ter quaisquer dúvidas, e não creio em seu dom profético e nem que ela foi uma profetiza. PODEREI AINDA ASSIM ME BATIZAR?”
      No vídeo em questão é enfatizado que se a pessoa tiver dúvida isto não impedirá o Batismo. Veja bem “DÙVIDA”.
      Portanto se o batizando tiver “CERTEZA” que a Sra. Ellen White não foi uma profetiza e nem crer em seu dom profético, não poderá batizar-se na IASD! Por que omitir a verdade?
      Peço que os leitores assistam o vídeo e digam se estou errado! Pois já havia feito a observação acima e o Sr. Adventista estranhamente ignorou!

      Obs: A doutrina fundamental nº 18 da IASD possui declaração no dom profético da Sra. Ellen White!

      “Entretanto se o amigo quiser fazer uma pergunta do tipo: Odeio Ellen White, e quero me batizar para “mostrar que ela era uma falsa profetiza” aos crentes enganados. Nem precisa perder tempo com seus e-mails, pois já sabe que a resposta ao batismo será não. Portanto o amigo não deseja ouvir uma resposta, o amigo deseja ouvir um não.”

      RESPOSTA: Agora o Sr. está apelando! Pois foi ao extremo! Para que isso? Basta ater-se a resposta anterior!


      Continua

      Excluir
    17. Continua

      “SOBRE

      “Os pastores da IASD que conheço jamais leram o Livro de Canright, apesar de citá-lo. Pelo erro que cometeu acima, também é o seu caso."”

      “E o que isto tem a ver com a questão? Por que insiste em referenciar a minha pessoa em suas perguntas? Novamente o amigo não tem argumentos diante do arrependimento de Canright e do efeito que os livros de Ellen White causou em Velteman e Ramik que reconheceram o dom de profético de Ellen White ao tentar apanhá-la por plágio. Precisa dizer mais? O amigo apenas trata de direcionar, depreciativamente, a atenção para minha pessoa quando não tem argumentos plausíveis para apresentar.”

      RESPOSTA: Tem tudo a ver! Como podemos comentar o teor de um livro se não o lermos? V.Sa. escreveu o seguinte:

      “Canright que foi o primeiro crítico adventista a atacar abertamente o caráter profético de Ellen White, cuja obra deu origem ao livro “A mentira branca” de Walter Rea, se arrependeu profundamente e retornou ao seio adventista.”

      RESPOSTA: Foi o Sr. próprio que escreveu o parágrafo acima, um pouco antes, afirmando que ele retornou ao seio adventista. Vai negar o que escreveu? Assim fica feio!

      Foi por isso que disse e reafirmo que o Sr. sequer leu o livro de Canright! Como comentou sobre o autor? Como teve a coragem de dizer que Valter Reá copiou o que escreveu de
      Dudley Marvin Canright? Se não leu nenhum dos dois livros? É por isso que afirmo sem medo de errar: o Sr. não é um pesquisador! É apenas um torcedor apaixonado!

      Analisa livros que não leu, aproveitando-se da opinião de sexteiros, que leram de quinteiros, que leram de quarteiros, que leram de terceiros! Assim sua credibilidade vai para o espaço!

      Continua.

      Excluir
    18. Continua


      “SOBRE

      “Há um livro “Subtilezas do erro” de Arnaldo B. Christianini, Casa Publicadora Brasileira, da IASD, que o Sr. deveria ler.
      Saiba que ao final da sua vida Canright se afastou definitivamente do adventismo e não retornou ao seio adventista.”

      “Espere aí! Não estávamos falando da época do arrependimento de Canright e retorno à igreja?”

      RESPOSTA: O Sr. afirmou que Canright havia retornado à Igreja. Pare com essa mania de enrolar! Errou feio! Admita! Admita que não leu o livro dele! Admita que não leu o livro de Walter Reá! Admita que faz comentários de livros que seque lê!

      Da forma que V.Sa. procede tenho dúvidas! Quais? Se o Sr. sequer chegou a ler um único livro inteiro da Sr. Ellen White! Leia pelo menos “Vida de Jesus”, "Caminho a Cristo" e o “Desejado de Todas as Nações” são livros bonitos e bem escritos!

      “Por que então o amigo está nos relatando sobre o fim de sua vida? E a propósito, no fim de sua vida Caringht teria mudado novamente de idéia e desacreditado do dom profético de Ellen White? Creio que o amigo está nos induzindo com “sutileza à um erro”.

      RESPOSTA: O erro foi todo seu! Já o questionei a esse respeito de forma suficiente. Porém o pior de todos os seus erros é o Sr. comentar sobre livros que sequer leu!

      Um detalhe V.Sa., Sr. Adventista, está todo confuso. Veja a barbaridade que escreveu:

      “E a propósito, no fim de sua vida Caringht teria mudado novamente de idéia e desacreditado do dom profético de Ellen White? Creio que o amigo está nos induzindo com “sutileza à um erro”.

      RESPOSTA: Não sou só eu, a Própria IASD afirma que Caringht se afastou da fé adventista. Por favor leia o livro e assista ao DVD que te indiquei. Tire ainda sua dúvida enviando uma pergunta para a Novo Tempo ou para o Centro White. É triste dizer, mas o Sr. desconhece a história da sua própria Igreja.
      __________________________________

      Em se tratando do afastamento de cargos de função: pastor, ancião, comissão de adventistas que venham a se casar com pessoas cristãs de outras denominações. Creio que os leitores devem perguntar isso oficialmente à IASD.
      No meu caso particular até hoje não li uma resposta oficial, embora já dois pastores já tenham me dito que teriam que se afastar independentemente da conduta moral do cônjuge. Contudo, nada melhor do que uma resposta oficial. Portanto cabe aos interessados fazê-la.

      “Portanto peço desculpas se o amigo se sentir ofendido com esta forma de debate e dou-lhe novamente a liberdade de continuar com este tipo de debate, ou encerrá-lo, caso o amigo julgue que não devo ser-lhe invasivo moralmente (no âmbito da mente).”

      RESPOSTA: Obrigado por sua “preocupação”, mas não apresentou nada de novo. O único fato que me impressionou dessa vez foi o fato do Sr. cometer graves erros ao fazer comentários errados sobre Caringht e de livros que não leu! Muito estranho isso, pois tira totalmente a sua credibilidade!


      Fica com Deus!

      Anônimo X.

      Excluir
    19. SOBRE:
      “O Sr. está correto ao escrever que frases depreciativas não desmerecerão o caráter dos argumentos.”

      Me referi à vossa afirmação:

      “Seus comentários foram fraquíssimos!”

      Não é o amigo quem decide se foram fraquíssimos ou não. Quanto ao amigo Jair, por que não o procuraram até hoje? Não espere que eu o repreenda, ademais não vi inverdade em sua crítica porque de certa forma os amigos têm acusado o adventismo. Não é a charge do amigo Jair que incomoda os amigos, mas o fato de terem sido comparados à forma de acusadores apresentados no artigo que estava logo acima. Pedi para que o amigo Jair não generalizasse e procurei falar bem dos amigos. Portanto não vejo razão para estarem ainda choramingando. Levem com bom humor e aprendam a receber algumas críticas, pois também são bons em críticas.

      SOBRE:
      “O Sr. mostrou que sequer leu o livro dele. Contudo estranhamente afirmou que Walter Reá ao escrever o livro “Mentira Branca” copiou as informações de Canright .”

      O amigo está pouco adiantado, Bruce (pág. 2) “encontrou” alguns arquivos que repassou à Walter Rea. O nome dos autores e suas obras estão incluídas nas referências bibliográficas do próprio livro. O amigo encontrará artigos contendo a afirmação de que Walter Rea apenas “plagiou” (entre aspas) os escritos de Canright, porém o caso é bem mais sério.

      Ademais leia: “The Life of Ellen White by D.M. Canright (1919)” no capítulo 10 que diz "A Great Plagiarist". Isto está por toda internet, inclusive em sites críticos adventistas. Tanto o adventismo como os críticos não têm dúvidas de que Walter Rea “reaproveitou” as antigas acusações de Canright. Portanto o amigo acreditando ou não, isto é fato. Mas obrigado por recomendar o livro “subtilezas do erro”, baixei e deixo o link para quem se interessar.

      http://setimodia.wordpress.com/downloads-2/biblioteca-virtual-adventista-3/

      Segue um trecho do livro:

      “E 1882, se novo colapso em sua vida religiosa. Novo abandono da obra. Foi para Oswebo, Michigan. Ficou 3 anos fora do movimento, e dizia que não tina mais fé nas nossas doutrinas. Incriminava a Sra. White. Em 1884 asistiu à grande reunião campal em Jackson, Michigan, e sabiamente declarou VOLTAR PARA A IGREJA ADVENTISTA, fazendo a sua conhecida confissão perante mil pessoas. Confessou-se ARREPENDIDO por ter julgado mal a Sra. White. Penitenciou-se de seus pecados e erros e, em termos fervorosos e candentes, proclama a sua nova conversão e o desejo de nunca mais se apartar do povo do Advento" (Subtilezas do Erro, pág 26)

      Claro que caiu NOVAMENTE, e por várias vezes voltou com a convicção no dom profético de Ellen White. Se ao fim de sua vida estava convicto ou não, isto é irrelevante, uma vez que o próprio autor não se mostrava nem um pouco firme em suas acusações. Prefiro acreditar que em seu sofrimento final tenha se arrependido e o encontremos um dia no céu.

      Realmente muito bom o livro, gostei muito mesmo, vale a pena ler, fala muito sobre adventistas que se apostatam e nos ajuda a compreender um pouco os amigos do blog “exadventistas”.

      (...)

      Excluir
    20. SOBRE:
      “Bem, o Sr. está faltando com a verdade. Mostre onde escrevi que me dei por vencido no debate. Fica feio inventar as coisas.”

      Eis aqui:

      http://novamenteadventistas.blogspot.com/2012/03/respostas-parciais-ao-anonimo-x.html?showComment=1337138840359#c4370423673031251669

      "Todavia, deixo a todos que entrarem aqui neste blog que tirem suas próprias conclusões.
      Considero assim concluída minha participação neste blog."

      SOBRE:
      “Outro aspecto é que desistir de um debate não significa aceitar a derrota. E mesmo que tivesse sido “derrotado” não haveria nenhum problema. Devemos mudar, se as evidências contrariam o que pensávamos!”

      Concordo com o amigo. E sei muito bem que o amigo se deu por vencido (não quis continuar o debate), e não por convencido. E não deprecio vossa disposição ao debate:

      “Parabenizo ao amigo Anônimo X pela sua brilhante participação e exemplar dedicação ao debate.”

      Está contido nas conclusão ao final do artigo.

      O Joel é um caso à parte, porque não consigo entender sua crença. Ainda mais quando começa a criticar os tais “pastores aproveitadores” e as “doutrinas enganosas” e a demonstrar rótulos e mais rótulos depreciativos sobre a minha pessoa e os demais “seguidores de falsas doutrinas”. E não pode me culpar, pois até mesmo no blog “exadventistas” o pessoal não conseguiu “engoli-lo” direito.

      “Que bom que o Sr. já leu um livro inteiro. É algum avanço num país onde as pessoas não gostam de ler. Um das coisas que mais gosto é de ler. Aliás minha profissão me exige isso. Só esta semana já foram cinco”

      Sorte do amigo, por gostar de ler, pois desde minha infância fui obrigado a estudar e a ler muito. Aos 12 anos já lia sobre Freud e Ofélia Boisson e discutia os assuntos com professores e aos 16 já dava aula no lugar de alguns deles. Lia poucos livros em casa, porém pesados. Ademais minhas escolas eram exigentes, então já lia muito por exigência. Hoje sou obrigado a assimilar ainda mais informação, pois também é meu trabalho. Ainda bem que não dependo hoje exclusivamente de livros.

      Mas o amigo novamente se esquivou e não respondeu se já leu pelo menos um livro inteiro de Ellen White. Eu li o Caminho a Cristo intitulado atualmente “Esperança para viver” ao qual postei neste blog. Este livro mudou a minha vida, porque me levou aos pés de Cristo.

      (...)

      Excluir
    21. SOBRE:
      “O Sr. tem a memória fraca. Saiba que a (ABL) Academia Brasileira de Letras tem um site. Basta o Sr. entrar no site e perguntar se o sentido da frase “Amálgama de homem e besta” é o mesmo de “Amálgama de homem com besta”.

      Auto lá, porque solicitei o e-mail dos professores que lhe deram a resposta. Quero ouvir a mesma opinião que o amigo recebeu.


      SOBRE:

      “No vídeo http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80 em nenhum momento Leandro Quadros refere-se à pessoa que antes de batizar-se viesse a afirmar:”

      Isto não vem ao caso, o fato é que o amigo afirmou que o adventismo não responde a “perguntas delicadas”, ao qual citou como exemplo.

      “A inverdade é sua Sr. Adventista. Quero ver responderem a uma pergunta do tipo: Não creio de forma convicta no dom profético da Sra. Ellen White e nem que ela seja uma profetiza. Poderei ainda assim, batizar-me na IASD?”

      Sendo satisfatória a resposta para vossa pessoa ou não, o Na mira da Verdade reponde sim as tais “perguntas delicadas” e deu uma resposta sim justamente ao questionamento que o amigo usou como exemplo, mesmo que o amigo julgue não satisfatória. Desconsertante não?


      SOBRE AS OBSERVAÇÕES RELACIONDAS À CANRIGHT:

      Creio que com o próprio livro recomendado pelo amigo, ao qual postei neste comentário, não restará dúvida alguma quanto ao assunto de arrependimento e reconciliação com a igreja, conforme comentei anteriormente. Qualquer coisa, leia o livro que o amigo recomendou.

      E o amigo está um pouco atrasado, pois já havia debatido sobre o livro de Walter Rea com outro comentarista. E por mais indigesto que possa parecer, fui obrigado a lê-lo e ainda comentar sobre os quadros comparativos. Li também a história de Walter Rea e conheci mais do que este apresenta sobre ele mesmo em seu livro. Quanto à Canright, li sobre sua verdadeira história, não através de seus livros, mas do acervo adventista, conforme o amigo deduziu, e pelo livro que o amigo recomendou “subtilezas do erro” não perdi nada, deixando de ler suas obras de constante apostasia e reconciliação.

      Como o amigo bem sabe não sou adepto de ler opiniões de terceiros. Prefiro ir direto à fontes primárias, saber sobre a vida de cada um e pode apostar que o acervo contido no arquivo adventista é riquíssimo.

      (...)

      Excluir
    22. SOBRE:
      “O Sr. afirmou que Canright havia retornado à Igreja. Pare com essa mania de enrolar! Errou feio! Admita! Admita que não leu o livro dele! Admita que não leu o livro de Walter Reá! Admita que faz comentários de livros que seque lê!”

      Leia o próprio livro que o amigo recomendou! Ao contrário do que o amigo afirma, procuro ler sim os livros para fazer a devida defesa. Indigestamente li o livro de Walter Rea, as conclusões de Veltman, o parecer de Ramik e pesquisei sobre a vida de tais autores, os bastidores de suas obras, suas vidas. Há muita coisa disponível nos arquivos adventistas. O amigo pode ter certeza, de que pode conhecer as obras, mas não conhece os autores. Poderá então até dizer que não conheço bem nem me interesso pelas obras. Mas conheço muito bem sobre os autores e conhecerei bem mais sobre Canright com o livro que o amigo indicou “subtilezas do erro”, pois é uma fonte confiável e muito bem elaborada, pois está em perfeita harmonia com o que obtive em minhas pesquisas.

      Atenciosamente.

      Excluir
    23. Sr. Adventista, bom dia.

      Refleti se deveria responder ou não ao que escreveu. Sabe por quê? Porque tenho constatado o fato do Sr. seguidas vezes ficar enrolando, escrever uma coisa e depois dizer outra; e não estar interessado em responder questões centrais que são colocadas!

      Contudo como existem pessoas que leem o que é postado e também em respeito ao Sr. e para que reflita, irei respondê-lo.

      V.Sa., possui características desagradáveis de se ver numa troca de ideias. Por quê?
      Porque gosta de enaltecer a si próprio, atribuindo a si conhecimentos que não possui, além de gostar de se fazer de desentendido e não admitir seus erros.

      Vou dar três exemplos da razão de vê-lo da forma que citei no que escrevi acima.

      1ª RAZÃO:
      O Sr. me sugeriu um tempo atrás assistir um vídeo da Novo Tempo http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80, o qual já conhecia. Neste programa o tema é: Para me tornar adventista preciso crer em Ellen White?

      No referido programa realmente é dito:
      A)Que se a pessoa tiver dúvidas sobre o dom Profético da Sra. Ellen White não deverá deixar de ser batizado e

      B) Que se o adventista deixar de crer no dom Profético da Sra. Ellen White, poderá continuar a ser membro da IASD desde que não crie contendas.

      Porém, entretanto, todavia, caso antes de batizar-se a pessoa já tenha lido e se informado sobre a doutrina adventista estando consciente, sem ter quaisquer dúvidas, de que não crê no dom profético da Sra. Ellen White, poderá batizar-se na IASD? Essa INDAGAÇÃO CENTRAL não foi abordada pelo Sr. Leandro Quadros. Se o Sr. agisse com sinceridade buscaria responder esta questão! Contudo Eu respondo: claro que não. E isso, mesmo que a pessoa creia no dom profético bíblico!

      O Sr. sabe muito bem, ou se faz de desentendido, que a doutrina fundamental nº 18 da IASD refere-se não só ao dom profético bíblico, mas também ao dom profético da Sr. Ellen White!

      Portanto se um pastor da IASD vier a deixar de crer que a Sra. Ellen White foi uma profetiza, apesar de crer no dom profético bíblico, deverá deixar sua função. Pois para a IASD não basta crer no dom profético bíblico, é necessário também crer no dom profético da Sra. Ellen White. Vide Doutrina fundamental nº18.

      Do mesmo modo, guardada as especificidades, se um batizando, que tendo lido bastantes livros da IASD e da Sra. Ellen White, vier a crer de forma convicta que ela não é uma profetiza, não poderá batizar-se na IASD. Mesmo o batizando crendo no dom profético bíblico.

      Por que esconder a verdade? Daí que a INDAGAÇÃO CENTRAL mencionada “espertamente” não foi abordada pelo Sr. Leandro Quadros. Por que será?
      Agora é estranho que seguidamente lhe expliquei a minha INDAGAÇÃO CENTRAL e seguidamente o Sr. se faz por CONVENIÊNCIA de desentendido. Por isso não vejo sinceridade do Sr. no esclarecimento.

      Saiba que a ausência de resposta forma convicções nas pessoas, assim como formaram em mim. Por quê? Por não ver as questões respondidas. Enrolar e evitar responder ao que é perguntado não leva a nada de positivo, só leva ao descrédito!

      Continua

      Excluir
    24. Continua

      Que bom seria Sr. Adventista que uma resposta oficial da IASD fosse dada do seguinte modo:

      Querido irmão você está errado, não é necessário crer no dom profético da Sra. Ellen White! Basta que você creia em Jesus. Ainda que você já tenha lido quase todos os livros da Sra. Ellen White, e esteja convencido dela não ter sido uma profetiza, não é isso que importa.

      Pouco importa o seu nível cultural e ainda se você, leu, além de ter lido quase todos os livros da Sra. Ellen White, dezenas e dezenas de outros livros da IASD, o comentário Bíblico Adventista, estudou toda a doutrina da IASD, leu mais de quatro mil sermões, assistiu e ouviu diversos e diversos sermões, CDs e Dvds, ou seja mais o que for. Isso não é o mais importante.

      O que importa é o amor de Jesus em sua vida. Isso vale mais do que tudo. Sem o amor de Cristo sua vida será um vazio.
      Contudo, mesmo não crendo de forma convicta, antes de batizar-se, no dom profético da Sra. Ellen White. Isso não o impedirá de forma querido irmão de batizar-se e vir a ser membro de nossa querida Igreja.

      A sua regra de fé deve ser a Bíblia e a única coisa que deve fazer é deixar o Espírito de Deus agir na sua vida para que não levante debates dentro da IASD sobre o assunto Ellen White e respeite a crença de seus irmãos de fé.

      É essa a resposta pelo menos que sempre imaginei ser dada pela IASD, prezado irmão Sr. Adventista!
      Será que ela é possível?

      Por isso cabe a cada leitor assistir o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=2prr0COSO80, para verificar quem está falando a verdade eu ou o Sr.

      O Sr. já teve explicação suficiente do que estou indagando no vídeo, mas é “astuto” e se faz de desentendido. Demostrou pavor em pesquisar e responder a minha INDAGAÇÃO CENTRAL.

      Daí a razão, desculpe-me de não ver seriedade em seus argumentos!

      Lembro que tenho uma resposta da Novo Tempo em que é dito que se Ellen White não for considerada profetiza a Igreja perderia sua característica profética.

      Vale especificar que qualquer cristão verdadeiro acredita no espírito profético bíblico. Isso não implica que tenha de crer no dom profético da Sra. Ellen White. Uma coisa não tem a ver com a outra! Querer impor ou achar isso é um tremendo absurdo e visa evitar esclarecer as coisas como são.

      Obs: Se a resposta fosse dada com sinceridade, confirmaria o que tenho indagado ou mostraria que estou errado!

      2ª RAZÃO

      Outro exemplo de seu procedimento errado é que o Sr. sequer leu o livro de Carenhit sobre o qual fez críticas e pelo que escreveu não leu também o livro de Walter Reá. Admita isso! A mim o Sr. não engana! Por que estou afirmando isso? Porque V.Sa. afirmou erradamente que ele (Canright) voltou à Igreja e fez uma pergunta que mostrou o grau de seu desconhecimento.

      Por isso repito que comentou sobre o que não leu, baseando-se em comentários de sexteiros, que leram de quinteiros, que leram de quarteiros, que leram de terceiros.

      Continua

      Excluir
    25. Continua

      3ª RAZÃO:

      O Sr. afirmou que o livro de Christianini coincide com sua pesquisa. Como pode isso criatura de Deus, quando os comentários que o autor faz sobre o final da vida de Canright desmentem o que o Sr. afirmou, deste ter voltado para a igreja? Por aí se vê a sua contradição!
      Christianini escreve com elegância e é objetivo em seus argumentos. Tenho as minhas discordâncias, mas ele escreveu muitas coisas boas e não ficava enrolando como o Sr. no presente!

      Por outro lado, como pode o Sr. querer dizer que as suas pesquisas coincidem com a de Christianini? Quando, mais uma vez ratifico, os comentários que o autor faz sobre Carenheit desmentem os absurdos que o Sr. escreveu? Leia novamente o que V.Sa escreveu erradamente vária vezes sobre Canright:

      “Canright que foi o primeiro crítico adventista a atacar abertamente o caráter profético de Ellen White, cuja obra deu origem ao livro “A mentira branca” de Walter Rea, se arrependeu profundamente e retornou ao seio adventista.”

      “E o que isto tem a ver com a questão? Por que insiste em referenciar a minha pessoa em suas perguntas? Novamente o amigo não tem argumentos diante do arrependimento de Canright e do efeito que os livros de Ellen White causou em Velteman e Ramik que reconheceram o dom de profético de Ellen White ao tentar apanhá-la por plágio. Precisa dizer mais? O amigo apenas trata de direcionar, depreciativamente, a atenção para minha pessoa quando não tem argumentos plausíveis para apresentar.”

      "Espere aí! Não estávamos falando da época do arrependimento de Canright e retorno à igreja? Por que então o amigo está nos relatando sobre o fim de sua vida? E a propósito, no fim de sua vida Caringht teria mudado novamente de idéia e desacreditado do dom profético de Ellen White? Creio que o amigo está nos induzindo com “sutileza à um erro”. (NESTAS DUAS ÚLTIMAS PERGUNTAS O Sr. CHEGOU A QUESTIONAR O QUE ESCREVI –GRIFOS EM MAÍUSCULAS MEUS)

      Veja agora o que o Sr. escreveu depois, depois das minhas críticas as suas contradições:

      “Claro que caiu NOVAMENTE, e por várias vezes voltou com a convicção no dom profético de Ellen White”.

      Entretanto no início como demonstrei não foi o que o Sr. havia afirmado sobre Canright! Viu a sua falta de sinceridade no que escreve. O Sr. ESCREVE UMA COISA E DEPOIS NEGA O QUE ESCREVEU!

      Veja a que ponto chega a sua pretensão? Veja a que ponto o Sr. “viaja” e gosta de elogiar a si próprio ao dizer que as pesquisas de Christianini confirmam sua pesquisas. Fala sério Sr. Adventista!

      Aliás, o Sr. fez download do livro “Subtilezas do Erro” e o “leu” rápido demais. Entretanto veja bem que não notou que a informação de Arnaldo B. Christianini sobre Canright é totalmente diferente da sua, pois a desmente! Muito estranho! Por que o Sr. não admite que errou?

      É triste dizer, mas percebe-se que o Sr. sequer leu o livro de Christianini “Subtilezas do Erro”; bem como o de Canright ou de Walter Reá.

      Pare com essa triste mania de fazer comentários sobre livros que não leu. Isso evita ao Sr. passar vergonha!
      Agindo da forma como age, qual a credibilidade que o Sr. passa? Nenhuma! Mostra que não fala a verdade e nem possui seriedade intelectual!

      Continua

      Excluir
    26. Continua

      Por outro lado, a tarefa de argumentar com o Sr. é inglória e pede boa dose de paciência, haja vista ter que repetir os assuntos seguidas vezes.

      Entretanto as suas piores características são: agir de forma astuta fazendo-se de desentendido e faltar com a verdade. Posso provar? Sim:

      A)As três razões acima que mostrei!

      B)Afirmou que me dei por vencido no debate. Quem ler o link ttp://novamenteadventistas.blogspot.com/2012/03/respostas-parciais-ao-anonimo-x.html?showComment=1337138840359#c4370423673031251669 não verificará nada do que o Sr. afirmou. Na realidade identifiquei aqui vaidade de sua parte.

      Obs. Não haveria nenhum problema, masi uma vez ratifico, se tivesse feito perdido o “debate”, afinal devemos mudar se há evidências. Agora que fica feio faltar com a verdade, isso fica!

      Sobre a questão da frase “amálgama de homem e besta” significar o mesmo de “amálgama de homem com besta” já debati o suficiente com o Sr em exadventistas.blogspot.com.br/2012/01/amalgama-o-pecado-esquecido.html. Lá será possível, é sempre bom repetir, verificar os erros que o Sr. cometeu!

      Para saber dos fatos sobre os sentidos das frases “amálgama de homem e besta” significar o mesmo de “amálgama de homem com besta”, basta ao Sr. entrar no site da (ABL) Academia Brasileira de Letras e fazer a pergunta. A ABL responde! Já lhe sugeri isso seguida vezes! Por que até hoje não fez isso? Por que será? Medo da verdade ou dos fatos que procura defender como um torcedor apaixonado? É isso? Será que é porque o Sr. acredita que a gramática não é importante para se entender o significado de uma frase? Será ainda que o Sr. aceitará a análise da Academia Brasileira de Letras?

      Apesar de ter a resposta em minha caixa de e-mail. Seja um pesquisador, não espere de mim o que não quer fazer! PESQUISE! Envie o Sr. mesmo e-mail à ABL?
      Obs.1: Não tenho nenhuma obrigação de citar pastores da IASD que me deram respostas que contrariam sua interpretação ou se quaisquer outros e-mails. Isso é algo pessoal.
      Obs. 2: Cabe ao Sr. ou a qualquer outro interessado fazer as perguntas, por exemplo, diretamente à IASD ou a qualquer outra pessoa, órgão e tirar as próprias conclusões. Isso evita o dito pelo não-dito.
      Obs. 3: Lembro-me dum e-mail que recebi da Novo Tempo que lhe enviei e o Sr. torceu o sentido e não dando o braço a torcer.
      Obs. 4: Depois disso, de ter constatado sua afirmação sobre a gramática e de verificar que o Sr. nega o que escreve. Só Deus mesmo! Já que estou lidando, não com um pesquisador porém, desculpe-me, com um torcedor de “um time de futebol” dos mais apaixonados!

      Atenciosamente.


      Anônimo X.

      Excluir
    27. Amigo Anônimo X,

      SOBRE:
      “Refleti se deveria responder ou não ao que escreveu. Sabe por quê? Porque tenho constatado o fato do Sr. seguidas vezes ficar enrolando, escrever uma coisa e depois dizer outra; e não estar interessado em responder questões centrais que são colocadas!”

      Sinto muito amigo, mas esta desculpa não irá mais colar. Como se percebe, fiz questão de responder a tudo que o amigo argumentou. Portanto não há como o amigo utilizar novamente esta afirmação descabida.

      Percebe-se que o amigo está um tanto desconsertado e arrumando desculpas para se retirar mais uma vez do debate sem dar o braço a torcer.

      SOBRE:
      “Porque gosta de enaltecer a si próprio, atribuindo a si conhecimentos que não possui, além de gostar de se fazer de desentendido e não admitir seus erros.”

      Isto é uma impressão particular, que o amigo gostaria de transparecer. Em verdade, o amigo deve ter notado que tenho extrema facilidade em assimilar conhecimento. O que o amigo julga de “fazer de desentendido” se dá quando se acerta o coração de vossas indagações, desarmando vossos questionamentos. Ainda tenho muitos argumentos e vejo que o amigo a esta altura dos acontecimentos, está com poucos, seria mesmo eu quem estaria na posição de ter que admitir os próprios erros?

      “Porém, entretanto, todavia, caso antes de batizar-se a pessoa já tenha lido e se informado sobre a doutrina adventista estando consciente, sem ter quaisquer dúvidas, de que não crê no dom profético da Sra. Ellen White, poderá batizar-se na IASD? Essa INDAGAÇÃO CENTRAL não foi abordada pelo Sr. Leandro Quadros. Se o Sr. agisse com sinceridade buscaria responder esta questão! Contudo Eu respondo: claro que não. E isso, mesmo que a pessoa creia no dom profético bíblico!”

      Terei que ser contundente, portanto aceite bem minha crítica:

      O que o amigo considera não crer no dom profético da Sra. Ellen White?

      Nosso debate se deu em torno de questionar se uma pessoa que aceita TODAS AS DOUTRINAS da igreja adventistas, poderia se batizar mesmo não crendo única e exclusivemamente que Ellen White tinha o DOM PROFÉTICO.

      Entretanto o amigo têm demonstrado saber a resposta, porém, manipula a questão de forma a transparecer que não se crê no DOM DE PROFECIA ATRAVÉS DO ESPÍRITO SANTO, ou seja, NO ESPÍRITO DE PROFECIA.


      Uma coisa é não crer exclusivamente que Ellen White tivesse o dom de profecia. Outra coisa é não crer no dom de profecia.

      Portanto, o amigo é quem não deve se fazer de desentendido, procurando manipular questionamentos a fim de obrigar um porta-voz a dar-lhe obrigatóriamente um NÃO como resposta, sob o sacrifício da sinceridade no questionamento.

      (...)

      Excluir
    28. Já havia relatado-lhe que quando me batizei, cria que Ellen White era apenas uma escritora. Entretanto aceitei a crença no Espírito de Profecia (dom profético através do Espírito Santo). Portanto mesmo não direcionando esta crença à pessoa de Ellen White, fui batizado com muito gosto. Hoje reconheço o dom profético de Ellen White. Porém mesmo que não tivesse adquirido esta crença, o fato de aceitar as mesmas doutrinas pregadas por ela é suficiente para evitar desarmonia dentro da igreja.

      Não entendeu?

      Ellen White é tomado como EXEMPLO do tipo de dom profético que os adventistas ACREDITAM, apenas como referência. Portanto ninguém é obrigado a crer em Ellen White, mas sim no tipo de Dom Profético que ela demonstrou, o de revelação através do Espírito Santo, o Espírito de Profecia.

      Por isto a crença diz que se Crê no Espírito de Profecia, citando como exemplo Ellen White, que não é só um exemplo, mas uma referência. Se o amigo não deseja utilizar Ellen White como referência tudo bem, desde que também não use como referência outras formas de manifestações que não são bíblicas.

      A questão é bem simples, a pessoa crê no Espírito Santo?
      A pessoa crê que o Espírito Santo nos dá revelações através de profecias?

      Respondendo sim à ambas as perguntas, a pessoa crê no Espírito de Profecia, portanto será batizada!

      Mas e a forma de manifestação?

      Como referência os adventistas usam Ellen White e não Allan Kardec, nem Joseph Smith, nem Maomé.

      A pessoa tem dúvidas quanto à Ellen White ser um exemplo de pessoa atendida com o verdadeiro Espírito de Profecia?

      Não tem problema, comprometa-se a respeitar a crença dos demais, estude e acabará aceitando. Se ao final ainda decidir não aceitar, será respeitado assim como têm respeitado os que aceitaram.

      O perigo de quem não aceita o tipo de Espírito manifestado no ministério de Ellen White é que correm o risco de acabar aceitando outros tipos de manifestações espirituais, como do espiritismo por exemplo. Daí a pessoa começa a acreditar em consciência após a morte, depois passa a acreditar que existe vida após a morte onde a alma deixa o corpo e vai para o céu. Começa a acreditar que espíritos desencarnados também dão revelações às pessoas. Daí surge a apostasia. O próprio Espiritismo se coloca no lugar do Espírito de Profecia, no mesmo versículo que a Igreja Adventista utiliza para justificar o dom de Ellen White.

      Muitos hoje se consideram “ex-adventistas” por terem freqüentando a Igreja Adventista levando consigo crenças em revelações espirituais, aquém daquele descrito na bíblia que é o Espírito de Profecia, ou seja o Espírito Santo atuando através do dom profético. Portanto jamais aceitaram as revelações de Ellen White, por isto a rejeitaram, justamente por contradizer muitas de suas crenças.

      (...)

      Excluir
    29. SOBRE:

      “O Sr. sabe muito bem, ou se faz de desentendido, que a doutrina fundamental nº 18 da IASD refere-se não só ao dom profético bíblico, mas também ao dom profético da Sr. Ellen White!”

      A crença é no DOM DE PROFECIA, o exemplo é Ellen White. Portanto Ellen White é uma referência do verdadeiro caráter profético. Vide:

      “Capítulo 18 - O Dom de Profecia

      Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é uma característica da Igreja remanescente e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade e proporcionam conforto, orientação, instrução e correção à Igreja. Eles também tornam claro que a Bíblia é a norma pela qual deve ser provado todo o ensino e experiência. Razões Bíblicas|Joel 2:28 e 29; Atos 2:14-21; Heb. 1:1-3; Apoc. 12-17; 19:10”


      A pergunta batismal é se a pessoa crê no Espírito de Profecia (Apocalipse 19:10).

      Portanto a questão é clara. Se a pessoa crê no que está escrito em Apocalipse 19:10, será batizada. Agora se a pessoa não acredita que os Adventistas têm o testemunho de Jesus, está fazendo o que tentando se batizar nela? Melhor que procure uma igreja a qual julgue ter o verdadeiro testemunho de Jesus.

      Testemunho é o que dizemos e o que pregamos, se uma pessoa julga que nossas palavras não são condizentes com a verdade, que motivos esta pessoa teria para estar entre nós?

      Portanto aceitar a doutrina 18 implica em aceitar a Igreja Adventista como a Igreja Verdadeira. Ellen White é apenas um detalhe, o meio pelo qual o testemunho de Jesus foi revelado à nossa igreja, guiando-nos a estar em harmonia com a bíblia.

      O amigo entendeu agora? Ou terei que desenhar? Creio que não deixei passar nenhum detalhe importante desta vez. Portanto não cabe argumentar, é uma questão da pessoa aceitar a própria Igreja Adventista como ela é ou não.

      SOBRE:

      “Portanto se um pastor da IASD vier a deixar de crer que a Sra. Ellen White foi uma profetiza, apesar de crer no dom profético bíblico, deverá deixar sua função. Pois para a IASD não basta crer no dom profético bíblico, é necessário também crer no dom profético da Sra. Ellen White. Vide Doutrina fundamental nº18.”

      Isto é uma mentira! Não acredita? Cristão livre me perguntou o porque de uma certa pessoa não ter sofrido aquilo que o amigo afirmou “aí em cima” mesmo pregando abertamente contra o dom profético de Ellen White. Os próprios amigos mostram evidências de que o que dizem não condiz com a verdade. Sugiro então que conversem e entrem em um consenso, para que pelo menos deixem parecer que saibam o que estão dizendo quando forem proferir as próximas afirmações sem fundamentos.

      (...)

      Excluir
    30. “Por que esconder a verdade? Daí que a INDAGAÇÃO CENTRAL mencionada “espertamente” não foi abordada pelo Sr. Leandro Quadros. Por que será?
      Agora é estranho que seguidamente lhe expliquei a minha INDAGAÇÃO CENTRAL e seguidamente o Sr. se faz por CONVENIÊNCIA de desentendido. Por isso não vejo sinceridade do Sr. no esclarecimento.”

      Então vamos lá, mostre-me uma única pessoa que tenha sido impedida de se batizar por não crer no dom de Ellen White, embora creia no Dom de Profecia bíblico. Pode ser qualquer coisa, um relato, um vídeo, um documentário, uma “anotação em um guardanapo de papel”, enfim qualquer coisa! O amigo consegue me apresentar?

      Vou facilitar, nas dezenas, senão centenas, senão milhares de testemunhos (postei algumas dezenas em meu blog) onde as pessoas se batizam na IASD, mostre-me um único onde a pessoa é obrigada a crer sumariamente em Ellen White antes de se batizar.

      Vou facilitar ainda mais, me indique uma pessoa que vossa pessoa tenha conhecimento, que tenha sido impedida de se batizar, por causa da questão da tal doutrina 18.

      Vou facilitar mais ainda, antes do batismo as pessoas recebem uma ficha onde as pessoas marcam as crenças que ela possui. Me envie uma fotocópia, ou scanner, ou fotografia tirada por celular de uma pessoa que tenha sido impedida de ser batizada ao marcar que não crê que Ellen White tinha o dom de profecia.

      Vamos facilitar ainda mais? Procure uma pessoa que nunca, jamais tenha lido um livro de Ellen White até o dia de batismo e que tenha sido impedida de batizar.

      Vamos tornar isto ainda mais fácil. Me mostre algum satanista que odiasse a bíblia e nem conhecesse o Espírito de Profecia, e que em um momento de lucidez ao pedir para ser batizado tenha recebido uma negativa.

      Se o amigo não me mostrar este último caso eu lhe mostro um testemunho onde uma pessoa nestas condições foi batizado imediatamente!

      Ao contrário do que o amigo diz, batizar-se na Igreja Adventista é muito mais fácil do que se imagina. Até mesmo o próprio amigo, na condição em que está, se em um momento decidir fazer parte do seio adventista, será feita a pergunta que se tornou comum fazer nas pregações nestes últimos dias:

      Quem deseja se batizar ESTA SEMANA? Não importa o dia! Quem desejar se batizar fique de pé e venha aqui para frente!

      Posso até ouvir o pastor Luiz Gonçalves dizendo: O amigo não crê em Ellen White? Não importa, venha aqui para frente, eu quero orar com você?

      “Que bom seria Sr. Adventista que uma resposta oficial da IASD fosse dada do seguinte modo:”

      Resposta? A IASD não anda trabalhando muito com resposta (nestes casos em específico). A pergunta é, o amigo quer ser batizado? Deseja, do fundo do seu coração, ser batizado. Quer entregar seu coração a Jesus? Então será batizado!

      (...)

      Excluir
    31. SOBRE:
      “É essa a resposta pelo menos que sempre imaginei ser dada pela IASD, prezado irmão Sr. Adventista!
      Será que ela é possível”

      Sim, é perfeitamente possível, a pessoa abrindo seu coração e desejando realmente fazer parte da família adventista e amando a Jesus com toda as suas forças, será batizado.

      Veja uma síntese do proceder nas singelas palavras de Ellen White.

      “Essas pessoas não devem ser privadas dos benefícios e privilégios da igreja, se no demais sua conduta cristã é correta e têm um bom caráter cristão....

      Alguns, foi-me mostrado, poderiam receber as visões publicadas, julgando a árvore pelos seus frutos [caso comum à maioria dos batizandos]. Outros são como o duvidoso Tomé; não podem crer nos Testemunhos publicados, nem receber evidências através do testemunho de outros, mas precisam ver e ter evidências por si mesmos [este foi o meu caso]. Estes não devem por isso ser postos de lado, mas deve ser exercida para com eles longa paciência e amor fraternal até que tomem posição e assumam opinião definida contra ou a favor. Se, porém, passarem a combater as visões, das quais não têm nenhum conhecimento; se levarem a sua oposição ao ponto de opor-se àquilo em que não têm nenhuma experiência, e se sentirem contrariados quando aqueles que crêem que essas visões são de Deus falarem delas nas reuniões, e se os confortarem com a instrução dada através delas, a igreja pode saber que eles não estão certos" - (Testemunhos Para a Igreja , vol. 1, p. 328).”

      Ellen White disse uma verdade e sou testemunha disto. Embora eu visse, com olhos tortos, a comparação dos escritos de Ellen White como sendo obra do Espírito de Profecia, eu era ao mesmo tempo confortado com as instruções dadas através de seus escritos, especialmente pelo livro Caminho a Cristo. Portanto eu não estava certo em me sentir contrariado.


      SOBRE:
      “Porque V.Sa. afirmou erradamente que ele (Canright) voltou à Igreja e fez uma pergunta que mostrou o grau de seu desconhecimento.”

      Me desculpe, mas acaso o amigo é cego? Não leu o que lhe escrevi? Colocarei novamente:

      “E 1882, se novo colapso em sua vida religiosa. Novo abandono da obra. Foi para Oswebo, Michigan. Ficou 3 anos fora do movimento, e dizia que não tina mais fé nas nossas doutrinas. Incriminava a Sra. White. Em 1884 asistiu à grande reunião campal em Jackson, Michigan, e sabiamente declarou VOLTAR PARA A IGREJA ADVENTISTA, fazendo a sua conhecida confissão perante mil pessoas. Confessou-se ARREPENDIDO por ter julgado mal a Sra. White. Penitenciou-se de seus pecados e erros e, em termos fervorosos e candentes, proclama a sua nova conversão e o desejo de NUNCA MAIS SE APARTAR do povo do Advento" (Subtilezas do Erro, pág 26)

      (...)

      Excluir
    32. O amigo me pergunta se li seu livro. Acaso seu livro conta a história deste saindo da igreja e retornando? O amigo não está raciocinando perfeitamente, e está a exigir coisas sem sentido. Desde quando eu conheceria história de Canright em seu livro? O livro de Canright está descrito em seu livro? De onde o amigo tirou isto?

      Vejo que o amigo sequer leu o livro que me recomendou, no qual encontrei confirmações daquilo que obtive em pesquisa, vou repetir minha afirmação no comentário anterior:

      “Creio que com o próprio livro recomendado pelo amigo, ao qual postei neste comentário, não restará dúvida alguma quanto ao assunto de arrependimento e reconciliação com a igreja, conforme comentei anteriormente. Qualquer coisa, leia o livro que o amigo recomendou.”

      E o amigo está SE FAZENDO DE DESENTENDIDO, fingindo que não leu minha resposta ao perguntar:

      “Outro exemplo de seu procedimento errado é que o Sr. sequer leu o livro de Carenhit sobre o qual fez críticas e pelo que escreveu não leu também o livro de Walter Reá.”


      O amigo já obteve a resposta e finge que não, veja, colocarei-a novamente:

      “Quanto à Canright, li sobre sua verdadeira história, NÃO ATRAVÉS DE SEUS LIVROS, mas do acervo adventista, conforme o amigo deduziu, e pelo livro que o amigo recomendou “subtilezas do erro” não perdi nada, deixando de ler suas obras de constante apostasia e reconciliação.

      Como o amigo bem sabe não sou adepto de ler opiniões de terceiros. Prefiro ir direto à fontes primárias, saber sobre a vida de cada um e pode apostar que o acervo contido no arquivo adventista é riquíssimo.”

      A história de Canright e suas recaídas não estão contidas em seus livros, é preciso buscar em fontes históricas. O amigo não leu coisa alguma, por isto fala de coisas que não conhece. Por isto me julga falsamente. Exemplo disto é que me recomenda um livro que sequer leu onde consta exatamente a conclusão que eu havia lhe passado. Canright se arrependeu e voltou a fazer as pazes com o adventismo, POR VÁRIAS VEZES. Portanto não atribua a mim vosso desinteresse em pesquisar a verdade.

      Pessoalmente não me interesso em estudar os livros de Walter Rea ou Canright, o que me interessa é saber a verdade e sei que tais livros não contém a verdade, mas distorções. A verdade encontro quando leio as críticas na fonte, nos escritos originais, nas fontes primárias, então percebo nos livros deste tipo de autores, distorções, de meias verdades misturadas com muita mentira. Pode apostar que não perderei meu tempo lendo Canright, porque li sua cópia através de Walter Rea, e segundo o livro que me recomendou “Subtilezas do Erro” Canright era um autor “indeciso” que hora amava o adventismo e hora odiava. Isto me parece mais um conflito de personalidade. Já li Kafka, portanto, já tive minha dose necessária de compreensão da realidade destas pessoas.

      (...)

      Excluir
    33. SOBRE:
      “Por isso repito que comentou sobre o que não leu, baseando-se em comentários de sexteiros, que leram de quinteiros, que leram de quarteiros, que leram de terceiros.”

      Caro amigo, as fontes primárias, tanto do livro de Walter Rea, quanto de Canright são os livros de Ellen White e as doutrinas adventistas. Uma coisa é fazer um estudo sobre Ellen White e as doutrinas adventistas em cima do livro de Walter Rea. Outra coisa é fazer estudos em fontes primárias e COMPARAR com as afirmações deste crítico.

      Outra coisa é ler o livro de Canright, procurando encontrar detalhes sobre sua vida (quem o fez deu com os “burros n’água”, seu livro não trata disto), outra coisa é buscar informações em livros confiáveis como o tal “Subtilezas do Erro” que o próprio amigo recomendou. O próprio amigo disse que eu deveria ler tal livro e DVDs e coisas do tipo para saber a verdade. Agora o amigo, desconsertado, me critica porque percebeu que minhas pesquisas estão exatamente de acordo com o que está contido no livro que o PRÓPRIO AMIGO me recomendou. Minhas pesquisas foram confiáveis afinal, minhas fontes também, não concorda? Busquei no lugar certo conhecer sobre a vida do dito autor.


      SOBRE:
      “O Sr. afirmou que o livro de Christianini coincide com sua pesquisa. Como pode isso criatura de Deus, quando os comentários que o autor faz sobre o final da vida de Canright desmentem o que o Sr. afirmou, deste ter voltado para a igreja? Por aí se vê a sua contradição!”

      Quanta ignorância! Faça o seguinte, abra o livro “Subtilezas do Erro” e leia a página 26.

      Será eu quem tenho a mania de recomendar literaturas sem ler coisa alguma?

      O amigo um dia me recomendou ler Walter Rea. Lhe pergunto se o amigo leu!
      O amigo um dia me recomendou ler Ramik. Lhe pergunto se o amigo leu!
      O amigo um dia me recomendou ler Veltman. Lhe pergunto se o amigo leu!
      O amigo agora exige que eu leia Canright. Lhe pergunto se o amigo leu! (eu não vou ler! A menos que o amigo leia e me questione sobre o livro, pois não tenho interesse algum em ler “porcarias”)

      Tudo o que o amigo sabe dizer é que li rápido demais! Por que será hein?
      Estou lendo rápido demais, ou o amigo é quem está lendo muito lentamente? Ou será que o amigo sequer leu nem se preocupa em ler os livros que utiliza como base de vossos argumentos? Estando apenas re-copiando opiniões construídas por terceiros em cima destes livros?

      Sobre os tais professores, não seria trabalho algum passar-nos o e-mail destes, afinal devo conversar com tais professores, uma vez que teriam dado uma resposta errada para o amigo. E tenho uma idéia, poderei debater com tais professores (específicamente os que lhe deram a resposta) e transformar o diálogo em um artigo. Portanto se o amigo é realmente honesto em relação ao que diz, irá me passar o e-mail de tais professores que lhe mandaram a resposta e deixará de enrolar, tentando tirar-se da reta me mandando fazer perguntas à Academia. Quero conversar com OS professores que lhe deram a resposta, estes sim tem responsabilidade pelo que afirmaram.

      Atenciosamente.

      Excluir
    34. Sr.Adventista, boa noite.

      Estou sem tempo por esses dias.

      Desde já digo que o Sr. está faltando de forma descarada com a verdade, é tendencioso, não dá informações confiáveis, nega o que escreve, faz perguntas para desviar-se dos questionamentos, não lê sequer o livro dos autores que crítica - "belo crítico que o Sr. é"!

      Basta para V.Sa. ler o que um autor adventista escreve da obra de alguém para o Sr., sem ter lido o livro e a obra, já forme sua opinião. Fazer isso não é honesto! Que seriedade o Sr. possui? Nenhuma! Mostra apenas que é parcial, tendencioso e se teleguia pelo pensamento de autores adventistas!

      Muito reprovável e lamentável a “sua forma "Sr. Adventistiana”

      É por isso que não é um pesquisador! É sim um torcedor apaixonado dos mais fanáticos!

      Sua informação falsa ratifico não bate com o livro Subtilezas do Erro; e quanto ao "dom profético da Sra. Ellen White," sequer com a resposta da Novo Tempo que possuo!, como irei mostrar. Como acreditar no Sr?

      Por aí se nota que o Sr., desculpe-me, não é confiável mesmo no que escreve!

      É por isso que afirmei que o Sr. conhece das obras dos autores a quem crítica usando da opinião de sexteiros e quinteiros.... bem o Sr. já sabe....

      É muito triste sua conduta!

      Porém aguarde que irei respondê-lo o mais breve que puder.

      Att.

      Anônimo X.

      Excluir
    35. Sr. Adventista, boa tarde.

      O Sr. fez afirmações que me surpreenderam, vamos a elas:

      "Já havia relatado-lhe que quando me batizei, cria que Ellen White era apenas uma escritora. Entretanto aceitei a crença no Espírito de Profecia (dom profético através do Espírito Santo). Portanto mesmo não direcionando esta crença à pessoa de Ellen White, fui batizado com muito gosto. Hoje reconheço o dom profético de Ellen White. Porém mesmo que não tivesse adquirido esta crença, o fato de aceitar as mesmas doutrinas pregadas por ela é suficiente para evitar desarmonia dentro da igreja."

      "Não entendeu?"

      RESPOSTA: Continuei não entendendo. V.Sa. afirmou que quando se batizou cria que Ellen White era apenas uma escritora. Até ainda não disse nada. Se tivesse se batizado crendo de forma convicta que a Sra. Ellen White não era uma profetiza. Aí sim entraria no que estou questionando.

      “Portanto aceitar a doutrina 18 implica em aceitar a Igreja Adventista como a Igreja Verdadeira. Ellen White é apenas um detalhe, o meio pelo qual o testemunho de Jesus foi revelado à nossa igreja, guiando-nos a estar em harmonia com a bíblia.”

      “O amigo entendeu agora? Ou terei que desenhar? Creio que não deixei passar nenhum detalhe importante desta vez. Portanto não cabe argumentar, é uma questão da pessoa aceitar a própria Igreja Adventista como ela é ou não.”

      RESPOSTA: Continuei não entendendo. O Sr. afirmou que Ellen White é só um detalhe e depois afirmou que é uma questão da pessoa aceitar a IASD como ela é. Mas como pode ser isto? Se a IASD, caso não aceite o ministério profético da Sra. Ellen White, perderia a característica de ser uma Igreja profética? Explica isso!

      Escrevi o seguinte: Portanto se um pastor da IASD vier a deixar de crer que a Sra. Ellen White foi uma profetiza, apesar de crer no dom profético bíblico, deverá deixar sua função. Pois para a IASD não basta crer no dom profético bíblico, é necessário também crer no dom profético da Sra. Ellen White. Vide Doutrina fundamental nº18.”

      O Sr. redargüiu do seguinte modo:
      Isto é uma mentira!

      RERSPOSTA: Para ser um inverdade, o Sr. então precisa responder as seguintes perguntas. A) Se o pastor da IASD deixar de crer somente e unicamente no dom profético da Sra. Ellen White poderá continuar a exercer a sua função sacerdotal na IASD? B) Basta responder: Sim ou não? Não há necessidade de escrever páginas e mais páginas! Basta o Sr. ser objetivo e responder sim ou não! Senti falta de uma resposta objetiva.

      Continua

      Excluir
    36. Continua

      O Sr. escreveu, escreveu, fez perguntas, mas continua a não responder à QUESTÃO CENTRAL. Estou sendo sincero no meu questionamento!

      Vou perguntar de forma objetiva: A) O batizando de forma consciente e sem ter quaisquer dúvidas que não crer no dom profético da Sra. Ellen poderá batizar-se na IASD?

      Obs: Basta ao Sr. somente responder Sim ou não! Não há necessidade de escrever páginas e páginas! Espero que o Sr. responda dessa vez. Respondendo me darei por satisfeito!

      O Sr. afirmou ainda o seguinte:

      “Ao contrário do que o amigo diz, batizar-se na Igreja Adventista é muito mais fácil do que se imagina. Até mesmo o próprio amigo, na condição em que está, se em um momento decidir fazer parte do seio adventista, será feita a pergunta que se tornou comum fazer nas pregações nestes últimos dias:

      “Quem deseja se batizar ESTA SEMANA? Não importa o dia! Quem desejar se batizar fique de pé e venha aqui para frente!”

      PERGUNTA: O Sr. afirmou algo muito sério que até muda a minha concepção sobre a IASD. Quer dizer que se eu disser dentro da IGREJA, diante de DEUS, o seguinte – e acredite que diria - para o pastor: - Pastor já li diversos e diversos livros da IASD e da Sra. Ellen White e estou bem familiarizado com a doutrina da IASD, mas não creio no dom profético da Sra. Ellen White, pois entendo que ela cometeu alguns erros bíblicos. Estou convencido e convicto disto e não mudarei minha opinião!

      Quero deixar claro que acredito no dom profético bíblico e no amor de Jesus, mas não creio de forma consciente que a Sra. Ellen foi uma profetiza. Ainda assim poderei me rebatizar na IASD, se prometer não entrar em contenda e respeitar a crença de meus irmãos de fé?

      Olha que o Sr. está fazendo uma afirmação implícita muito séria! Que implica numa mudança inclusive do meu pensamento sobre a IASD. Por isso Gostaria muito que me respondesse esta questão de forma objeetivva.!

      Diante da pergunta que aguardo, me abstenho inclusive de fazer quaisquer outros comentários, pois passaram a ser irrelevantes.

      Se o Sr. me surpreender com a resposta e depois de confirmar isso oficialmente de um órgão oficial da IASD, seria capaz de pedir perdão à DEUS, à IGREJA e aos membros.

      Seria uma surpresa agradável saber que estou errado.

      Atenciosamente.

      Anônimo X.

      Excluir
    37. Obs: estou com problema no teclado.

      Ficarei aguardando a resposta.

      Att.

      Anônimo X.

      Excluir
    38. Sr. Adventista, bom dia.

      Continuo aguardando sua resposta.

      Atenciosamente.

      Anônimo X,

      Excluir
    39. "Bem o amigo disse muitas verdades:

      Sou um torcedor apaixonado do cristianismo, o qual encontro em vários lugares mas principalmente no adventismo.

      E hoje creio no Espírito de Profecia.

      Também não estudo nem faço questão de estudar obras apologéticas de péssima qualidade, sempre disse que prefiro fontes primárias. Sendo adventista torna-se fácil encontrar informação SOBRE OS ADVENTISTAS dentro do próprio adventismo. Como Canright era um “inconstante adventista” entrava e saia a todo tempo, há muita informação sobre ele conforme o amigo poderá notar se decidir ler o livro que me recomendou (deveria ler os livros que recomenda).

      E porque eu deveria conhecer as obras dos que criticam o adventismo? Ora conheço o adventismo, portanto não necessito de tais obras. Se posso procurar diretamente nos arquivos adventistas, por que procuraria os livros de Walter Rea por exemplo?

      Até mesmo as informações que Walter Rea obteve para compor seu livro foram “surrupiadas” do arquivo adventista. Por que então utilizar seu livro, fonte de terceiro se hoje podemos ter acesso, de forma lícita, às mesmas fontes primárias que este utilizou para compor seu livro?

      “É por isso que afirmei que o Sr. conhece das obras dos autores a quem crítica usando da opinião de sexteiros e quinteiros.... bem o Sr. já sabe....”

      Meu amigo, a opinião adventista não é uma fonte de terceiro, mas fonte primária! O amigo deve estar com algum problema de entendimento. Não estou usando fontes de terceiros nem “sexteiros”, mas do próprio adventismo. Todo o assunto e todas as críticas são relacionadas ao adventismo, portanto qualquer conteúdo que eu utilizar que provenha de um porta-voz ou livro reconhecido adventista é uma fonte primária.

      Somente quando viermos a tratar de doutrinas que não são adventistas em que eu utilizar opinião adventista ao invés de porta-vozes da igreja a qual estamos debatendo é que o amigo poderá considerar como sendo fonte de terceiros.

      E Walter Rea conheceu as acusações de Canright através do arquivo adventista. Apenas tratou de não citar seu nome na introdução de seu livro, mas dê uma olhada nas fontes bibliográficas! Percebe que está tudo lá? Vários estudos e arquivo das acusações feitas por Canright na época? Portanto esta questão de Walter Rea ter reaproveitado as acusações de Canright sequer é discutível. O amigo levanta esta questão por não conhecer os fatos reais por trás da história de Walter Rea bem como de Canright, mas todos estes foram adventistas e possuem registros nos arquivos, portanto não há melhor lugar para se encontrar registros sobre tais pessoas.


      “Continuei não entendendo. V.Sa. afirmou que quando se batizou cria que Ellen White era apenas uma escritora. Até ainda não disse nada. Se tivesse se batizado crendo de forma convicta que a Sra. Ellen White não era uma profetiza. Aí sim entraria no que estou questionando.”

      E qual seria a diferença entre crer que Ellen White era APENAS uma escritora ou crer que Ellen White não era uma profetiza? Ora se você crê que não era nada além de uma escritora, logo, crê que não era uma profetiza, mas tão somente uma escritora.
      "

      (...)

      Excluir
    40. Agora se o amigo está na verdade perguntando se uma pessoa como, por exemplo, o Sr. Adailton que não “crê de forma convicta” (eufemismo) em Ellen White, no estado em que se encontra, se este poderia se batizar, eu diria que não. Teria primeiro que resolver essa amargura contra a profetiza antes de se batizar para não ter uma recaída e acabar prejudicando a harmonia da igreja, nem os demais membros que crêem no Dom profético de Ellen White (conforme dito pelo Prof. Leandro Quadros).

      Esta pessoa seria muito infeliz dentro do adventismo, tendo que ouvir, nos acampamentos, outros membros falarem maravilhas de Ellen White e como seus livros influenciaram positivamente suas vidas, tendo que segurar toda sua armagura e não proferir palavra alguma que fira a moral e a consciência dos que reconhecem Ellen White, assim como a própria igreja, como uma verdadeira profetiza. Os almoços naturais da Sra. White também lhe pareceriam indigestos, sem falar nas conversas sobre a perseguição, as profecias de Daniel e do Apocalipse, os eventos finais e outros assuntos que lhe pareceriam muito enfadonhos.

      Seria isto que o amigo desejava saber?

      Mas suponha que este deixe de odiar a Ellen White e abandone as doutrinas espíritas e pagãs e aceite as doutrinas da igreja e passasse a manifestar um bom caráter cristão. Logicamente não haveria impedimento para seu batismo, mesmo se ainda não aceitasse a pessoa de Ellen White, desde que não rejeitasse também a existência do dom profético. O que não pode é a pessoa querer fazer parte do adventismo levando consigo todo o seu ódio de forma a querer “combater convictamente” a boa imagem de Ellen White diante os demais irmãos da igreja. Ou dizer que profecia é coisa de demônios. Esta pessoa deverá se comportar.

      O amigo entendeu agora?


      SOBRE:
      “A) Se o pastor da IASD deixar de crer somente e unicamente no dom profético da Sra. Ellen White poderá continuar a exercer a sua função sacerdotal na IASD?”

      Pergunte ao amigo Cristão Livre, ele lhe responderá, com um caso bem interessante.

      Em verdade desde que assim como os demais membros que não crêem no dom profético de Ellen White, se este não trabalhar contra a crença dos demais membro, não vejo o porque de não continuar a exercer sua função sacerdotal.

      Afinal nas pregações o pastor utiliza a bíblia. Não abrimos os livros de Ellen White no cultos. Todos os argumentos são construídos à partir da bíblia. Portanto o fato de um pastor crer ou não no dom de Ellen White é irrelevante para seu cargo, desde que não anule sua fé também nos profetas bíblicos.

      Mas geralmente um pastor deixa de crer em Ellen White quando passa a crer em doutrinas que vão contra as defendidas da igreja, como, da imortalidade da alma, passa a transgredir o sábado.

      Portanto a disciplina se dá em questões doutrinárias e não tem nada a ver com o fato da pessoa crer ou descrer em Ellen White. Agora o que um pastor não pode é transgredir deliberadamente um sábado por exemplo alegando uma descrença em Ellen White, porque as doutrinas são elaboradas à partir da bíblia (os livros de Ellen White nem existiam quando a Igreja e suas doutrinas foram criadas).

      (...)

      Excluir
    41. Um pastor não será afastado por sua descrença. Um pastor pode até reconhecer que esteja passando por crise espiritual e esteja deixando de crer no próprio Deus que não será disciplinado. A disciplina se dá diante de uma transgressão grave, de um ato deliberado e consciente.

      SOBRE:
      “Pastor já li diversos e diversos livros da IASD e da Sra. Ellen White e estou bem familiarizado com a doutrina da IASD, mas não creio no dom profético da Sra. Ellen White, pois entendo que ela cometeu alguns erros bíblicos. Estou convencido e convicto disto e não mudarei minha opinião!

      Quero deixar claro que acredito no dom profético bíblico e no amor de Jesus, mas não creio de forma consciente que a Sra. Ellen foi uma profetiza. Ainda assim poderei me rebatizar na IASD, se prometer não entrar em contenda e respeitar a crença de meus irmãos de fé?

      Olha que o Sr. está fazendo uma afirmação implícita muito séria! Que implica numa mudança inclusive do meu pensamento sobre a IASD. Por isso Gostaria muito que me respondesse esta questão de forma objeetivva.!”

      Faça um estudo bíblico na igreja, abra seu coração a um pastor, fale de vossa convicção mas aceite receber um estudo sobre o Espírito de Profecia para tirar suas dúvidas, mostre-se propenso a ouvir, guarde o sábado e quando um pastor em um culto perguntar quem deseja ser batizado naquela semana, levante a mão. Se o Espírito Santo lhe tocar, irá à frente e será batizado.

      Mas se o Espírito Santo não lhe tocar e não sentir que aquela é a igreja verdadeira, e não sentir que aquele povo é diferente, não deverá se batizar. Pois não se firmará na verdade e sucumbirá e sofrerá.

      Abri mão do meu EU e fui bem recebido. Se o amigo também estiver disposto a abrir mão, também o será. Muitos adventistas hoje não crêem de forma convicta no dom de Ellen White, mas a respeitam e a consideram uma sábia mulher. Também, li tão somente uma de suas obras inteiras, quem garante que ao ler todas não deixarei de acreditar? Mas creio que não porque de minha experiência, o próprio Jesus me guiou a um de seus livros, e o utilizou para falar sobre SI mesmo, por onde aceitei a mensagem do evangelho e ganhei uma família.

      Excluir
    42. Sr. Adventista, bom dia.

      O Sr. errou gravemente numa coisa, pois ao contrário de V.Sa, leio todos os livros que recomendo e sobre os quais faço comentários.

      Saiba que não tenho preconceito a ler pensamentos contrários ao que acredito.

      Considero falta de seriedade e nem levo à serio quem critica as obras dos outro sem sequer a ter lido. Um livro, ou ideia que é questionada, por exemplo, como o livro de Canright.

      Como pode alguém acusar Reá de fazer plágio do livro Canright, sem sequer ter lido o livro Canright? Foi o seu caso! O Sr. afirmou que não o lerá. Tudo bem. Mas veja bem que não posso levá-lo à sério. Pois demonstrou que fez comentários sobre o que não leu.

      Foi por isso que afirmei que o Sr. se vale da opinião de outras pessoas favoráveis ao que lhe agrada. Eles podem até ter lido a obra. Mas o Sr. náo leu!

      Em relação ao que comentou farei uma consulta oficial, pois a meu ver suas informações estão erradas.

      Contudo esperemos a resposta oficial.

      Um abraço.

      Anônimo X.

      Excluir
    43. Obs: continuo com problemas no teclado.

      Excluir
    44. Creio que o amigo seja o único que não entendeu, pois bem prossigamos calmamente:

      a) Como eu conheceria sobre a vida, hábito e atitudes de Canright através de seu livro? Seus livros falam disso?

      b) Acaso no livro de Canright teria alguma coisa dizendo que Walter Rea o plagiou? Sendo que seu livro é anteriora a Walter Rea?

      c) De que modo eu conheceria sobre os plágios de Walter Rea através dos livros de Canright?

      Não há como se saber isto, lendo os livros de Canright.

      Fato 1:

      Canright foi quem inicialmente acusou Ellen White de plágio.

      Logo, Walter Rea não poderia ter sido o autor original das acusações.

      Fato 2:

      Walter Rea em seu livro reconhece que seu conhecimento quanto aos supostos plágios de Ellen White se deu quando seu amigo "surrupiou" o arquivo da igreja.

      Fato 3:

      Walter Real reconhece que suas acusações possuem base nesses documentos, mas não cita o autor de tais documentos.

      Fato 4:

      Carnright está contido nas fontes bibliográficas do livro de Walter Rea.


      Fato 5:

      Comprova-se que os documentos ao quais Walter Rea teve acesso eram mesmos referentes a Canright e suas acusações.

      Fato 6:

      O meio apologético crítico reconhece que as acusações de Walter Rea são fundamentadas nas antigas acusações de Canright.

      Fato 7:

      A Igreja Adventista também reconhece que as acusações de Walter Rea são fundamentadas nas antigas acusações de Canright.

      Fato 8:

      É de conhecimento público e não há tentativa nem preocupação de refutação alguma quanto a isto, de que Walter Rea reutilizou os mesmos argumentos apresentados por Canright.


      Pergunto ao amigo então que motivos eu teria para duvidar de que Walter Rea tenha de fato copiado as antigas acusações de Canright?

      De fato nenhuma, os fatos e as evidências são unânimes e inequívocas.

      E continuo a afirmar que o amigo não leu o tal livro que me recomendou, ou isto ou o amigo está agindo de ma fé. Ao afirmar que Canright não havia deixado a Igreja e depois, arrependido e retornado. Isto está bem claro no livro que o amigo me passou.

      Então estou mentido? Ou é o amigo que está agindo de ma fé? Ou o amigo sequer leu o livro?

      Prefiro acreditar que o amigo sequer leu o livro e está desinformado.

      Excluir
    45. Sr. Adventista, boa tarde.

      Seus comentários, desculpe-me, foram fraquíssimos e destituídos de lógica!
      Veja bem o que escreveu:

      “Acaso no livro de Canright teria alguma coisa dizendo que Walter Rea o plagiou? Sendo que seu livro é anterior a Walter Rea?”

      R: Claro que não. Claro que o livro de Canright é anterior ao de Walter Rea. Contudo para o Sr. afirmar que a Walter Rea plagiou Canright deve ler o livro do Sr. Canright! Agora se o Sr. não leu o livro de Canright, como teve a coragem de afirmar e/ou ficar repetindo o que ouviu ou leu de outras pessoas? Foi esse o questionamento que lhe fiz! BNão desvie do assunto!

      Por favor responda como pode o Sr. afirmar que Reá plagiou Canright, se não leu o livro deste último?

      Foi por isso que escrevi: como pode alguém acusar Reá de fazer plágio do livro de Canright, sem sequer ter lido o livro Canright? Esse foi o seu caso!

      O Sr. afirmou ainda que não o lerá. Tudo bem. Mas veja bem que por isso não posso levá-lo à sério. Pois demonstrou que fez comentários sobre o que não leu.

      Então por aí se vê que Sr. falta seguidamente e de forma descarada com a verdade! Pois fala do que não conhece e repete o que leu de outros!

      Portanto, conclui-se que o Sr. não leu o livro de nenhum dos dois autores! (Canright e Rea.)

      Leiamos ainda o que o Sr. escreveu:

      “Comprova-se que os documentos ao quais Walter Rea teve acesso eram mesmos referentes a Canright e suas acusações.”

      Fato 6:

      O meio apologético crítico reconhece que as acusações de Walter Rea são fundamentadas nas antigas acusações de Canright.

      Fato 7:

      A Igreja Adventista também reconhece que as acusações de Walter Rea são fundamentadas nas antigas acusações de Canright.

      Fato 8:

      É de conhecimento público e não há tentativa nem preocupação de refutação alguma quanto a isto, de que Walter Rea reutilizou os mesmos argumentos apresentados por Canright.

      R: Informações "oficiais" ou extra-oficiais de nada valem se o Sr. não ler diretamente na fonte primária.

      A fonte primária aqui é o que o próprio Canright escreveu e o Sr. ratifico, afirmou que não leu e nem interesse em ler.

      Os comentários que a IASD faz sobre Canright, não são fonte primária no sentido de saber o que está contido na obra dele! Só lendo esta fonte primária que o Sr. saberá o que lá está escrito! Acredito que pelo seu comportamento o Sr. mostra que não sabe sequer o que é fonte primária! Pois se souber o que é, fica em situação moral vergonhosa!

      A sua forma de proceder chama-se desonestidade intelectual. Por quê? Porque o Sr. nunca leu a obra dele (Canright ) e a rotula teleguiado pelo pensamento de sexteiros, quinteiros e quarteiros que talvez também não leram o que criticam.

      Os seus comentários mostram ainda que baseia-se na opinião dos outros, desde que seja favorável a sua ideologia religiosa!

      Portanto o Sr. não inspira nenhuma confiança intelectual e nem de pesquisador! Pois escreve sobre o que não conhece, nem leu.

      Fica difícil conversar com o Sr., pois não lê sequer o que critica! Prefere repetir o que ouviu ou leu de fonte não primária. Lamentável.

      Obs.1: Observei no Sr. a tática de se desviar do assunto do qual está sendo questionado, não cairei nessa. Por isso não perca seu tempo despistando e enrolando!

      Obs. 2: Em breve ou quando puder, espero poder mostrar sua incoerência no que escreve baseado em respostas de sua própria igreja.


      Att.


      Anônimo X.

      Excluir
    46. Meu amigo Anônimo X, o caro amigo acaba de dizer uma barbaridade sem tamanho. Que tipo de intelectual se coloca dependente de livros, sem a possibilidade de investigar os acontecimentos dentro de um contexto?

      O processo investigativo sempre deve ser utilizando ao analizar a vida de uma pessoa, e principalmente uma pesquisa investigativa deve ser feita.

      Que tipo de pessoa comete a barbaridade de tirar suas conclusões unicamente através das afirmações de um autor em seu livro?

      E o processo que utilizo raramente me leva a cometer o mínimo equívocos! Excelente prova disto é o fato de minhas afirmações terem caído como uma luva, no livro que o próprio amigo me indicou.

      No dia em que minhas opiniões basearem-se apenas no conteúdo de um livro eu deixaria meu raciocínio de lado e passaria apenas a utilizar do processo de leitura e comparação, cometendo o mesmíssimo erro de Walter Rea.

      Caso não saiba o que é um método investigativo, dê uma olhada em artigos relacionado a jornalismo.

      Assim como posso fazer uma defesa de Ellen White sem ler totalmente cada obra, também posso proceder da mesma forma com os livros dos críticos.

      O amigo pode então voltar a fita e ver suas afirmações parecidas com esta:

      "não daria tempo de você ter lido o livro";
      "o texto é muito grande para ter lido em tão pouco tempo";

      Então lhe pergunto como encontrei, no livro que me indicou, as afirmações que eu precisava para lhe provar que Canright se afastou do adventismo mas se arrependeu e retornou?

      O amigo então está desviando o foco de vossa GAFE porque o amigo é quem não leu o livro "Subtilezas do Erro" que me recomendou. Assim como não leu o Veltman Report que me indicou, e como demonstra não conhecer nada sobre a origem das afirmações de Walter Rea demonstra que também não leu a introdução do livro que relata a história do "amigo" que obteve ilicitamente conteúdos do arquivo adventista (sobre a antigas acusações de Carnright).

      E também não leu as referências bibliográficas em que constam o autor.

      A questão de Walter Rea ter reaproveitado as antigas acusações de Canright sequer é uma questão discutível, é um fato reconhecido por todas as partes, O adventismo, os críticos e o próprio Walter Rea (através de seu livro).

      Agora se o sonho do amigo é provar que não leio livros dos críticos, está perdendo seu tempo, já havia lhe dito com todas as letras que não leio tais livros, e se o faço é a contragosto, apenas quando necessito para fazer alguma defesa.

      E tenho lido muita coisa, do que é necessário para dar uma resposta. Quem dita os métodos de estudo que utilizo sou eu mesmo e não o amigo. Acostume-se!

      Se deseja me repreender, pelo menos espere até que eu faça alguma crítica que não seja imediatamente confirmada por um livro recomendado pelo amigo. Como foi com o Veltman Report, Ramik, e mais recentemente "Subtilezas do Erro".

      Nos dois primeiros já havia lhe dado um parecer, mesmo sem ter lido as obras, após a leitura lhe demonstrei que minhas conclusões estavam correta e todos eles consideraram que Ellen White não havia comentido plágio e que eles mesmos se comoveram ou tiveram suas vidas mudadas ao tentarem achar meios de condená-la.

      Portanto confie mais nos meus métodos de estudo investigativo, de fontes primárias e do vasto e confiável arquivo de documentos do adventismo.

      Atenciosamente.

      Excluir
    47. Prezado Senhor Adventidas, boa tarde.

      Vamos às suas palavras:


      “Meu amigo Anônimo X, o caro amigo acaba de dizer uma barbaridade sem tamanho. Que tipo de intelectual se coloca dependente de livros, sem a possibilidade de investigar os acontecimentos dentro de um contexto? “

      R: Não disse barbaridade alguma. Existem muitos intelectuais que fazem isso que perguntou-me, quando defendem interesses. O Sr. apesar de não ser intelectual, faz muito isso.
      Por outro lado, a questão do contexto histórico é importante. Porém dependendo da escola histórica ou do tipo de interpretação, a leitura muitas vezes não é a mesma. É tendenciosa, parcial ou mesmo que “não seja” é fruto da leitura e da interpretação que foi feita do chamado contexto histórico, social, político etc. Não seja ingênuo e/ou tendencioso!

      “O processo investigativo sempre deve ser utilizando ao analizar a vida de uma pessoa, e principalmente uma pesquisa investigativa deve ser feita”.

      R: Qual linha investigativa? Qual a metodologia correta? Ficou vago o que afirmou! O procedimento do Sr. está muito longe de ser uma investigação que busca a verdade ou saber realmente das coisas como elas se deram ou foram construídas!

      “Que tipo de pessoa comete a barbaridade de tirar suas conclusões unicamente através das afirmações de um autor em seu livro?”

      R: Muitas pessoas! O Sr. é dos tais! É o exemplo vivo do que me perguntou!

      “E o processo que utilizo raramente me leva a cometer o mínimo equívocos! Excelente prova disto é o fato de minhas afirmações terem caído como uma luva, no livro que o próprio amigo me indicou”.

      R: Nossa como o Sr. é inteligente! Historiadores, arqueólogos, pedagogos, e intelectuais de escol admitem que cometem muitos erros quando pesquisam! Quer dizer que raramente o Sr., que não é intelectual, comete erros? Fala sério! Pare de elogiar a si próprio Sr. Adventista! Não fica bem!
      Saiba que aa firmação do Sr. não é verdade! O processo praticado pelo Sr. não é pesquisa.
      Como poderia ser, se, por exemplo, o Sr. sequer leu a obra de Canright que tanto critica. O livro de Christianini não é fonte primária. Daí se vê que o Sr. não valoriza a fonte primária. Sequer lê a fonte primária, leia o livro do próprio autor, Canright, e não a opinião de terceiros.

      “No dia em que minhas opiniões basearem-se apenas no conteúdo de um livro eu deixaria meu raciocínio de lado e passaria apenas a utilizar do processo de leitura e comparação, cometendo o mesmíssimo erro de Walter Rea.”

      R: Suas opiniões baseiam-se na opinião da IASD. Só isso.

      “Caso não saiba o que é um método investigativo, dê uma olhada em artigos relacionado a jornalismo.”

      R: Creio que deveria seguir o conselho que me dá, uma vez que é profundamente tendencioso e não segue nenhum método científico acadêmico!

      “Assim como posso fazer uma defesa de Ellen White sem ler totalmente cada obra, também posso proceder da mesma forma com os livros dos críticos.”

      R: Diante da barbaridade que escreveu, repito que o Sr. não é um pesquisador, mas é um torcedor apaixonado e daqueles mais fanáticos. Quer dizer que nunca leu uma obra toda da Sr. Ellen White? Foi isso que quis dizer?

      “O amigo pode então voltar a fita e ver suas afirmações parecidas com esta:

      "não daria tempo de você ter lido o livro";
      "o texto é muito grande para ter lido em tão pouco tempo";


      Então lhe pergunto como encontrei, no livro que me indicou, as afirmações que eu precisava para lhe provar que Canright se afastou do adventismo mas se arrependeu e retornou?

      R: Estava questionando o seu triste procedimento de não ler o livro sobre o qual faz comentários. O Sr. se baseia na opinião de terceiros. Foi esse o meu questioanmento central que se confirmou!
      O Sr. é confuso, pois quando há informações de algum livro da IASD, que contrariam sua ideologia religiosa. Mesmo esta, da IASD, jamais será aceita por V.Sa., pois já estás com amente cauterizada!



      Continua.

      Excluir
    48. Continua

      “O amigo então está desviando o foco de vossa GAFE porque o amigo é quem não leu o livro "Subtilezas do Erro" que me recomendou. Assim como não leu o Veltman Report que me indicou, e como demonstra não conhecer nada sobre a origem das afirmações de Walter Rea demonstra que também não leu a introdução do livro que relata a história do "amigo" que obteve ilicitamente conteúdos do arquivo adventista (sobre a antigas acusações de Carnright).

      R: Não comenti GAFE alguma! O Sr. agora está mentindo descaradamente. Além de desviar o foco dos meus questionamentos. O Sr. pode continuar mentindo, ao dizer que não li os livros. Não me importo. Não cairei na sua tática de querer desviar-se dos questionamentos. Essa sua tática já foi usada em relação ao irmão Joel e ao Cristão Livre.
      O Sr. afirmou que Rea plagiou o que escreveu de Canright. Como sabe disto se não leu a obra de Canright? É isso que estou seguidamente questionando-o.

      Ainda que Walter Rea tivesse afirmado no livro dele que copiou tudo, tudo mesmo, todas as letras que escreveu, de Canright, como o Sr. tentou subliminarmente induzir, ainda assim o Sr. não poderia fazer tal afirmação e nem confiar, apenas exemplificando, na suposta afirmação de Rea.
      É isso que se chama investigar. O Sr. teria que primeiramente ler o livro de Canright e só depois de ler o livro de Rea, poderia, após comparar os dois livros, fazer tal afirmação.
      O Sr. baseia-se no que leu de terceiros. Viu!. O Sr. não é um pesquisador!

      “E também não leu as referências bibliográficas em que constam o autor.”

      R: Mais uma mentira descarada do Sr. Não cairei em sua tentativa de desviar-se dos questionamentos! Se quer mentir continue mentindo!

      “A questão de Walter Rea ter reaproveitado as antigas acusações de Canright sequer é uma questão discutível, é um fato reconhecido por todas as partes, O adventismo, os críticos e o próprio Walter Rea (através de seu livro)”

      R: Como não é discutível? Basta alguém querer debater e pronto. Quer dizer que Walter Rea reaproveitou as antigas acusações de Canright? Foi só isso que ele fez? O Sr. de forma subliminar procura induzir e depreciar autores que sequer leu. Isto é fácil quando faltam argumentos! O Sr. nada pode afirmar sobre o livro de Canright, pois não o leu! Se o fizer mentirá!

      “Agora se o sonho do amigo é provar que não leio livros dos críticos, está perdendo seu tempo, já havia lhe dito com todas as letras que não leio tais livros, e se o faço é a contragosto, apenas quando necessito para fazer alguma defesa.”

      R: Realmente obrigado por, pelo menos agora falar a verdade, e confessar que não lê os livros dos autores que critica. Não teve como esconder seu triste procedimento. O Sr. mente seguidamente. Como então, o Sr. antes afirmou que leu o livro de Walter Rea?

      Desculpe-me, mas mostra com isso que além de faltar com a verdade, é um teleguiado que se baseia na opinião de sexteiros, quinteiros, quarteiros e terceiros; muitos dos quais também sequer leem o que criticam.
      O nome disso é ...... Deixo a conclusão para os leitores! Já pensou se a moda pega!

      “E tenho lido muita coisa, do que é necessário para dar uma resposta. Quem dita os métodos de estudo que utilizo sou eu mesmo e não o amigo. Acostume-se!”

      R: Não me acostumo mesmo, pois não estou acostumado com isso! O Sr. lê só o que é conveniente ao seu fanatismo e a sua ideologia religiosa.
      Sei ainda que o Sr. dita os “métodos” pessoais que julga mais convenientes para defender sua ideologia religiosa e interpretativa.

      Continua

      Excluir
    49. Continua

      “Se deseja me repreender, pelo menos espere até que eu faça alguma crítica que não seja imediatamente confirmada por um livro recomendado pelo amigo. Como foi com o Veltman Report, Ramik, e mais recentemente "Subtilezas do Erro".

      ‘Nos dois primeiros já havia lhe dado um parecer, mesmo sem ter lido as obras, após a leitura lhe demonstrei que minhas conclusões estavam correta e todos eles consideraram que Ellen White não havia comentido plágio e que eles mesmos se comoveram ou tiveram suas vidas mudadas ao tentarem achar meios de condená-la.’

      R: Quanto ao seu parecer dispenso-os, pois novamente sua incoerência é brutal. Deveria se sentir envergonhado em: DAR UM “PARECER” SEM LER AS OBRAS. Isso mostra falta de seriedade de sua parte. Creio estar perdendo meu tempo com o Sr.

      “Portanto confie mais nos meus métodos de estudo investigativo, de fontes primárias e do vasto e confiável arquivo de documentos do adventismo.”

      R: Irmão desculpe, mas é por isso que digo que o Sr. enaltece a si próprio de uma cultura que não possui. Se isso lhe faz bem, nada posso fazer. Só lamento.

      Por outro lado, não tenho qualquer confiança nas informações do Sr. pois o seu “método” é o de criticar e comentar sobre livros que sequer leu. Seu “método” (procedimento fica melhor) é: parcial, tendencioso, acrítico e contribui para a propagação da mentira.

      Em relação aos arquivos citados. Qualquer arquivo, seja questionando ou apoiando o adventismo, deve ser perscrutado. Isso é que é pesquisar!

      Att.

      Anônimo X.

      Excluir
    50. Amigo Anômio X, creio que terei que usar uma forma inferior de diálogo com o amigo. Creio que o amigo está com dificuldades em assimilar o que tenho lhe passado:

      "Qual linha investigativa? Qual a metodologia correta? Ficou vago o que afirmou!"

      Creio que lhe orientei em:

      "Caso não saiba o que é um método investigativo, dê uma olhada em artigos relacionado a jornalismo."

      Sobre:
      "O Sr. apesar de não ser intelectual, faz muito isso."

      Têm ciência do que acaba de dizer: Se não me considera intelectual, também não o considerarei, e o tratarei na devida forma.

      Veja os demais conteúdos de vossos argumentos:

      "Nossa como o Sr. é inteligente!;
      Não seja ingênuo e/ou tendencioso!;
      O Sr. é dos tais! É o exemplo vivo do que me perguntou!;
      o Sr., que não é intelectual, comete erros?;
      Pare de elogiar a si próprio Sr. Adventista! Não fica bem!;
      O processo praticado pelo Sr. não é pesquisa.;
      Suas opiniões baseiam-se na opinião da IASD. Só isso.;
      Creio que deveria seguir o conselho que me dá, uma vez que é profundamente tendencioso e não segue nenhum método científico acadêmico!;
      Diante da barbaridade que escreveu, repito que o Sr. não é um pesquisador;
      é um torcedor apaixonado e daqueles mais fanáticos;
      Estava questionando o seu triste procedimento;
      O Sr. é confuso;
      estás com amente cauterizada!;
      O Sr. agora está mentindo descaradamente;
      O Sr. pode continuar mentindo;
      Viu!. O Sr. não é um pesquisador!;
      Mais uma mentira descarada do Sr;
      Se quer mentir continue mentindo!;
      O Sr. de forma subliminar procura induzir e depreciar autores;
      além de faltar com a verdade, é um teleguiado que se baseia na opinião de sexteiros, quinteiros, quarteiros e terceiro;
      O Sr. lê só o que é conveniente ao seu fanatismo e a sua ideologia religiosa;
      o Sr. dita os “métodos” pessoais que julga mais convenientes para defender sua ideologia religiosa e interpretativa;"

      O que digo ao amigo é isto:

      FALÁCIA!

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Falácia

      O amigo perdeu totalmente a linha e está partindo apenas para observações pessoais (Ataque ao argumentador). Por culpa de vossa atitude vossos argumentos se tornam inválidos.

      "A falácia invalida imediatamente o argumento no qual ela ocorre"

      Deveria conhecer os riscos de se usar de falácia em debates.

      Quer um exemplo de uma boa falácia? Eis:

      O melhor que o amigo poderia fazer agora é reconhecer que está sem argumentos, do que continuar nesta situação lastimável, compromentendo ainda mais vossa confiabilidade intelectual.

      Outra boa falácia em continuidade:

      Sempre considerei o amigo como um bom intelectual, esperava então que o amigo procedesse da mesma forma. Mas vejo que o amigo está disposto a tudo para impor a sua verdade, mesmo que isto signifique desprezar a boa amizade e o respeito que sempre tivemos nos debates.

      Voltando ao assunto:

      Já havia advertido que tais táticas de argumentação não funcionam comigo, conheço bem este terreno. Talvez seja melhor de demos um tempo neste debate, para esfriar os ânimos, então voltemos a dialogar.

      Excluir
    51. Sr. Adventista, boa tarde.


      Se o Sr. assim deseja, tudo bem!


      Atenciosamente.


      Anônimo X.



      Excluir
  3. Eu, particularmente creio que, para sermos imparciais e coerentes, devemos nos colocar à disposição para uma eventual "Investigação"; caso apontássemos o dedo a quem quer que seja.

    A "estratégia" da Acusação, é uma das "Ferramentas" utilizadas principalmente no campo da Política. Quando alguém têm o propósito de fazer desacreditar a outro que representaria uma ameaça à sua carreira; Então, utiliza-se desse "Artifício" para denegrir a Imagem do seu Adversário; para daí, tirar algum proveito.

    É o "desviar" da atenção das pessoas em seu favor, não se leva em consideração se tal procedimento seja ou não "Ético".

    Não estou afirmando que esta "seria" a intenção deste BLOG. Mas é bom observar que, pelo "Andar da Carruagem", ou seja, por algum Comentário Infeliz de um ou outro, e que é apoiado pelo Sr.Adventista; e através da Criação de TÓPICOS como resposta para algum questionamento, e o hábito de "Copiar e Colar" Artigo alheio para expô-lo ao ridículo através de Críticas destrutivas; infelizmente está indo nesta Direção. Ou seja, parece que está havendo um "desvio" da finalidade para o qual foi proposto.

    Penso eu.

    Abraços a todos.

    Joel.

    ResponderExcluir
  4. Só mais um detalhe. leia as suas palavras.

    "Mas conheço muito bem sobre os autores e conhecerei bem mais sobre Canright com o livro que o amigo indicou “subtilezas do erro”, pois é uma fonte confiável e muito bem elaborada, pois está em perfeita harmonia com o que obtive em minhas pesquisas."

    Estranho! O quê? O Sr. não havia dito que as suas pesquisias coincidiam com a do autor? Como Pode isso, se o Sr. afirma que ainda conhecerá a obra?

    Como pode o Sr. conhecer sobre Canright se sequer leu a obra dele?

    Quer dizer que o obra "Subtilezas do erro" é fonte confiável? Quer dizer que não precisa sequer ler o próprio livro de Canright?

    Pois é; É por isso que afirmo é reafirmo que o Sr. não é um pesquisador! mas quie pé um torcedor apaixonado!

    ResponderExcluir
  5. Corrigindo: Pois é. É por isso que afirmo é reafirmo que o Sr. não é um pesquisador! mas um um torcedor apaixonado!

    ResponderExcluir